Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

Os vinhos da Lava-Jato



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O destacado advogado gaúcho, cinquentão, recém divorciado, atuante na defesa de gente alcançada por decisões de Sérgio Moro, entra com a jovem namorada num notório restaurante em Porto Alegre, olha a carta de vinhos e pede uma garrafa do mais caro dos itens disponíveis.

O sommelier, estranhamente, já traz o decanter de cristal cheio de vinho e, depois de uma mesura, serve uma pequena porção para ser provada. O advogado leva o cálice ao nariz para sentir o aroma, fecha os olhos e sorve uma pequena prova.

Mas inesperadamente, franze a testa, pousa suavemente o copo na mesa e verbalmente fuzila o sommelier: “A preciosidade que, nomeadamente, pedi é uma combinação de uvas cabernet sauvignon, merlot, petit verdot, tannat e tempranillo, sendo um rótulo especial para os amantes de vinho como eu e minha namorada. Mas estamos, aqui, sendo vítimas de uma fraude enóloga, digna de ser punida nas frias celas de Curitiba”.

Estabelece-se uma discussão, o sommelier explica ter colocado no decantador um vinho “completamente semelhante”. E tenta justificar: “Tínhamos vendido ontem a nossa última garrafa desse santo vinho, safra 2011, que o senhor pediu. Rogo-lhe, porém, avaliar que, de qualquer forma, a diferença entre ambos é irrelevante, porque o vinho que lhe foi servido é produzido pelo mesmo grupo empresarial”.

O sommelier ainda desfia supostas justificativas: “O solo é idêntico, a vindima é da mesma época, o esmagamento das uvas é feito na mesma ocasião e o mosto vai para barris absolutamente iguais. Assim, os dois vinhos se equivalem no sabor, com diversidade mínima no preço. E desculpando-me reconheço uma pequeníssima diferença geográfica no local de coleta”.

O advogado, discretamente – para que a já constrangida namorada nada mais escute – puxa o sommelier para o lado e murmulha-se ao ouvido: “Pequenas diferenças físicas e de anatomia geral também proporcionam essa tal de pequeníssima diferença geográfica. Hoje à noite faça um teste de olfato e paladar com sua mulher e perceberá a sutil diferença que pode haver”.

O casal, então, retira-se. Ele, irônico; ela, contrariada. Três dias depois o novel casal viaja à França. Conta-se que lá, numa imprevista lua-de-mel de uma semana, consomem algumas garrafas do tinto Château Mouton Rotschild, safra 2005, um dos vinhos mais caros do mundo.

Um arremate: cada garrafa custa 1.000 euros. E viva a Lava-Jato!


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Chargista Kauer

A “Menina Veneno”

 

A “Menina Veneno”

Bem vivido, bom de bolso graças à consistente aposentadoria recheada de interessantes penduricalhos, o destacado ex-operador jurídico, viúvo, boa pinta -  se é que isso é possível para um cidadão com 70 de idade -  afinal sai com uma moça escultural, bem malhada, 24 anos.  De comum, entre eles, só o Direito.

Charge de Gerson Kauer

  O enterro da sogra que não morreu

 

O enterro da sogra que não morreu

A inusitada abordagem no plantão judicial forense. Como autorizar o funeral de uma provecta idosa, de aparência taciturna, que – como manifestação de última vontade - deseja ser sepultada no sítio em que reside? O texto é de Dirnei Bock Hendler, servidor judicial estadual (RS)

Charge de Gerson Kauer

A fama do João Grande

 

A fama do João Grande

Era uma ação penal contra um homem que estaria ofendendo e ameaçando a ex-esposa. As desavenças ocorriam porque ela postava, nas redes sociais, que o ex-marido vivia sempre na casa do João Grande, famoso na cidade gaúcha por ser bem-dotado.

Charge de Gerson Kauer

O gaúcho caloteiro

 

O gaúcho caloteiro

A difícil intimação de um fazendeiro, já conhecido no meio forense, como o Senhor Caloteiro. O êxito da diligência só acontece porque, no esconderijo, o devedor é acometido de coceira causada por urtiga.

Charge de Gerson Kauer

   A experiência dos velhinhos

 

A experiência dos velhinhos

Segundo a cartilha do banco, os saques mínimos no atendimento presencial seriam de R$ 200. Saiba como a idosa senhora - mãe de um advogado e avó de um estagiário do tribunal - convenceu o caixa de que ela tinha direito líquido e certo a sacar apenas R$ 50.

Charge de Gerson Kauer

Quando o suposto amor vira negócio

 

Quando o suposto amor vira negócio

O cliente, à hora da saída do motel, acelera o carro, derruba a cancela e se vai em desabalada fuga. Saiba porque, em Juízo, o tresloucado gesto do homem comove o juiz e obtém simpatia do dono do estabelecimento de hospedagem.