Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Espaço especial para a mala do juiz...



Google Imagens

Imagem da Matéria

 A mala do juiz

Os passageiros do voo nº 4156 da Azul, de Porto Alegre para Curitiba, na quarta-feira (11), já estavam acomodados quando uma das aeromoças disse a um senhor que ocupava o assento 2D (na segunda fileira do lado direito da aeronave) que sua bagagem seria acomodada em outro local, um pouco mais adiante.

É que vamos ter que colocar aqui a mala do juiz” – explicou a comissária.

Foi nesse momento que Sérgio Moro entrou no avião e se acomodou no assento (2A) junto à janela da primeira fileira do lado esquerdo da aeronave. Antes, o magistrado não circulara pelo setor de embarque.

O jornalista Pedro Venceslau, do Estadão, que estava na poltrona 2C, do outro lado do corredor, tentou entrevistar Moro, mas ele apenas disse que “não seria possível, pois preciso trabalhar, mesmo a bordo”. O lugar ao lado do importante e adorado (por muitos) viajor ficou vago.

Ao perceber quem era o juiz que chegara, o passageiro cuja mala fora deslocada, assentiu patriótico e afirmou, dirigindo-se discretamente a Moro: “Parabéns, o senhor fez muito pelo Brasil”. Em seguida, a porta foi fechada.

Os que viram cochicharam, apoiando a pertinência da colocação da mala do juiz próximo a ele, no compartimento superior.

Eram 11h da manhã, quando o avião taxiou e se foi à capital paranaense, para um tranquilo voo com céu de brigadeiro.

 Porto Alegre é demais

Porto Alegre nos dói! Uma arquiteta estacionou seu carro ontem (12), às 8h40, no centro da cidade. A quadra escolhida estava vazia.

Como o compromisso dela era às 9h, aguardou sentada no veículo e ficou observando. Um flanelinha ficou rondando. Logo chegou outro automóvel, cujo condutor, um idoso, dirigiu-se ao parquímetro. O guardador foi junto e fez a abordagem. Em seguida outros três automóveis, simples e velhos, estacionaram e seus condutores não pegaram tickets no parquímetro e se foram a passos.

A arquiteta saiu de seu carro, dirigindo-se à máquina. O prestativo flanelinha avisou: “O parquímetro está estragado, não vai dar para a senhora pegar o ticket”.

Ela foi em busca de outra máquina a 50 metros de distância e conseguiu cumprir sua tarifada obrigação de cidadã. Uma hora e meia depois, concluiu o relato ao Espaço Vital: “Está claro que alguém estraga o parquímetro, para pedir dinheiro em troca de supostos cuidados aos veículos, ou para dar cobertura àqueles que estacionam sem pagar”.

Quem seria(m)?

Detalhe: as cenas reais foram na Rua General Câmara, entre a Riachuelo e a Praça Marechal Deodoro. A 20 metros do TJRS; a 100 m da Assembleia; e a 150 m. do Palácio Piratini.

Como dizem (parciais) versos de José Fogaça: “Porto Alegre me dói... Não diga a ninguém”...

Melhor seria como cantam outros versos do mesmo poeta: “Porto Alegre me tem... A saudade é demais... É lá que eu vivo em paz!”

Em paz?

 Quando eles não querem...

O senador Lasier Martins (PSD-RS) protocolou projeto de lei que autoriza a prisão após a condenação em segunda instância.

Detalhando: 1) O réu poderá ser preso após decisão recursal por um colegiado; 2) Mas não será tratado como culpado antes que ocorra o trânsito em julgado.

Em síntese: não seria violado o princípio constitucional da presunção de inocência.

Romero Jucá (PMDB-RR) e seus amigos já se manifestaram contrários.

E – segundo a bem informada ´rádio-corredor´ do Conselho Federal da OAB – Marco Aurélio, Lewandowsky e Toffoli “não gostaram”.

 Extermínio

Foram 44.056 as mortes de pessoas no trânsito brasileiro, em cidades e em rodovias estaduais e federais, no ano de 2017.

São números oficiais da grande carnificina brasileira.

Não nos serve o consolo de que haja ainda três países em pior situação: China, Índia e Nigéria. Cada um destes, com mais de 45 mil óbitos/ano.


Comentários

Lauri Krüger - Advogado 13.04.18 | 14:32:35

Comento o tópico QUANDO ELES NÃO QUEREM. Ressalto que a proposição é de Lasier Martins, jornalista, letrado, com formação superior em mais de uma área. Imagine se fosse proposta por um leigo, por alguém de poucas luzes ou por um energúmeno qualquer...

Banner publicitário

Mais artigos do autor

A disputa, por três filhas, sobre a destinação do cadáver do pai falecido há seis anos

  Em vida, o falecido teria manifestado, verbalmente, sua disposição de que, após a morte, seu corpo fosse submetido a um processo de congelamento (criogenia – foto acima), nos EUA, para que com a evolução da Ciência, fosse possível descobrir a causa de sua doença.

  A mina da Votorantim próxima ao rio Camaquã e o atropelamento múltiplo de ciclistas: dois “riscos vermelhos” do RS estão no Atlas Global de Justiça Ambiental.

 Unesco certifica a decisão do STF de equiparar a união estável entre pessoas do mesmo sexo à entre casais heterossexuais como “patrimônio documental da humanidade

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.

A juíza federal Gabriela Hardt não toca flauta!

  Vídeo apresentando a magistrada federal da Lava Jato como música amadora é fake!

  Imagens e áudio – de boa qualidade - exibidos em grupos de WhatsApp confundem a magistrada com a flautista Gabriela Machado, do grupo Choronas, de Santos (SP).

  Socicredi não pode usar a marca Sicredi. Decisão é do TJRS.

 Atraso habitual de ônibus do empregador é computado como hora extra em favor de empregado.

  Caso grave de Mal de Parkinson: STJ condena Bradesco a fornecer home care, mesmo sem previsão no contrato.