Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 19 de setembro de 2019.

Como será a vida de Lula depois do amanhã



Oeste News – Google Imagens

Imagem da Matéria

Além de Lula, recorreram ao TRF-4 contra a sentença proferida por Sérgio Moro em 12 de julho passado, o ex-presidente da OAS José Aldemário Pinheiro Filho (pena de 10 anos e 8 meses), o ex-diretor da área internacional da OAS, Agenor Franklin Magalhães Medeiros (condenação de 6 anos), e Paulo Okamotto, ex-presidente do Instituto Lula, (absolvido em primeira instância, mas que busca a modificação dos fundamentos da sentença).

O Ministério Público Federal quer o agravamento da pena dos três condenados em primeiro grau e a reforma da absolvição de três executivos da OAS: Paulo Roberto Valente Gordilho, Roberto Moreira Ferreira e Fábio Hori Yonamine.

Uma pergunta é repetitiva, Brasil afora: o processo pode acabar no dia 24? Não acaba! Tanto o MPF quanto a defesa de Lula podem recorrer da decisão ao TRF-4, STJ e STF.

Se Lula vencer, o MPF pode recorrer, via embargos de declaração ao próprio TRF-4, recurso especial ao STJ e recurso extraordinário ao STF. Os mesmos recursos são possíveis se Lula for condenado, mas sua pena for reduzida ou mantida.

E se Lula for condenado por 3 X 0? Nessa hipótese, a defesa pode entrar com embargos de declaração até dois dias após a publicação do acórdão para pedir esclarecimentos sobre omissões ou pontos obscuros da decisão. Tal recurso em geral não obtém a modificação do acórdão, exceto em casos excepcionais como a falta de análise de um ponto relevante da defesa. O recurso é encaminhado ao relator e julgado pela própria 8ª Turma. Em geral, os embargos de declaração são julgados na sessão seguintes à apresentação dos recursos.

Se Lula for condenado por 2 X 1, a defesa - além dos embargos de declaração - pode entrar com embargos infringentes até dez dias após a publicação do acórdão para pedir a prevalência do voto mais favorável ao condenado. O recurso é apresentado ao relator e julgado pela 4ª Seção, que reúne os seis desembargadores da 7ª e 8ª Turmas. A estimativa é que esses embargos, se apresentados, sejam julgados em no máximo 60 dias. Depois disso, a defesa ainda pode entrar com embargos de declaração ao acórdão dos embargos infringentes até dois dias após a intimação.

Perdendo no TRF-4, Lula pode recorrer ao STJ e ao STF, com uma medida cautelar pedindo o efeito suspensivo do acórdão condenatório.

Outra pergunta é, também, constante: se for condenado, Lula poderá ser preso no dia 24? Não no mesmo dia do julgamento! Ele pode recorrer ao TRF-4 e só pode ter ordem de prisão expedida depois que todos os recursos nessa Corte forem esgotados.

Encerrada a tramitação no TRF-4, Lula poderia ser preso, de acordo com o atual entendimento majoritário do Supremo. Mas a defesa pode ingressar com recurso especial ao STJ e com recurso extraordinário ao STF. Para evitar a prisão, pode entrar com habeas corpus no STJ e pedido de efeito suspensivo tanto no STJ quanto no STF.

O passaporte do ex-presidente poderá ser apreendido – se ele for condenado. Há, no ponto, expressa previsão legal.

Mantida a condenação, Lula se tornará inelegível com base na Lei da Ficha Limpa. A apresentação de embargos pode suscitar o debate sobre a suspensão da inelegibilidade, mas na prática nada muda, porque tais recursos devem ser julgados rapidamente e, mantida a condenação, o candidato petista voltaria a estar inelegível.

A inelegibilidade se consolida na inscrição da candidatura, que deve ser feita de 20 de julho a 15 de agosto. Se a candidatura for indeferida pelo TSE, Lula pode apresentar embargos ao próprio tribunal, ou recurso extraordinário contra o indeferimento ao STF e concorrer “sub judice”, participar de debates, fazer campanha e utilizar recursos do fundo eleitoral. Em caso de vitória na eleição, Lula só será diplomado se, até a data da solenidade, conseguir derrubar a inelegibilidade no TSE ou reverter a decisão do TRF-4 no STJ ou no STF.

Detalhe: mantida a inelegibilidade, o PT poderá indicar novo candidato até 20 dias antes da eleição, prazo máximo definido pela lei.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Sem Senado, só OAB!

O presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, põe fim à indecisão: desiste de concorrer a senador. “Não tenho como deixar a Ordem neste grave momento nacional” – diz.