Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

Horizonte azul para “inimigos do povo” e a vitória da corrupção



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

A decisão do STF, na terça-feira (25), de soltar dois condenados (José Carlos Bumlai e João Claudio Genu) na Operação Lava-Jato, formalizou um precedente e sinalizou um agradável horizonte próximo para outros 12 sentenciados por Sérgio Moro, que ainda não têm, contra si, decisões de segunda instância (TRF-4). Entre os inquilinos das celas de Curitiba que poderão ser bafejados pela sorte jurídica – e pela demora do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (RS, SC, PR) estão os notórios Eduardo Cunha, José Dirceu, Marcelo Odebrecht, João Vaccari Neto e mais outros oito indivíduos.

Dando a impressão de desolação, por ter sido vencido na tentativa de manter Bumlai e Genu presos, o ministro Edison Fachin fez - um dia depois do julgamento - uma sutil comparação. Referiu-se a “Um Inimigo do Povo”, obra teatral que conta a história de um médico odiado por certa fatia da comunidade de uma cidade da Noruega, ao denunciar a comprovada contaminação de águas. Prevaleceu, afinal, a vontade dos mais ricos, que controlavam hotéis e pontos turísticos e, assim, ganhavam bom dinheiro.

Apesar de lutar pela verdade, o enredo mostrado em 1882 pelo dramaturgo norueguês Henrik Ibsen revela – para desdouro das pessoas de bem – que o médico acabou isolado por “colocar em risco os lucros e sucesso dos seus conterrâneos”. E a corrupção venceu!...

Os bastidores de “Um Inimigo do Povo”

A história passa-se numa cidade norueguesa, cuja maior fonte de renda advém de sua estação balneária. O médico-personagem Dr. Stockmann inquieta-se com as doenças que turistas e concidadãos apresentam e resolve investigar a água da cidade. Para sua surpresa, descobre que a água está poluída, aparentemente devido a lançamentos de lixívia contendo impurezas dos curtumes da cidade, de propriedade de outra fatia social de poderio político e econômico.

Homem da ciência, o Dr. Stockmann sente-se no dever de levar a verdade ao povo. Mas sua denúncia é rebatida: ela poderá causar o encerramento do balneário, fechar hotéis, trazer desemprego, etc. além de provocar uma suspeição geral sobre as qualidades das águas medicinais, mesmo depois das obras necessárias (dois anos) para resolver a questão. A conjunção causaria um transtorno para a cidade, que deixaria de lucrar com o turismo.

Não denunciar o fato, contudo, vai contra os ideais do médico Stockmann.

A poluição das águas é usada como metáfora no drama do teatrólogo Ibsen para denunciar a sujeira na estrutura social daquela cidade - no governo, na política, na imprensa, no comércio e na sociedade em geral. A insistência do Dr. Stockmann em fazer prevalecer a verdade torna-o persona ´non grata´ para a população, sobretudo ao defender a ideia de que os valores ali estão sustentados sobre a mentira.

O médico torna-se um inimigo da maioria da população manipulada por agentes políticos - e ele conta apenas com o apoio de sua família e de poucos membros da comunidade, que também passam a sofrer represálias por conta disso. A convicção do Dr. Stockmann em relação à verdade, contudo, faz com que ele se mantenha firme em seus propósitos até o fim.

O enredo político-econômico é dividido em cinco atos, seguindo uma estrutura típica do drama realista do final do século XIX.

O último ato representa a vitória da corrupção e mostra uma nítida desaceleração de outros componentes, em contraste com a agitação dos atos precedentes.

Se o leitor interessar-se em conhecer toda a história e saber o que Eduardo Cunha, José Dirceu e outros do mesmo time podem ter a ver com o que aconteceu na Noruega, podem acessar o Wikipedia, onde a história está – apesar de longa – muito bem contada. Basta clicar aqui.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte EV

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

 

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

Desembargadora Sérgia Maria Mendonça Miranda vira ré em investigação sobre esquema de venda de habeas corpus no Tribunal de Justiça do Ceará. Também são acusados oito advogados, três dos quais estão suspensos preventivamente pela OAB cearense

STF julga hoje novo habeas corpus de Lula

A defesa argumenta que Moro é inimigo do ex-presidente e não tinha isenção para julgá-lo, tanto que virou futuro ministro do governo Bolsonaro. A PGR rebate que “a decisão de tornar-se ministro é estritamente pessoal, e a motivação do ex-magistrado em aceitar tal convite não interessa aos autos"

Quase 200 anos de prisão!

Juiz Marcelo Bretas condena Sérgio Cabral a mais 14 anos de prisão, por lavagem de R$ 15 milhões. Total das penas chega a 197 anos e 9 meses.

Mais uma denúncia contra Lula: suposta lavagem de R$ 1 milhão

Ele teria influenciado decisões de Teodoro Obiang, presidente da Guiné Equatorial, para a contratação do grupo brasileiro ARG. Um e-mail apreendido afirma que a empresa estava disposta a fazer “uma contribuição financeira bastante importante” ao Instituto Lula. O dinheiro foi contabilizado como doação.