Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Juíza considera que “bicho” para jogadores e treinadores de futebol é salário



´Bicho´ é salário

Conhecida como "bicho", a remuneração paga “por fora” ao jogadores e treinadores de futebol - caso o clube vença determinado(s) jogo(s) - integra o salário. A decisão é da juíza Maria Fernanda Zipinotti Duarte, da 30ª Vara do Trabalho de São Paulo (SP), ao julgar ação trabalhista do auxiliar técnico Milton Cruz contra o São Paulo Futebol Clube.

Ele passou duas vezes pelo clube, onde acumulou 20 anos de trabalho.  Segundo a sentença, o “bicho” integra o salário, mesmo sendo uma verba de valor variável. Assim, o clube terá que considerar a quantia para compor 13º salário, férias e FGTS. Não há trânsito em julgado.

Se a sentença for confirmada, oportunamente, pelo TRT-SP e pelo TST, seus efeitos vão se estender pelo futebol profissional de todo o Brasil (Proc. nº 1002202-02.2016.5.02.0030).

A origem do ´bicho´


Reconhecido como “o comentarista esportivo da palavra fácil”, o gaúcho Luiz Mendes (1929/2011), de Palmeira das Missões (RS) - que fez quase toda sua carreira na Rádio Globo, do Rio - deixou entre suas crônicas uma que explicou a origem do “bicho” futebolístico.

Era 1923, quando o Vasco da Gama subiu à primeira divisão carioca. Então, um rico cerealista da Rua do Acre, no Rio, vascaíno apaixonado, resolveu premiar com dinheiro os jogadores. Mas isso era proibido, em plena vigência do amadorismo.

Então, antes dos jogos, o cerealista ia ao vestiário para dizer aos jogadores o que eles ganhariam, se vencessem o jogo. Nesse tempo, as notas de dinheiro tinham uma espécie de determinação zoológica: 5 mil-réis representavam um cachorro; 10 um coelho; 20 um peru; 50 um galo; 100 uma vaca e 400 uma vaca de quatro pernas.

Os jogadores perguntavam:

- Qual o “bicho de hoje”?

E o cerealista respondia:

- Um coelho – era a oferta habitual.

Mas, dependendo da partida, valia um galo e até uma vaca simples.
 
Após uma decisão vitoriosa entrava, no bolso de cada jogador campeão, uma vaca de quatro pernas…

Se ficar, o bicho pega


Pelo quarto ano seguido, os planos de saúde estão sendo reajustados na faixa dos 13%. O percentual é extraordinariamente superior à inflação e seguramente maior ainda do que os reajustes dos salários dos segurados.

Dilma e Temer, nos seus três anos e meio de desastrada gestão compartilhada, conseguiram empurrar milhões de brasileiros para a ladeira do “Se correr, o SUS te pega; se ficares, o plano te come”.

O dia de Claudia


A 8ª Turma do TRF-4 vai julgar, na quarta-feira 2 de maio, o recurso do Ministério Público Federal contra a absolvição de Claudia Cruz, dos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

A tese recursal do Ministério Público é que as assinaturas da mulher de Eduardo Cunha estão comprovadamente lançadas nas contas na Suíça, onde o maridão depositou dinheiro de origem suspeita.

A defesa da ex-primeira-dama da Câmara dos Deputados leva na devida avaliação que, nos cinco julgamentos de casos semelhantes ao dela, analisados até hoje pelo tribunal, as absolvições concedidas pelo Juiz Sergio Moro viraram condenações.

A propósito, conta o jornalista Ricardo Boechat que “pessoas próximas a Claudia Cruz revelam sua disposição em voltar ao batente, profissão que exercia antes de se casar com o ex-deputado”. As sondagens feitas no mercado até agora não surtiram efeitos.

O Espaço Vital complementa: Cláudia, 50 de idade atual, fez sucesso nos anos 90 na Rede Globo, onde foi âncora do Fantástico e do Jornal Hoje. Saiu brigada com a emissora, vencendo-a definitivamente em outubro de 2008, em uma ação trabalhista milionária, obtendo direito a várias parcelas pelo vínculo trabalhista pessoal.

Na prática, Claudia Cruz tinha sido contratada como pessoa jurídica para burlar a legislação trabalhista. (Proc. nº AIRR 1.313 /2001-051-01-40.6).


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Maioria do TRF-2 considera inconstitucional a sucumbência para a AGU

• Nove votos já afirmaram que advogados públicos não podem receber honorários de sucumbência, caso a administração saia vencedora de uma disputa judicial.

 Bye, bye Brasil: 29% dos brasileiros gostariam de deixar nosso país.

 Curso de Direito continuará tendo cinco anos.

 STJ decide a restrição do foro privilegiado também para procuradores da República.

A disputa, por três filhas, sobre a destinação do cadáver do pai falecido há seis anos

  Em vida, o falecido teria manifestado, verbalmente, sua disposição de que, após a morte, seu corpo fosse submetido a um processo de congelamento (criogenia – foto acima), nos EUA, para que com a evolução da Ciência, fosse possível descobrir a causa de sua doença.

  A mina da Votorantim próxima ao rio Camaquã e o atropelamento múltiplo de ciclistas: dois “riscos vermelhos” do RS estão no Atlas Global de Justiça Ambiental.

 Unesco certifica a decisão do STF de equiparar a união estável entre pessoas do mesmo sexo à entre casais heterossexuais como “patrimônio documental da humanidade

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.