Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

“Quem Ensinou Fui Eu”: cantoras mato-grossenses para descontrair evento nacional da magistratura



Arte de Camila Adamoli sobre foto Camera Press

Imagem da Matéria

 Ensinamentos sertanejos

Realiza-se, este mês, de 24 a 26, em Maceió (AL), o 23º Congresso Brasileiro de Magistrados. O evento – que terá “programação científica” – tem o apoio institucional de uma associação de cartórios – a ANOREG-BR, que congrega os titulares de serviços notariais e de registro do Brasil – são cerca de 13 mil cartórios, Brasil afora. São patrocinadoras a operadora de planos de saúde Qualicorp e duas estatais: Caixa Federal e Itaipu Binacional.

Em vídeo promocional enviado aos participantes, as irmãs Maiara e Maraísa – que embalarão o encerramento do evento – cantam rimas ironizando “quem tá aí tirando onda com meu ex-namoradinho”. É assim:

Quem ensinou fui eu / Se ele te beija gostoso / Dá um amasso cabuloso / Quem ensinou fui eu / Se ele faz a noite inteira / Pede pra falar besteira / Quem ensinou fui eu...”

Magistrados, juristas e indefectíveis políticos serão palestrantes do evento jurídico, que tem detalhes curiosos. Da programação constam as falas dos deputados federais Maurício Quintella (PR-AL – ex-ministro dos Transportes do governo Temer), Carlos Sampaio (PSDB-SP), Paulo Abi Ackel (PSDB-MG) e Agnaldo Ribeiro (PP-PB). Eles vão discorrer sobre “Repartição das competências e diálogo institucional”.

A senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS) falará sobre “Judicialização da política?” e o contraponto será do governador anfitrião Renan Filho (PM-AL, filho de Renan Calheiros) sobre “Politização da justiça?”.

Em foco, também, o “Papel do STF na democracia”. No caso, o palestrante será o ministro Ricardo Lewandowski.

 A ação decana

A mais antiga ação penal – e por que não chamá-la de decana? - em tramitação no Supremo, é contra o senador Valdir Raupp (MDB) e vai permanecer naquela corte. Aberto em 1998 quando o catarinense (de São João do Sul) Raupp era governador de Rondônia, o processo trata do desvio de R$ 2,8 milhões em valores da época. Hoje, corrigidos, seriam R$ 12,9 milhões.

Calculadora à mão para também contar juros legais, seriam no total quase R$ 44 milhões. Não fica muito longe da dinheirama (R$ 51 milhões) que havia, em setembro do ano passado, no discreto bunker do inocente Geddel.

Detalhe: o processo contra Raupp está com todas as etapas cumpridas e desde 2012 aguarda inclusão na pauta de julgamentos. O relator é o ministro Celso de Mello. (AP nº 358).

  A propósito

O ministro Luís Roberto Barroso fez, no dia 4 de abril, duras críticas ao sistema prisional brasileiro. Ele votava no habeas corpus do ex-presidente Lula, quando aproveitou para explanar sobre a “seletividade do sistema penal brasileiro”.

Três frases contundentes de Barroso: “No Brasil tornou-se muitíssimo mais fácil prender um menino com 100 gramas de maconha, do que prender um agente público ou um agente privado que desviou R$ 10, 20, 50 milhões. Essa é a realidade do sistema penal brasileiro. Ele é feito para recolher um menino pobre e não consegue prender essas pessoas que desviam por corrupção e outros delitos por milhões de dinheiro”.

 Problema grave

O jurista Joaquim Falcão, da FGV Rio e ex-membro do Conselho Nacional de Justiça, participou no domingo (6) de um seminário na Universidade de Oxford, na Grã Bretanha. Abordou as eleições de outubro e lembrou que “nenhum dos postulantes ao Planalto abordou a ineficiência da Justiça brasileira”.

O palestrante arrematou com uma frase que contém, no plural, um adjetivo raramente ouvido quando se trata de analisar a performance dos doutos: “A morosidade da prestação jurisdicional é um dos mais graves problemas do Brasil”.

Aliás, na semana passada, no julgamento que restringiu o foro privilegiado, o ministro Dias Toffoli chamou a atenção para absurdos nas Constituições estaduais de Roraima, Piauí e Rio de Janeiro, que também conferem a prerrogativa a... vereadores. No caso carioca, o mais grave quantitativamente, a primazia protege 1.241 apaniguados.

Mas, observem! O Ministério Público do Rio entrou, há tempos, com ação de inconstitucionalidade para acabar com essa “sopa de letrinhas”. Mas, desde 1991, os colegas de Tóffoli – e ele próprio - ainda não julgaram a tal de Adin.

São 27 de anos de...armário na corte.


Comentários

Bernadete Kurtz - Advogada 08.05.18 | 12:13:24

Nunca pensei, que após 48 anos de exercício da advocacia, veria o que estou vendo no Judiciário Brasileiro: a) falta de compostura (vide Gilmar) ; b) a perua Marília Castro Neves, do Rio de Janeiro; c) a agente de trânsito condenada a indenizar juiz que dirigia sem documentos ; d) pressão para receber vantagem ilegal e imoral ("auxílio-moradia"); e) a prepotência se alastrando que nem guanxuma. Na conjunção, estes congressos custeados por quem eles julgam. E pra arrematar, a moldura musical com a dupla Maiara e Maraísa só demonstra mau gosto.

Eliel Valesio Karkles - Advogado 08.05.18 | 11:06:32

Empresas "patrocinadoras" depois deverão ser "julgadas" pelos mesmos... Assim, não dá!...

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Maioria do TRF-2 considera inconstitucional a sucumbência para a AGU

• Nove votos já afirmaram que advogados públicos não podem receber honorários de sucumbência, caso a administração saia vencedora de uma disputa judicial.

 Bye, bye Brasil: 29% dos brasileiros gostariam de deixar nosso país.

 Curso de Direito continuará tendo cinco anos.

 STJ decide a restrição do foro privilegiado também para procuradores da República.

A disputa, por três filhas, sobre a destinação do cadáver do pai falecido há seis anos

  Em vida, o falecido teria manifestado, verbalmente, sua disposição de que, após a morte, seu corpo fosse submetido a um processo de congelamento (criogenia – foto acima), nos EUA, para que com a evolução da Ciência, fosse possível descobrir a causa de sua doença.

  A mina da Votorantim próxima ao rio Camaquã e o atropelamento múltiplo de ciclistas: dois “riscos vermelhos” do RS estão no Atlas Global de Justiça Ambiental.

 Unesco certifica a decisão do STF de equiparar a união estável entre pessoas do mesmo sexo à entre casais heterossexuais como “patrimônio documental da humanidade

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.