Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 14 de agosto de 2020.

Diferenças salariais para gerente da CEF, após rebaixamento de agências no RS



A 4ª Turma do TST deferiu a um gerente geral de agências da Caixa Econômica Federal (CEF) o pagamento das diferenças entre os pisos salariais a que teve direito antes e depois de o banco rebaixar o nível das agências de Porto Alegre (RS) e região.

Como a medida da Caixa importou em redução de salário - sem mudança nas atividades e no local de serviço – o julgado superior concluiu que “houve alteração de contrato prejudicial ao empregado, a qual é ilícita nos termos do artigo 468 da CLT”.

O gerente Ari Abling atuava em diversas agências da CEF em Porto Alegre e região metropolitana desde 1996. Seis anos depois (2002), a Caixa classificou as agências e os postos de atendimento com as letras de ´A´ a ´D´, conforme a região geográfica de atuação no mercado.

De acordo com o histórico funcional o autor, Ari Abling – que ingressou na CEF em 1989 - por longo período (desde 12.11.1996), ocupou a função de gerente geral efetivo, em agências de Porto Alegre e região metropolitana (agências Alto Petrópolis, Cachoeirinha, Cristo Redentor, Partenon, Gravataí, Assis Brasil e gerente regional de negócios em caráter não efetivo (em substituição).

As agências com registro ´A´ tinham maior relevância econômica e estratégica para a instituição. A classificação com a letra ´D´ caracterizava menor relevo.

O valor do piso salarial dos gerentes variava de acordo com a relevância das áreas. Nessa conjunção, o gerente Abling teve períodos em que sofreu perdas salariais que variaram de R$ 400 a R$ 650 mensais (valores nominais das épocas).

Ele pediu o pagamento das diferenças de valores entre os pisos, com a alegação de que “se reduziu o salário, sem a diminuição das atividades e com as iguais exigências de trabalho na mesma agência”.

O juízo da 17ª Vara do Trabalho de Porto Alegre (RS) deferiu o direito às diferenças até 30/6/2010, pois em 1º de julho daquele ano - segundo o próprio gerente – “houve mudança no plano de funções gratificadas que trouxe isonomia ao sistema de pisos”.

Mas o TRT da 4ª Região (RS) reformou a sentença para julgar improcedente o pedido, considerando que “a distinção salarial foi legítima, pois a Caixa, de forma objetiva, levou em consideração o desempenho nas áreas geográficas”.

O tribunal regional gaúcho dispôs também que “a atitude de aplicar soluções diferentes para empregados que estão submetidos a condições de trabalho diversas não caracteriza discriminação salarial”.

O relator do recurso de revista, desembargador convocado Ubirajara Carlos Mendes, afirmou que a jurisprudência do TST considera lícita a definição de diferentes níveis de remuneração dos cargos comissionados, conforme critérios geográficos e econômicos das agências.

No entanto, “a reclassificação da agência bancária em que o empregado comissionado trabalha não pode implicar a redução do salário dele, quando mantido o exercício de idênticas funções na mesma agência, pois resulta em alteração prejudicial do contrato de trabalho” - concluiu.

O advogado Régis Eleno Fontana atuou em nome do trabalhador. (ARR nº 1015-34.2011.5.04.0017 – com informações do TST e da redação do Espaço Vital).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Uma lição aprendida pela Wal Mart

Acordo em ação trabalhista resultará no pagamento de R$ 900 mil a um farmacêutico reclamante. A rede supermercadista também pagará multa de R$ 130 mil e R$ 18 mil de custas, além de depósitos previdenciários de R$ 72 mil.

Caixa condenada por assédio sexual em Caxias do Sul

 

Caixa condenada por assédio sexual em Caxias do Sul

Procedência de ação civil pública - ajuizada pelo MPT após denúncia do Sindicato dos Bancários - estabeleceu indenização de R$ 1,2 milhão por dano moral coletivo. A palavra “sexual” aparece 80 vezes na sentença.

Má fé de escritório de advocacia prejudica cliente em demanda contra grande banco

Conversas via WhatsApp fizeram a prova. Na ação trabalhista em que os advogados “compraram os créditos” da reclamante por R$ 360 mil, o escritório de advocacia fechou acordo por R$ 1,9 milhão líquidos, com o Banco Itaú. Este colaborou com o esclarecimento das minúcias. Leia também o contraponto da banca advocatícia.