Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.

Veto de Temer impede a polícia de decretar medida protetiva na Lei Maria da Penha



O presidente Michel Temer vetou a alteração na Lei Maria da Penha que delegaria à autoridade policial o poder de decretar medidas protetivas à mulher vítima de violência doméstica, retirando uma prerrogativa exclusiva da magistratura. O veto atende à reivindicação da Associação dos Juízes do RS (Ajuris). Esta, em 18 de outubro último, encaminhou ofício ao presidente da República sustentando que o texto aprovado no Congresso feria os princípios constitucionais de separação dos poderes e da reserva da Constituição.

Temer vetou o artigo 12-B e dois parágrafos relacionados. A matéria sancionada na quarta-feira (8) e publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (9) acrescenta novos dispositivos à Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/ 2006) para combater a violência contra a mulher. Os movimentos de defesa da mulher e a própria Maria da Penha Fernandes - assim como a Ajuris - também eram contra a alteração que acabou vetada.

O presidente da Ajuris, Gilberto Schäfer, analisou o veto presidencial, dizendo que “a aplicação de medidas protetivas por quem não tem atribuições, independência funcional, estrutura e capacitação para tal agravaria ainda mais o risco a que são submetidas as mulheres vítimas de violência doméstica e as manteria vulneráveis mesmo após procurar proteção do Estado”. Schäfer destacou o acerto da manutenção da prerrogativa pela magistratura.

A juíza Madgéli Frantz Machado, titular do 1º Juizado de Violência Doméstica de Porto Alegre e ex-presidente do Fórum Nacional de Juízes de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (Fonavid), também disse ter sido importante o veto. Ela entende que o artigo 12-B causaria “retrocesso e subverteria o foco da lei, que é garantir acesso das mulheres à Justiça”.

Novos dispositivos válidos

A Lei Maria da Penha ganhou novos dispositivos a partir da sanção da Lei nº 13.505.

·       O artigo 1º dispõe sobre o direito da mulher em situação de violência doméstica e familiar de ter atendimento policial e pericial especializado, ininterrupto e prestado, preferencialmente, por servidores do sexo feminino.

·       O artigo 2º estabelece o acréscimo dos artigos 10-A e 12-A, que dizem:

Art. 10-A. É direito da mulher em situação de violência doméstica e familiar o atendimento policial e pericial especializado, ininterrupto e prestado por servidores - preferencialmente do sexo feminino - previamente capacitados.

§ 1º A inquirição de mulher em situação de violência doméstica e familiar ou de testemunha de violência doméstica, quando se tratar de crime contra a mulher, obedecerá às seguintes diretrizes:

I- Salvaguarda da integridade física, psíquica e emocional da depoente, considerada a sua condição peculiar de pessoa em situação de violência doméstica e familiar;

II - garantia de que, em nenhuma hipótese, a mulher em situação de violência doméstica e familiar, familiares e testemunhas terão contato direto com investigados ou suspeitos e pessoas a eles relacionadas;

III - não vitimização da depoente, evitando sucessivas inquirições sobre o mesmo fato nos âmbitos criminal, cível e administrativo, bem como questionamentos sobre a vida privada.

§ 2º Na inquirição de mulher em situação de violência doméstica e familiar ou de testemunha de delitos de que trata esta lei, adotar-se-á, preferencialmente, o seguinte procedimento:

I - a inquirição será feita em recinto especialmente projetado para esse fim, o qual conterá os equipamentos próprios e adequados à idade da mulher em situação de violência doméstica e familiar ou testemunha e ao tipo e à gravidade da violência sofrida;

II - quando for o caso, a inquirição será intermediada por profissional especializado em violência doméstica e familiar designado pela autoridade judiciária ou policial;

III - o depoimento será registrado em meio eletrônico ou magnético, devendo a desgravação e a mídia integrar o inquérito.

Artigo 12-A. Os Estados e o Distrito Federal, na formulação de suas políticas e planos de atendimento à mulher em situação de violência doméstica e familiar, darão prioridade, no âmbito da Polícia Civil, à criação de Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (Deams), de Núcleos Investigativos de Feminicídio e de equipes especializadas para o atendimento e a investigação das violências graves contra a mulher.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Um decreto presidencial derruba 323!

As normas são do período de 1918 até fevereiro de 2019, ao longo de 101 anos de República e deixarão de existir no próximo dia 17 de agosto.

Nova norma altera dispositivos das Lei das Sociedades Anônimas

Lei federal nº 13.818, ontem publicada, dispõe sobre as publicações obrigatórias e amplia para R$ 10 milhões o valor admitido de patrimônio líquido para que a sociedade anônima de capital fechado faça jus ao regime simplificado de publicidade de atos societários.

Arte de Camila Adamoli sobre fotos Visual Hunt e Camera Press

Programa Veículo Legal: ideia gaúcha para uma quitação às claras

 

Programa Veículo Legal: ideia gaúcha para uma quitação às claras

Começa a tramitação do projeto de autoria do deputado Sebastião Melo (MDB). O IPVA atrasado e as multas de trânsito poderão ser pagos, on line, via cartões de crédito e/ou débito, no momento da abordagem policial. Excluem-se os veículos envolvidos em ilícitos policiais e os com pendências judiciais. Leia a íntegra do projeto de lei.

Liminar suspende obrigatoriedade de bombeiros civis em shopping

A lei municipal - sancionada pelo prefeito Nelson Marchezan Júnior - estabelece como “obrigatória a contratação de equipes com profissionais habilitados para o combate a incêndio” em estabelecimentos com capacidade de lotação mínima de 400 pessoas, ou de mil pessoas, no caso de ´campi´ universitários.