Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de outubro de 2019.

Um homem e suas duas mulheres



A 4ª Turma do TRF da 5ª Região (PE) determinou a divisão de pensão por morte de um servidor público federal que mantinha, concomitantemente, uma relação matrimonial e uma extraconjugal duradoura. A ação foi movida pela amante do servidor.

De acordo com os autos, a amante teve dois filhos com o médico servidor público. O relacionamento extraconjugal durou 30 anos. Os filhos nasceram em 1988 e 1991.

Conforme o voto vencedor, proferido pelo desembargador federal Rubens Canuto, “estando provada a existência de relação extraconjugal duradoura, pública e com a intenção de constituir família - ainda que concomitante ao casamento - deve lhe ser conferida a mesma proteção dada à relação matrimonial e à união estável”.

O julgado explicita que, no caso, “o cônjuge não faltoso com os deveres do casamento deve ter efetiva ciência da existência dessa outra relação fora do casamento”.

Segundo o acórdão, “as provas denotam que o falecido, quando vivo, dispensava cuidados também em relação à autora, notadamente quanto à sua saúde, moradia, assistência afetiva, inclusive por meio de conversas telefônicas que chamaram a atenção da viúva”.

Detalhe curioso – conforme o julgado – é que “as declarações da demandada, seja ao afirmar que percebia as comunicações por meio de celular entre seu marido e a autora, seja ao confirmar que sabia da construção de uma ou duas casas para a demandante e sua família, revelam o conhecimento e aceitação da relação concomitante”.

O julgado também considerou “as fotografias que revelam a participação do falecido em diversos momentos da vida em comum também com a parte autora”. (Proc. em segredo de justiça).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O sexo das pessoas não se presta como fator de desigualação jurídica

Conheça a íntegra do voto divergente, que está prevalecendo (5x3) no caso de Sergipe. Na hipótese dos autos, o recorrente alega ter mantido união estável concomitante com o ´de cujus´. Ou seja, paralela à união estável mantida entre o instituidor e a companheira já reconhecida, haveria uma segunda união estável, homoafetiva.

“Pai também é quem cria !”

Uma rara ação envolvendo questões familiares, decidida com elogiável rapidez pelo Judiciário gaúcho: do ajuizamento até a sentença, apenas 41 dias de tramitação. Um acordo entre três partes, envolvendo vínculo parental.