Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.

Prato do dia: pizza judicial



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Na pequena cidade gaúcha, a Pizzaria Passarinho era – para as cores locais – a melhor, para não dizer que fosse a única.  Produzia o trivial prato italiano, mas nem pensar em algo sofisticado como cobertura de frutos do mar. Mas ia...

A Reginaura era cliente da telentrega, mas foi cismando com a suposta perda de qualidade da pizza que chegava ora quente, ora morna, ora demorada, fria, murcha e sem gosto para o jantar dominical. E tanto foi que a Reginaura passou a ferrar a pizzaria, e seu dono,  nas redes sociais. Começou de mansinho, passou para os exageros e, logo, estava nas ofensas.

Via termo circunstanciado, o dono da pizzaria chegou ao Juizado Especial Criminal. O juiz designou audiência, na qual a Reginaura se apresentou impactantemente mal trajada: chinelos de dedos, short justo e curto, abdômen exposto (era avantajado, mas sem gravidez), mini blusa berrante etc.

Os personagens tradicionais da cena forense se olharam e admitiram, depois, terem lembrado de um caso ocorrido em Cascavel (PR). Foi quando o juiz do Trabalho Bento Luiz de Azambuja Moreira (atualmente titular da 21ª Vara do Trabalho de Curitiba), mandou para casa o reclamante que comparecera calçando chinelos.

O magistrado gaúcho, todavia, foi respeitoso e paciente. Logo sugeriu que uma retratação seria a melhor solução para todos. A Reginaura concordou e pediu licença para falar:

- Doutor, eu exagerei e me retrato. E estou aqui toda machucada porque levei uns tapas do meu marido, depois de um fresqueio virtual com uma turma no Facebook. Terminei descontando injustamente na pizzaria – disse mostrando marcas roxas nos braços.

Transação homologada, no dia seguinte a retratação foi publicada por Reginaura, em sua página: “Desculpo-me das afirmações inverídicas envolvendo a Pizzaria Passarinho, de quem nada tenho a reclamar em relação aos produtos e serviços prestados”.

Desagravado, o dono do estabelecimento mandou, à noite, uma caprichada caixa quentinha à casa da Reginaura. Era uma à “moda margherita”, de boa qualidade.

Foi assim que tudo acabou em pizza. Mas bem diferente daquelas pizzas dos políticos brasileiros, que só resolvem a sua avidez financeira e pisoteiam os ideais republicanos.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Virem-se e estudem!

 

Virem-se e estudem!

Três moçoilas inteligentes terminaram o segundo grau no Interior e passaram em universidade particular na Capital, só que as respectivas famílias não conseguiriam pagar. Resolutas, as três combinaram que iriam “se virar” para quitar as mensalidades. Abriram então uma casa de diversões para o público masculino adulto. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Que ´m´!

 

Que ´m´!

O despacho judicial pretendia indeferir uma “MERA” revogação da liminar. Mas por erro de digitação – ou algum atropelo do verificador ortográfico – a palavra terminou ganhando, justo em seu meio, um inoportuno acréscimo da consoante ´d´.  Então virou “m----“.

Charge de Gerson Kauer

Sem estagiário, não tem Judiciário!

 

Sem estagiário, não tem Judiciário!

Um romance forense com nome da advogada afrontada. A empáfia de uma estagiária, o desrespeito às leis e a conclusão conciliadora da escrivã: “Com a carência de pessoal e a falta de concursos, dependemos da estagiariocracia”. 

Charge de Gerson Kauer

   O Doutor Rei da Sinuca

 

O Doutor Rei da Sinuca

A surpresa, em cidade da fronteira gaúcha, quando o advogado - que tinha 99% de sucesso nos encaçapamentos das sete bolas coloridas – rompeu o namoro com a mulher mais ´in-te-res-san-te´ da comarca.

Gerson Kauer

Os dois exagerados

 

Os dois exagerados

Ao realizar a penhora sobre um cavalo (“o mais famoso reprodutor da fazenda”), o oficial de justiça espanta-se com a virilidade do equino, fotografa o animal excitado, e faz uma certidão exageradamente minuciosa. O juiz manda desentranhar a foto e que se risquem 17 palavras do relato oficial feito pelo servidor minucioso.