Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

Alínea 13, conta encerrada



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Meados de janeiro, o microempresário calçadista entrega a lojista da Capital duas dúzias de pares de sandálias femininas e recebe um cheque pós-datado: “Bom para 05.02.2018”.

Na data ajustada, a cártula é depositada e, dois dias depois, devolvida, com sombria observação: “Alínea 13: Conta encerrada”.

O lesado procura um acreditado advogado local (deste, o nome não vem ao caso) e, na visita, exibe o cheque que fora devolvido. Exato valor do iminente prejuízo: R$ 2.000,00.

O advogado sustenta previamente o valor de honorários contratuais antecipados: R$ 2.500. E logo justifica:

- Sou um ético seguidor da tabela da OAB.

O cliente rebate:

- Não há lógica em pagar mais ao advogado do que, como credor, me caberia no hipotético êxito da cobrança do cheque.

Ao que o causídico prontamente arremata:

- Tem a murrinha toda de ajuizar a ação, suportar a lerdeza processual, ir ao foro umas dez vezes, enfrentar o assessor e o estagiário. E, principalmente, o caro cliente estará pagando pelo gostinho de receber. Isso tem seu preço!...


Comentários

Aldo Ghisolfi - Advogado 05.03.18 | 19:28:15
O trabalho do advogado é o mesmo para cobrar R$ 2.000,00 ou R$ 200.000,00.
A opção é do cliente que contrata os serviços.
Eliel Valesio Karkles - Advogado 05.03.18 | 18:30:43
Absolutamente normal. Se o cheque fosse de R$ 100,00 o advogado deveria receber 20% (R$ 20,00) para cobrar? Existe um custo mínimo. Esta é a opção do credor. Poderia antes tentar protestar, SPC e SERASA, etc.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Chargista Kauer

A “Menina Veneno”

 

A “Menina Veneno”

Bem vivido, bom de bolso graças à consistente aposentadoria recheada de interessantes penduricalhos, o destacado ex-operador jurídico, viúvo, boa pinta -  se é que isso é possível para um cidadão com 70 de idade -  afinal sai com uma moça escultural, bem malhada, 24 anos.  De comum, entre eles, só o Direito.

Charge de Gerson Kauer

  O enterro da sogra que não morreu

 

O enterro da sogra que não morreu

A inusitada abordagem no plantão judicial forense. Como autorizar o funeral de uma provecta idosa, de aparência taciturna, que – como manifestação de última vontade - deseja ser sepultada no sítio em que reside? O texto é de Dirnei Bock Hendler, servidor judicial estadual (RS)

Charge de Gerson Kauer

A fama do João Grande

 

A fama do João Grande

Era uma ação penal contra um homem que estaria ofendendo e ameaçando a ex-esposa. As desavenças ocorriam porque ela postava, nas redes sociais, que o ex-marido vivia sempre na casa do João Grande, famoso na cidade gaúcha por ser bem-dotado.

Charge de Gerson Kauer

O gaúcho caloteiro

 

O gaúcho caloteiro

A difícil intimação de um fazendeiro, já conhecido no meio forense, como o Senhor Caloteiro. O êxito da diligência só acontece porque, no esconderijo, o devedor é acometido de coceira causada por urtiga.

Charge de Gerson Kauer

   A experiência dos velhinhos

 

A experiência dos velhinhos

Segundo a cartilha do banco, os saques mínimos no atendimento presencial seriam de R$ 200. Saiba como a idosa senhora - mãe de um advogado e avó de um estagiário do tribunal - convenceu o caixa de que ela tinha direito líquido e certo a sacar apenas R$ 50.

Charge de Gerson Kauer

Quando o suposto amor vira negócio

 

Quando o suposto amor vira negócio

O cliente, à hora da saída do motel, acelera o carro, derruba a cancela e se vai em desabalada fuga. Saiba porque, em Juízo, o tresloucado gesto do homem comove o juiz e obtém simpatia do dono do estabelecimento de hospedagem.