Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

Proibição para que deputado advogado visite Lula na prisão



Parlamentar não pode exercer a advocacia enquanto estiver na função legislativa, seja a favor ou contra os interesses do Estado. Nessa linha decisória, a juíza federal Carolina Moura Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba (PB) negou ontem (23) que o deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) seja reconhecido como advogado do ex-presidente Lula — que está preso desde 7 de abril.

Wadih Damous é ex-presidente da OAB do Rio de Janeiro. Para que não tivesse restrições na realização de visitas no cárcere, Wadih anexou aos autos procuração de Lula, constituindo-o como seu advogado. Para a magistrada, “os entes estatais, no Estado de Direito, devem garantir o respeito às leis – e o cumprimento de penas, segundo ela, é um dos principais instrumentos para efetivar esse papel constitucional”.

A decisão fundamenta que parlamentares não podem exercer a advocacia a favor ou contra os interesses da União, Estados e Municípios. Dessa maneira, Carolina aceitou pedido do Ministério Público Federal.

A juíza já havia negado outros pedidos de visita a Lula: da ex-presidente Dilma Rousseff, do candidato à presidência Ciro Gomes (PDT) e dos petistas Gleisi Hoffmann e Eduardo Suplicy. Para a magistrada, apenas os familiares e os efetivos advogados do ex-presidente podem visitá-lo nesse momento.

O deputado Damous, ouvido por jornalistas, criticou a decisão. Ele disse que pedirá providências à Comissão de Prerrogativas do Conselho Federal da OAB e “avalia a possibilidade de processar a juíza por abuso de autoridade”. (Execução penal provisória nº 5014411-33.2018.4.04.7000).

Leia na íntegra o acórdão para a decisão.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte EV

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

 

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

Desembargadora Sérgia Maria Mendonça Miranda vira ré em investigação sobre esquema de venda de habeas corpus no Tribunal de Justiça do Ceará. Também são acusados oito advogados, três dos quais estão suspensos preventivamente pela OAB cearense

STF julga hoje novo habeas corpus de Lula

A defesa argumenta que Moro é inimigo do ex-presidente e não tinha isenção para julgá-lo, tanto que virou futuro ministro do governo Bolsonaro. A PGR rebate que “a decisão de tornar-se ministro é estritamente pessoal, e a motivação do ex-magistrado em aceitar tal convite não interessa aos autos"

Quase 200 anos de prisão!

Juiz Marcelo Bretas condena Sérgio Cabral a mais 14 anos de prisão, por lavagem de R$ 15 milhões. Total das penas chega a 197 anos e 9 meses.

Mais uma denúncia contra Lula: suposta lavagem de R$ 1 milhão

Ele teria influenciado decisões de Teodoro Obiang, presidente da Guiné Equatorial, para a contratação do grupo brasileiro ARG. Um e-mail apreendido afirma que a empresa estava disposta a fazer “uma contribuição financeira bastante importante” ao Instituto Lula. O dinheiro foi contabilizado como doação.