Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

Indústria condenada por punir supervisor ao uso de sapatos de saltos altos



A 8ª Turma do TST rejeitou agravo da Sociedade Anônima Fábrica de Produtos Alimentícios Vigor contra a condenação ao pagamento de indenização a um coordenador de vendas. Ele era submetido a tratamento humilhante por descumprimento de metas.

Além de ter sido chamado de incompetente, ele foi obrigado a pagar “prendas” vexatórias, entre as quais calçar sapatos femininos de saltos altos.

Conforme a ação trabalhista, o trabalhador - durante anos - sofreu cobranças diárias por telefone e e-mail. Mais: nas reuniões era exposto a situações constrangedoras pelo gerente nacional na presença de outros empregados quando não atingia as metas de vendas. Após a demissão, pediu indenização por dano moral.

O TRT da 9ª Região (PR) manteve a sentença que fixou a indenização em R$ 5 mil, uma vez que o próprio preposto da Vigor admitiu a divulgação pública dos resultados nas reuniões. Embora negasse que os comentários fossem vexatórios, admitiu que não sabia se o coordenador foi chamado de incompetente ou sem profissionalismo, caracterizando, para o Regional, confissão ficta por desconhecimento dos fatos.

No recurso de revista da empresa, “a decisão regional violou os artigos 818 da CLT, e 373, inciso I, do Código de Processo Civil, que tratam do ônus da prova”.

Mas a relatora do recurso, ministra Maria Cristina Peduzzi, afastou a incidência dos artigos apontados, explicando que a controvérsia não foi solucionada com base nas regras de distribuição do ônus da prova. Por unanimidade, a 8ª Turma negou provimento ao agravo.

Fundada em 1917 como uma processadora de leite, a Vigor anuncia, em seu saite, “acreditar no sucesso estruturado em atitude de dono, disciplina, humildade, determinação, simplicidade, franqueza e disponibilidade”. Entre suas unidades, tem uma fábrica que é considerada “referência no setor lácteo brasileiro, instalada em Barra do Piraí (RJ)”.

O advogado Denison Henrique Leandro atua em nome do trabalhador. (ARR nº 863-07.2014.5.09.0513 – com informações do TST e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Virgínia Ribas - Médica 08.11.17 | 16:18:43
R$ 5 mil? Indenização rídicula.
Nirio Menezes - Advogado 07.11.17 | 19:03:54

Ora, vejam só, R$ 5.000,00, de punição por humilhar um humano!... Realmente temos que começar a pensar na eleição de juízes como ocorre em outros países.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Raphael G. Faria

   Grande cadeia de lojas enganava seus clientes

 

Grande cadeia de lojas enganava seus clientes

A Via Varejo S.A. (grupo que inclui Casas Bahia e Ponto Frio) exigia que os vendedores praticassem o “Embutec”: a inclusão, no preço do produto, de garantia estendida, seguro em caso de desemprego e seguro de vida, mesmo que o consumidor não quisesse.

Arte de Camila Adamoli

TST reconhece relação de emprego entre “advogado associado” e dois escritórios de Porto Alegre

 

TST reconhece relação de emprego entre “advogado associado” e dois escritórios de Porto Alegre

Julgado superior avaliou que “o contrato de associação firmado serviu de mero instrumento formal para mascarar uma relação de emprego”.  Decisão envolve seis anos e quatro meses, determinando o pagamento de horas extras além da 40ª semanal, 13º salário, aviso prévio, férias e depósitos do FGTS. Condenação fica próxima de R$ 200 mil.

Tarefas macabras na jornada de trabalho de vigilante

TST manda a empresa Power Segurança – terceirizada na prestação de serviços à Cia. Paulista de Trens Urbanos – indenizar trabalhador que, em desvio de função, era obrigado a remover cadáveres e vítimas de acidentes nos trilhos.

Bullying em loja da rede Walmart

“Obesa, elefoa, gorda”. Empregada com depressão agravada devido aos constrangimentos e humilhações será indenizada.