Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.

Isenção de IR sobre ganho de capital para quitar segundo bem imóvel



A isenção do Imposto de Renda (IR) sobre ganho de capital nas operações de alienação de imóvel, prevista no artigo 39 da Lei nº 11.196/05, também é válida para os casos de venda de imóvel residencial com o objetivo de quitar, total ou parcialmente, débito remanescente de aquisição a prazo ou à prestação de imóvel residencial já possuído pelo contribuinte.

Com essa decisão, a 2ª Turma do STJ considerou ilegal a restrição estabelecida no artigo 2º, parágrafo 11, I, da Instrução Normativa nº 599/05, da Receita Federal, que excluía da isenção fiscal a possibilidade de o contribuinte utilizar o ganho de capital para quitar financiamento de imóvel já adquirido.

O entendimento foi formado no julgamento de um recurso interposto pela Fazenda Nacional contra decisão favorável obtida por um contribuinte de Santa Catarina na Justiça Federal de primeiro grau e no TRF da 4ª Região.

Em março de 2013, o contribuinte vendeu por R$ 285 mil um apartamento em Foz do Iguaçu (PR), comprado por R$ 190 mil, e obteve assim um ganho de capital de R$ 95 mil.

Em seguida, utilizou esse montante na quitação das obrigações assumidas com a compra de um apartamento em Itajaí (SC), acreditando que não teria de pagar imposto sobre o ganho de capital.

Como a Receita Federal tinha entendimento de que essa operação não dava direito à isenção, o contribuinte ajuizou mandado de segurança na Justiça Federal e obteve decisão favorável. A Receita recorreu então ao STJ. Aí a decisão majoritária foi que a restrição imposta pela instrução normativa “torna a aplicação da norma quase impossível”. ((REsp nº 1469478).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Uma disputa judicial de R$ 229 bi

Cerca de 25 mil companhias cobram do Fisco – nos fóruns e tribunais federais, Brasil afora - créditos decorrentes de uma decisão do STF que determina a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins.

Isenção de IPVA para mulher que teve câncer de mama

A 1ª Turma Recursal da Fazenda Pública do RS reforma sentença. Reconhecimento de que a Lei Estadual nº 14.381/2013 estendeu a isenção do tributo para as hipóteses de deficiência mental e outras, não mais restringindo o benefício aos casos de deficiência física.

Imposto de Renda incide também sobre o auxílio-alimentação

A Turma Regional de Uniformização dos JEFs da 4ª Região uniformizou o entendimento de que há a incidência do tributo sobre o auxílio-almoço pago em pecúnia a empregado celetista. E a “rádio-corredor” da OAB pergunta reticente: por que não igualar juízes e promotores?...