Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 11 de dezembro de 2018.

O preço da chupeta



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Era véspera do domingo de Páscoa, ano passado. Toda pimpona com o crescimento da primogênita, dona Michelle passeava pelas ruas da cidade, quando deparou com um cartaz na farmácia: “Promoção de chupetas especiais por R$ 10,99”. A jovem mamãe entrou, pegou uma e passou à fila do caixa para pagar.

Feita a leitura do código de barras, o ticket apontou R$ 14,99. O bochincho começou e a fila aumentou. Veio o gerente, disse que “o preço é este”. A consumidora não se deu por vencida: puxou uma cédula de R$ 10 e outra de R$ 5. Pagou, pegou a sacolinha com a chupeta e foi decisiva:

- Não quero o troco!

No mesmo dia foi ao escritório advocatício da Dra. Alice, levando a foto do cartaz promocional e o cupom fiscal.

- Doutora, eu quero uma ação para receber o preço em dobro e uma indenização por dano moral.

Dito e feito, a ação ingressou. A farmácia, em contestação, admitiu “o erro de sistema” e se dispôs a imediatamente devolver os R$ 4,00 cobrados a mais. Não houve acordo.

A sentença concluiu que “a situação vivenciada pela autora não retrata o dano moral, mas sim mero contratempo e dissabor a que estão sujeitas as pessoas nas suas relações e atividades do cotidiano”. O julgado também determinou a devolução simples dos R$ 4 com juros e correção monetária. Sem honorários – a causa tramitava no JEC.

Mamãe Michelle não se conformou e pediu que a doutora Alice recorresse. Assim foi feito. No julgamento que fulminou o recurso, a relatora discorreu ilustrativamente sobre a chupeta: “o bico é um objeto para crianças entre aproximadamente duas semanas de vida até os três anos de idade, sendo sua função substituir o mamilo materno”.

Baixaram os autos. Na semana passada, a farmácia fez o depósito atualizado da condenação: R$ 4,56. A subseção local da OAB e o contador do foro estão tentando calcular informalmente qual foi, para o Estado, o custo do processo. Com o que se gastou em tempo-hora, idas e vindas dos advogados, atuação jurisdicional, papelada, publicação no DJ Online, energia elétrica etc., seguramente daria para comprar 500 chupetas para destinar a uma entidade assistencial.

Mamãe Michelle ficou chupando o dedo.


Comentários

Andréia Ribeiro - Estudante 11.05.17 | 10:06:08

Hehehe...Espaço Vital zoeiro! Mas falando sério, a relevância do caso está na subjetividade moral e não no objeto que causou a situação. Concordo plenamente com o Dr. Marcio Albuquerque, e o abuso no caso é a perda de tempo pela OAB e contadoria para levantamento de "prejuízo". E o prejuízo moral dessa demandante? O que interessa é só o valor pecuniário? Acredito que a evidência aqui está equivocada. Que venham muitas mamães Micheles, bem como advogados que enxerguem a dignidade acima discutida.

Marcio Albuquerque - Advogado 09.05.17 | 23:29:59

sDiscordo do tom crítico da matéria à ação. Certamente se está perdendendo de vista o bem maior. É limitado achar que a demanda discutiu o valor de uma chupeta. Em debate sim os valores que nós, como sociedade, queremos fazer valer, ou não - o CDC e o respeito ao consumidor. Admiro a teoria do desvalor ou do direito pedagógico, adotado pelas cortes Norte Americanas. Basta a condenação exemplar de um fornecedor para mudar toda a indústria e, consequentemente, diminuir as demandas recorrentes.

Virgínia Ribas - Médica 09.05.17 | 22:48:12

Cobrado cerca de 50% a maior. Quem chupa o dedo é quem não se importa. A Michelle se importa. Parabéns, mamãe! O Brasil precisa de quem se importa.

Joao Fernando Sperotto - Aposentado 09.05.17 | 17:31:48

Eu, como leigo, não entendo de leis. Porém pergunto: esta decisão dada pelo Judiciário só serve de incentivo para as empresas não sérias a continuar operando como esta farmácia. Fazendo propaganda enganosa! Por outro lado pergunto: caso a mamãe Michelle fosse uma juíza ou uma desembargadora a sentença seria a mesma? Seria realmente um mero contratempo e um dissabor a que estão sujeitas as pessoas nas suas relações e atividades de seu cotidiano? Está feita a pergunta.

Irani Leal Ferreirair - Advogada E Servidora Pública 09.05.17 | 13:49:35

Eu, como advogada, jamais entraria numa demanda dessas! Sabemos qual o resultado final.

Estelamar Machado Carneiro Scheffer - Advogada 09.05.17 | 11:11:02

É o fim dos tempos, com todas as ações de grande relevância que o Judiciário tem pra julgar, é obrigado a cuidar também dessas situações em que um diálogo resolveria o problema.

Tania Machado De Sa Tania Sa - Advogada 09.05.17 | 11:04:33

Aí está o abuso dos direitos. Se as pessoas neste mundo contemporâneo praticassem os deveres como querem ou praticam "direitos", com certeza este mundo andaria muito melhor. Falo - quero deixar claro - no abuso, quando falta bom senso.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A fama do João Grande

 

A fama do João Grande

Era uma ação penal contra um homem que estaria ofendendo e ameaçando a ex-esposa. As desavenças ocorriam porque ela postava, nas redes sociais, que o ex-marido vivia sempre na casa do João Grande, famoso na cidade gaúcha por ser bem-dotado.

Charge de Gerson Kauer

O gaúcho caloteiro

 

O gaúcho caloteiro

A difícil intimação de um fazendeiro, já conhecido no meio forense, como o Senhor Caloteiro. O êxito da diligência só acontece porque, no esconderijo, o devedor é acometido de coceira causada por urtiga.

Charge de Gerson Kauer

   A experiência dos velhinhos

 

A experiência dos velhinhos

Segundo a cartilha do banco, os saques mínimos no atendimento presencial seriam de R$ 200. Saiba como a idosa senhora - mãe de um advogado e avó de um estagiário do tribunal - convenceu o caixa de que ela tinha direito líquido e certo a sacar apenas R$ 50.

Charge de Gerson Kauer

Quando o suposto amor vira negócio

 

Quando o suposto amor vira negócio

O cliente, à hora da saída do motel, acelera o carro, derruba a cancela e se vai em desabalada fuga. Saiba porque, em Juízo, o tresloucado gesto do homem comove o juiz e obtém simpatia do dono do estabelecimento de hospedagem.

Gerson Kauer

Perfume de segunda categoria

 

Perfume de segunda categoria

Após presidir a audiência de ação penal relativa a roubo à mão armada ocorrido em uma loja de perfumes, o elegante juiz é surpreendido com a pergunta desferida pela vítima: “Doutor, o senhor tem compromisso para hoje à noite?

Gerson Kauer

Casa de marimbondos

 

Casa de marimbondos

Após a vã tentativa de avaliar uma velha colheitadeira penhorada, o oficial de justiça certifica em minúcias: “Não pude me aproximar da máquina, pois na parte interna do teto da cabine tem uma casa de marimbondos do tamanho de uma caçamba de pampa, tendo este servidor medo de levar múltiplas ferroadas”.