Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.

Jornalistas dispensados logo depois de estabilidade pós-greve ganham indenização



Cinco jornalistas que eram empregados do Grupo Rede Brasil Amazônia-RBA e que foram dispensados pela participação ativa em greve da categoria vão receber R$ 15 mil, cada, a título de reparação por danos morais. A 6ª Turma do TST considerou que “a despedida consistiu em ato discriminatório e em conduta anti-sindical da empresa”.

A paralisação ocorreu de 20 a 28/9/2013. A greve se encerrou quando o sindicato dos jornalistas e a RBA assinaram acordo coletivo de trabalho, que concedeu aos empregados garantia provisória no emprego até 14/11/2013. Porém, no primeiro dia útil após o término da estabilidade, o empregador demitiu coletivamente quatro jornalistas que haviam participado ativamente da paralisação.

O juízo de primeiro grau considerou discriminatórias as dispensas, mas o TRT da 8ª Região (PA/AP) afastou a condenação por entender que a medida adotada pela RBA respeitou a norma coletiva.

Para a relatora do recurso de revista do sindicato ao TST, desembargadora convocada Cilene Ferreira Amaro Santos, “ficou evidenciado que a dispensa dos substituídos decorreu da participação no movimento grevista, conduta antisíndica do empregador que não se convalida com o simples fato de constar em cláusula coletiva previsão de garantia de emprego por determinado período após o término da greve”, afirmou.

Com base em precedente da própria 6ª Turma, a relatora entendeu que ficou configurado o rompimento da relação de trabalho por ato discriminatório. Portanto, votou no sentido de condenar as empresas Dol-Intermediação de Negócios, Portal de Internet, Gráfica, Editora e Publicidade Ltda. e Diários do Pará Ltda., integrantes do Grupo Rede Brasil Amazônia – RBA, a responder solidariamente pelo pagamento de R$ 75 mil, a título de danos morais.

A Rede Brasil Amazônia de Televisão (popularmente RBA TV) é uma emissora de televisão brasileira sediada em Belém (PA). Opera nos canais 13 VHF e 35 UHF digital, e é afiliada à Rede Bandeirantes, transmitindo a programação desta para o Estado do Pará. (ARR nº 294-05.2014.5.08.0005 – com informações do TST e da redação do Espaço Vital).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Eliel Valesio Karkles - Advogado 08.05.18 | 11:14:08
Onde fica o livre arbítrio da empresa privada? Toda vez que o Poder Judiciário interfere, normalmente faz besteira.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Estabilidade para gestantes não vale para empregadas temporárias

Uma trabalhadora contratada pela empresa DP Locação e Agenciamento de Mão de Obra, para prestar serviço temporário à Cremer S.A., de Blumenau (SC), foi a autora da ação trabalhista que, em grau de recurso de revista, chegou ao TST.

Férias não podem ser concedidas em período em que há inaptidão para o trabalho

O TRT-RS condena as Lojas Renner S.A. a pagar em dobro, a uma ex-empregada (caixa), o valor relativo ao período de 30 dias.Conforme o acórdão, “o período de descanso anual se destina à reposição das energias necessárias à preservação da saúde física e mental, além de fortalecer os laços familiares e sociais”.

Quatro novas orientações jurisprudenciais do TRT-RS

O empregado não é responsável pelo recolhimento de correção monetária e juros incidentes sobre sua cota parte das contribuições previdenciárias. Os verbetes tratam também de falência, recuperação judicial, pensionamento e penhora em conta de poupança.