Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Editora não indenizará mulher que teve seu nome e foto incluídos, em livro, como amante do patrão



Amante sem direito ao segredo

Amantes de homens públicos, atenção! Decisão da 10ª Câmara Cível do TJ de São Paulo dispôs que a Editora Schwarcz Ltda. não terá que indenizar uma ex-empregada de Assis Chateaubriand, mencionada na biografia "Chatô - O Rei do Brasil" como suposta amante do jornalista.  A mulher – que buscava indenização mínima de R$ 350 mil - alegou que sua imagem e sua história foram publicadas sem autorização prévia.

Chateaubriand, falecido em 1968, aos 75 de idade, foi um magnata das comunicações no Brasil de 1939 a 1960, dono dos Diários Associados, o maior conglomerado de mídia da América Latina durante mais de 20 anos. Em seu auge, teve mais de cem jornais, emissoras de rádio e tevê, revistas e agência telegráfica.

Conforme o julgado, “a autorização não seria necessária, uma vez que a obra retrata fatos da vida de um dos homens públicos mais influentes do país”.

Consta nos autos que a mulher trabalhou como faxineira por dois anos na casa de Chateaubriand, e que, segundo a obra, escrita pelo jornalista Fernando Morais, ela passava horas no quarto com o empresário, "furunfando”.

A sentença já havia rejeitado o pedido da empregada, entendendo que os fatos narrados e expostos por depoimentos, “comprovam as histórias presentes na biografia”.  O arremate é que “presente a verossimilhança dos fatos narrados no livro em relação à empregada, a obra poderia ter veiculado, sem autorização, a imagem e fatos relacionados à requerente, como coadjuvante da vida de Assis Chateaubriand, importante representante da cultura brasileira, cuja trajetória, assim, deveria ser conhecida em virtude do interesse público despertado". (Proc. nº 0178622-49.2010.8.26.0100).

 Calcinhas e sutiãs em leilão

Lojistas especializados no nicho da moda íntima habilitem-se! Serão vendidos em leilões judiciais (23 de janeiro e 20 de fevereiro), na Justiça do Trabalho do Rio, 16.685 sutiãs, 7.885 calcinhas e 1.700 cintas, na expectativa de arrecadar R$ 726.373,80.

As peças pertencentes ao estoque da fabricante Duloren foram penhoradas na sede da empresa, que fica no Rio. Mas a ordem provém da 10ª Vara do Trabalho de Vitória (ES).

O crédito exequendo é de dois ex-representantes comerciais da Duloren que trabalharam durante cinco anos sem formal vínculo empregatício – afinal reconhecido, e já com trânsito em julgado.  Para facilitar a alienação, a venda das 26.270 será por lotes, que variam de 785 a 2.000 peças. O preço médio mínimo por peça será, assim, de R$ 27,65.

O advogado Domingos Salis de Araújo, que defende os reclamantes, disse que “o desfecho da ação é decorrência de uma prática irregular conhecida como pejotização”. É mais ou menos assim: a empresa contrata os vendedores como pessoas jurídicas, sem assinar a carteira de trabalho, para evitar o vínculo empregatício. No caso capixaba, no final de cada mês os vendedores tinham que emitir notas fiscais para receber seus salários.

A Duloren informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que “não comentará o caso”.

Para recordar

Uma das primeiras a abrir esse filão de indenização por “pejotização coagida”, foi - a hoje mais notória do que nunca - Claudia Cruz, esposa de Eduardo Cunha.

Ela prestou serviços como pessoa jurídica para a Tv Globo do Rio, como apresentadora do telejornal Hoje, de 1989 e 2001.

O desfecho foi no TST, em 2008, obrigando a empresa a desembolsar R$ 5 milhões.

 “Energia para a luta”

O notório – e por ora livre – José Dirceu está fazendo campanha para conclamar uma corrente para 24 de janeiro, quando será julgada a apelação de Lula, contra a condenação a 14 anos de prisão.  A mensagem do ex-chefe da Casa Civil lulista é nesta linha: “A hora é de ação, não de palavras, transformar a fúria e a revolta, a indignação e mesmo o ódio em energia para a luta e o combate”.

A propósito, passada a ressaca comemorativa das festas de Ano Novo, as principais autoridades que administram a segurança (?) em Porto Alegre começarão a se reunir assiduamente a partir da terça-feira 3 de janeiro de 2018. Serão, ao longo de três semanas, reuniões quase diárias.

Vão esquadrinhar tudo o que for possível para que a terça-feira 24 de janeiro seja – na medida do possível – um dia normal em Porto Alegre. Haverá uma óbvia aglomeração (pacífica) de jornalistas e emissoras do mundo inteiro.

Mas nada de protestos na Borges de Medeiros, Loureiro da Silva, Esquina Democrática, muito menos na Rua Otávio Francisco Caruso da Rocha e no entorno do prédio do TRF da 4ª Região. Todo os contingentes de Brigada Militar, Polícia Civil, Polícia Federal e Exército estarão de sobreaviso.


Comentários

Iolanda Ramos Noble - Advogada 15.12.17 | 17:21:34
Todos são iguais perante a lei! A privacidade, a honra e a imagem da mulher que dizem, foi amante de Chateaubriand deveria ter sido protegida pela lei. A popularidade do homem não pode ser motivo para exposição, inclusive da imagem da mulher, que era anônima. Se não ganhou a ação isso se deve ao fato, que todos negam e mentem, porque é evidente, de que pobre não tem vez! A dita cuja além de pobre era uma simples faxineira, portanto, desprotegida. Já se fosse rica, ou juíza ... bah!
Banner publicitário

Mais artigos do autor

A disputa, por três filhas, sobre a destinação do cadáver do pai falecido há seis anos

  Em vida, o falecido teria manifestado, verbalmente, sua disposição de que, após a morte, seu corpo fosse submetido a um processo de congelamento (criogenia – foto acima), nos EUA, para que com a evolução da Ciência, fosse possível descobrir a causa de sua doença.

  A mina da Votorantim próxima ao rio Camaquã e o atropelamento múltiplo de ciclistas: dois “riscos vermelhos” do RS estão no Atlas Global de Justiça Ambiental.

 Unesco certifica a decisão do STF de equiparar a união estável entre pessoas do mesmo sexo à entre casais heterossexuais como “patrimônio documental da humanidade

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.

A juíza federal Gabriela Hardt não toca flauta!

  Vídeo apresentando a magistrada federal da Lava Jato como música amadora é fake!

  Imagens e áudio – de boa qualidade - exibidos em grupos de WhatsApp confundem a magistrada com a flautista Gabriela Machado, do grupo Choronas, de Santos (SP).

  Socicredi não pode usar a marca Sicredi. Decisão é do TJRS.

 Atraso habitual de ônibus do empregador é computado como hora extra em favor de empregado.

  Caso grave de Mal de Parkinson: STJ condena Bradesco a fornecer home care, mesmo sem previsão no contrato.