Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

Se você usa o Uber, fique ligado!



Um golpe envolvendo o aplicativo de transportes Uber está circulando nas redes sociais. Com o nome de UberBr, uma página falsa no Facebook promete premiar os usuários com um desconto de R$ 100.

No saite safado, os criminosos pedem informações sensíveis do usuário em troca do falso desconto, como nome completo, número de telefone e dados do banco e do cartão de crédito. Munidos destas informações, os golpistas conseguem fazer compras em nome da vítima e até mesmo ganhar o bônus de R$ 20 para corridas no aplicativo quente.

A revelação foi feita ontem (6), à tarde, pelo jornalista Matheus Mans, do jornal O Estado de S. Paulo.

“É a primeira vez que é usado o nome do Uber em golpes desse tipo”, afirma o especialista em segurança digital e analista da Kaspersky, Fabio Assolini. Neste caso, o golpe usado é o phishing, que "pesca" informações de usuários em páginas falsas na web.

A página falsa, que foi tirada do ar pelo Facebook nesta segunda-feira (6), por “ferir as políticas da comunidade”, tinha mais de 20 mil curtidas. Algumas postagens contavam com mais de 1 mil comentários, sendo que alguns usuários até mesmo indicavam o bônus para amigos e familiares.

Mas há o risco, claro, de os vigaristas montarem uma nova estratégia golpista, lesando pessoas menos atentas.

“A página do Facebook e o saite são bem feitos”, diz Assolini. “Eles conseguiram o que precisam para esse tipo de golpe: aparência parecida com o original e domínio com um bom nome para confundir as pessoas.”

Chamou a atenção, na página do UberBR, que o criminoso conseguiu copiar com exatidão as cores do aplicativo de transporte.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

As operadoras de saúde ganharam!...

E os consumidores perderam! A 2ª Seção do STJ fixou tese: não há obrigação de fornecimento de medicamentos não registrados pela Anvisa.

Frustrada tentativa de manipular a jurisdição

STJ define que a desistência da recorrente não impede o julgamento de recurso. Caso envolve a confirmação da condenação de operadora de saúde a fornecer medicamento para o tratamento de câncer e cria um precedente.