Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Os presos que estão “nas nuvens” e também na terra de Sartori e Schirmer



Chargista Izânio

Imagem da Matéria

 

  Nuvem calma para presos gaúchos

A falta de vagas nos albergues que abrigam presos do semiaberto provoca uma situação incomum em Porto Alegre: condenados respondem por seus crimes soltos, sem monitoramento. Segundo dados da Superintendência de Serviços Penitenciários, na sexta-feira (23), eram 661 detentos nesta situação.

No Estado do RS, 8.102 apenados estão no regime semiaberto e 2.216, no aberto. Desse total de 10.318, apenas 2.196 são monitorados por tornozeleiras.

Como controle (?), os apenados em liberdade devem se apresentar no Instituto Penal Padre Pio Buck, semanalmente, até que uma vaga seja aberta. São os chamados "presos na nuvem", conforme a Vara de Execuções Criminais. Já a superintendência intitula a situação como "estabelecimento Susepe".

Em 2016 o Supremo editou a Súmula Vinculante nº 56: “A falta de estabelecimento penal adequado não autoriza a manutenção do condenado em regime prisional mais gravoso”.

Desde então, a situação se agravou em Porto Alegre. Há cada vez mais apenados “nas nuvens”. Não é exagero imaginar que alguns deles continuem praticando ilícitos, em terra firme... na terra de José Ivo Sartori e de César Schirmer.

 A vez do Rio

O presidente da OAB do Rio, advogado Felipe Santa Cruz, provavelmente será o candidato único, em fevereiro de 2019, à sucessão nacional da Ordem, substituindo o gaúcho Cláudio Lamachia. A desistência, já, do suposto principal adversário, o vice-presidente do Conselho Federal, Luis Cláudio Chaves, deixou o caminho livre para o advogado carioca.

Passa triênio, volta triênio, e as eleições nacionais da entidade continuam sendo indiretas.

Coisa estranha...

 A causa do ano

Primeiro capítulo: a advogada Esther Flesch – que foi integrante do escritório Trench, Rossi e Watanabe durante 20 anos – foi desligada por causa do ´tsunami´ da delação da JBS. Segundo capítulo: ela entrou com ação contra seu ex-empregador.

A “rádio-corredor” da Justiça do Trabalho carioca pintou, nesta segunda-feira (26), os valores da demanda: Esther quer R$ 50 milhões. O escritório propõe R$ 15 milhões. Só se fala nisso.

 Retribuições divinas?

A 3ª Turma do STJ julga, nesta terça-feira (27), o recurso especial da Igreja Universal do Reino de Deus, tentando reverter a indenização de R$ 20 mil, que foi condenada a pagar a um casal gaúcho.

A controvérsia: suposta coação para a doação de dízimo.

A ação revela que a mulher teria sido induzida pelos pastores a se desfazer de parte de seu patrimônio (celular, fogão e móveis) para fazer os pagamentos que resultariam em “retribuições divinas”.

Creem? (REsp nº 1455521).


Comentários

Rafael Wiezzer - Autonomo 27.02.18 | 08:27:52

Comento o julgamento pelo STJ do recurso da Igreja Universal. Neste mundo tem trouxa pra tudo! Só falta o Lula & Cia. criarem uma igreja - aí haverá a maior concorrência pelo dízimo...

Banner publicitário

Mais artigos do autor

A disputa, por três filhas, sobre a destinação do cadáver do pai falecido há seis anos

  Em vida, o falecido teria manifestado, verbalmente, sua disposição de que, após a morte, seu corpo fosse submetido a um processo de congelamento (criogenia – foto acima), nos EUA, para que com a evolução da Ciência, fosse possível descobrir a causa de sua doença.

  A mina da Votorantim próxima ao rio Camaquã e o atropelamento múltiplo de ciclistas: dois “riscos vermelhos” do RS estão no Atlas Global de Justiça Ambiental.

 Unesco certifica a decisão do STF de equiparar a união estável entre pessoas do mesmo sexo à entre casais heterossexuais como “patrimônio documental da humanidade

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.

A juíza federal Gabriela Hardt não toca flauta!

  Vídeo apresentando a magistrada federal da Lava Jato como música amadora é fake!

  Imagens e áudio – de boa qualidade - exibidos em grupos de WhatsApp confundem a magistrada com a flautista Gabriela Machado, do grupo Choronas, de Santos (SP).

  Socicredi não pode usar a marca Sicredi. Decisão é do TJRS.

 Atraso habitual de ônibus do empregador é computado como hora extra em favor de empregado.

  Caso grave de Mal de Parkinson: STJ condena Bradesco a fornecer home care, mesmo sem previsão no contrato.