Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

Chamar profissional do Direito de “advogado de porta de cadeia” é ofensa



Um advogado será indenizado em R$ 2 mil por ter sido de chamado de profissional de “porta de cadeia” em um grupo de WhatsApp. A decisão é da juíza Lucélia Alves Caetano Marçal, do 3º Juizado Especial Cível de Contagem (MG).

Conforme a sentença, a indenização é devida porque ofensas feitas em meios digitais faz com que a “divulgação desenfreada de mensagens” atinja um número incontável de pessoas.

No caso, aquela ofensa ao advogado – mais a assacadilha de “meia tigela” foram feitas em uma discussão no grupo de WhatsApp que tinha 24 integrantes.

A sentença – ainda sem trânsito em julgado – concluiu que “as postagens nas redes sociais que integram o ambiente virtual nos dias atuais possuem enorme alcance, que pode ser majorado de forma ilimitada por meio dos compartilhamentos de seus usuários”.

O julgado qualificou a postagem de “ofensiva e desabonadora”. (Proc. nº 0079.17.004.510-2 – com informações do TJ-MG).

Leia a íntegra da sentença


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte: UNICOS – Unisinos Comunicação Social – Imagem meramente ilustrativa

Editora e professora indenizarão jornalista que teve monografia plagiada

 

Editora e professora indenizarão jornalista que teve monografia plagiada

Caso é gaúcho. Segundo acórdão do TJRS, para dificultar a identificação do seu feito, a autora do livro “usou do recurso da substituição de algumas palavras por outras sinônimas, pelo acréscimo ou subtração de pontuais expressões, pelo deslocamento de assertivas – sempre para turvar o que se apresentava nítido, cristalino”.

Abjeta exposição do corpo de idosa falecida

TJRS condena a Funerária Venâncio e um seu ex-empregado - este, autor de um estarrecedor ´selfie´ - a indenizarem familiares de pessoa que teve seu corpo nu exposto em grupo de WhatsApp.

Morosidade judicial absurda e abusiva

STJ condena o Estado do Amazonas a indenizar vítimas de delonga jurisdicional excessiva. Em uma ação de execução de alimentos para duas crianças, o despacho inicial de citação do devedor demorou dois anos e meio.