Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

O sexo e a vizinhança



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Quatro ou cinco vezes por mês, em um prédio da Independência, ouve-se o eco de tapas seguidos de gemidos altos. Os vizinhos já sabem que, pelas próximas duas ou três meias-horas, haverá muitos gritos decorrentes de cenas explícitas de sexo. Afinal, a condômina pratica suas atividades rente à janela, aproveitando ao máximo as vindas do companheiro, tripulante de empresa aérea, que costuma aportar no Portinho, uma vez por semana.

Fetiche, voyeurismo, descuido, paixão ou apenas e principalmente prazer – não se sabe. O inegável é que logo após os primeiros sinais, o interfone toca. É algum vizinho reclamando. Tanto a condômina fez, tanto o parceiro faz, tanto os vizinhos reclamaram... que o assunto chegou a Juízo.

Os advogados sustentaram teses antagônicas. O do condomínio escreveu que “são problemas de barulho e comportamento inadequado”. O da ré disse que “o que cada um faz dentro do lar está fora de questionamentos e julgamentos”.

A juíza intimou a ré e o representante legal do condomínio para a audiência de tentativa de conciliação. Concitou os litigantes a concessões recíprocas. Sem sucesso.

A prova oral – todos condôminos e, como tal, contraditados – confirmaram as orgias amorosas e rumorosas no recôndito da unidade barulhenta.

A sentença definiu as relações sexuais como “tema polêmico”, admitiu que “ninguém vive em mosteiro”, mas reconheceu que “do lado da contígua parede, ou no andar acima, ou no pavimento abaixo moram crianças pequenas e idosos”. E fixou a indenização em “simbólicos R$ 2 mil”, concitando as partes “à tolerância e à moderação, pelo bem social”.

Há recursos de ambos os demandantes ao tribunal. O relator já recomendou atenção ao estagiário-chefe que fará o projeto de voto: “O caso vai da garantida privacidade aos lamentáveis exageros, o que requer cuidado”.

A controvérsia ainda será objeto da próxima reunião da assessorcracia.


Comentários

Tania Machado De Sa Tania Sa - Advogada 30.01.18 | 10:46:09

Gente, o pessoal não sabe ainda morar em condominio. É preciso respeitar limites. No caso do Romance Forense acima foi sexo escandaloso, mas pode ser qualquer outro ruido inconveniente. A verdade é que democracia demais é tão ruim quanto ditadura!

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Chargista Kauer

A “Menina Veneno”

 

A “Menina Veneno”

Bem vivido, bom de bolso graças à consistente aposentadoria recheada de interessantes penduricalhos, o destacado ex-operador jurídico, viúvo, boa pinta -  se é que isso é possível para um cidadão com 70 de idade -  afinal sai com uma moça escultural, bem malhada, 24 anos.  De comum, entre eles, só o Direito.

Charge de Gerson Kauer

  O enterro da sogra que não morreu

 

O enterro da sogra que não morreu

A inusitada abordagem no plantão judicial forense. Como autorizar o funeral de uma provecta idosa, de aparência taciturna, que – como manifestação de última vontade - deseja ser sepultada no sítio em que reside? O texto é de Dirnei Bock Hendler, servidor judicial estadual (RS)

Charge de Gerson Kauer

A fama do João Grande

 

A fama do João Grande

Era uma ação penal contra um homem que estaria ofendendo e ameaçando a ex-esposa. As desavenças ocorriam porque ela postava, nas redes sociais, que o ex-marido vivia sempre na casa do João Grande, famoso na cidade gaúcha por ser bem-dotado.

Charge de Gerson Kauer

O gaúcho caloteiro

 

O gaúcho caloteiro

A difícil intimação de um fazendeiro, já conhecido no meio forense, como o Senhor Caloteiro. O êxito da diligência só acontece porque, no esconderijo, o devedor é acometido de coceira causada por urtiga.

Charge de Gerson Kauer

   A experiência dos velhinhos

 

A experiência dos velhinhos

Segundo a cartilha do banco, os saques mínimos no atendimento presencial seriam de R$ 200. Saiba como a idosa senhora - mãe de um advogado e avó de um estagiário do tribunal - convenceu o caixa de que ela tinha direito líquido e certo a sacar apenas R$ 50.

Charge de Gerson Kauer

Quando o suposto amor vira negócio

 

Quando o suposto amor vira negócio

O cliente, à hora da saída do motel, acelera o carro, derruba a cancela e se vai em desabalada fuga. Saiba porque, em Juízo, o tresloucado gesto do homem comove o juiz e obtém simpatia do dono do estabelecimento de hospedagem.