Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 17 de maio de 2019.

Os vinhos da Lava-Jato



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O destacado advogado gaúcho, cinquentão, recém divorciado, atuante na defesa de gente alcançada por decisões de Sérgio Moro, entra com a jovem namorada num notório restaurante em Porto Alegre, olha a carta de vinhos e pede uma garrafa do mais caro dos itens disponíveis.

O sommelier, estranhamente, já traz o decanter de cristal cheio de vinho e, depois de uma mesura, serve uma pequena porção para ser provada. O advogado leva o cálice ao nariz para sentir o aroma, fecha os olhos e sorve uma pequena prova.

Mas inesperadamente, franze a testa, pousa suavemente o copo na mesa e verbalmente fuzila o sommelier: “A preciosidade que, nomeadamente, pedi é uma combinação de uvas cabernet sauvignon, merlot, petit verdot, tannat e tempranillo, sendo um rótulo especial para os amantes de vinho como eu e minha namorada. Mas estamos, aqui, sendo vítimas de uma fraude enóloga, digna de ser punida nas frias celas de Curitiba”.

Estabelece-se uma discussão, o sommelier explica ter colocado no decantador um vinho “completamente semelhante”. E tenta justificar: “Tínhamos vendido ontem a nossa última garrafa desse santo vinho, safra 2011, que o senhor pediu. Rogo-lhe, porém, avaliar que, de qualquer forma, a diferença entre ambos é irrelevante, porque o vinho que lhe foi servido é produzido pelo mesmo grupo empresarial”.

O sommelier ainda desfia supostas justificativas: “O solo é idêntico, a vindima é da mesma época, o esmagamento das uvas é feito na mesma ocasião e o mosto vai para barris absolutamente iguais. Assim, os dois vinhos se equivalem no sabor, com diversidade mínima no preço. E desculpando-me reconheço uma pequeníssima diferença geográfica no local de coleta”.

O advogado, discretamente – para que a já constrangida namorada nada mais escute – puxa o sommelier para o lado e murmulha-se ao ouvido: “Pequenas diferenças físicas e de anatomia geral também proporcionam essa tal de pequeníssima diferença geográfica. Hoje à noite faça um teste de olfato e paladar com sua mulher e perceberá a sutil diferença que pode haver”.

O casal, então, retira-se. Ele, irônico; ela, contrariada. Três dias depois o novel casal viaja à França. Conta-se que lá, numa imprevista lua-de-mel de uma semana, consomem algumas garrafas do tinto Château Mouton Rotschild, safra 2005, um dos vinhos mais caros do mundo.

Um arremate: cada garrafa custa 1.000 euros. E viva a Lava-Jato!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O Advogado Fura-Colchão

 

O Advogado Fura-Colchão

Doutor Arencéfalo é o apelido de um advogado muito conceituado. O cognome é uma conjunção de ´Arbelino´, nome do pai dele e ´Encéfalo´, parte do corpo humano que controla o organismo. De repente, a surpresa na comarca: a elegante esposa pede o divórcio. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

As duas Têmis

 

As duas Têmis

No curso preparatório a concursos para ingresso na magistratura, um dos professores resolve aferir os conhecimentos gerais e a capacidade redacional dos alunos. Então entrega a cada um uma folha de papel A-4. Pede-lhes que ”escrevam de 20 a 30 linhas sobre Têmis”. Um dos discípulos sustenta e comprova a existência de uma divindade grega e de uma personagem terrena que não gostava de processos. 

Charge de Gerson Kauer

Depois da juizite, o aprendizado

 

Depois da juizite, o aprendizado

Sentado para depoimento pessoal está o autor de uma ação de indenização. Ele cruza as pernas e está com os dois primeiros botões de sua camisa abertos. Pela fenda percebe-se alguns pelos esbranquiçados e uma medalha pequena, pendendo da correntinha de ouro. O magistrado escorrega no elementar, ao ordenar em tom impositivo de extrema juizite: “Descruze as pernas e feche sua camisa! O senhor está em um fórum na presença de um juiz”. Então, vem a surpreendente reação, do professor com 60 de idade.

Charge de Gerson Kauer

Os ricos mocassins do ministro

 

Os ricos mocassins do ministro

Não é Primeiro de Abril, mas quase... Um passageiro vip desistiu da prerrogativa de embarcar no terminal 2 do aeroporto de Brasília, local por onde acessam as autoridades. Talvez querendo medir sua popularidade, o notório calvo misturou-se aos mortais e foi direto ao terminal 1 .Foi então que a vigilante máquina da Polícia Federal bipou...

Charge de Gerson Kauer

Virem-se e estudem!

 

Virem-se e estudem!

Três moçoilas inteligentes terminaram o segundo grau no Interior e passaram em universidade particular na Capital, só que as respectivas famílias não conseguiriam pagar. Resolutas, as três combinaram que iriam “se virar” para quitar as mensalidades. Abriram então uma casa de diversões para o público masculino adulto. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Que ´m´!

 

Que ´m´!

O despacho judicial pretendia indeferir uma “MERA” revogação da liminar. Mas por erro de digitação – ou algum atropelo do verificador ortográfico – a palavra terminou ganhando, justo em seu meio, um inoportuno acréscimo da consoante ´d´.  Então virou “m----“.