Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 19 de julho de 2019.

Um homem e suas duas mulheres



A 4ª Turma do TRF da 5ª Região (PE) determinou a divisão de pensão por morte de um servidor público federal que mantinha, concomitantemente, uma relação matrimonial e uma extraconjugal duradoura. A ação foi movida pela amante do servidor.

De acordo com os autos, a amante teve dois filhos com o médico servidor público. O relacionamento extraconjugal durou 30 anos. Os filhos nasceram em 1988 e 1991.

Conforme o voto vencedor, proferido pelo desembargador federal Rubens Canuto, “estando provada a existência de relação extraconjugal duradoura, pública e com a intenção de constituir família - ainda que concomitante ao casamento - deve lhe ser conferida a mesma proteção dada à relação matrimonial e à união estável”.

O julgado explicita que, no caso, “o cônjuge não faltoso com os deveres do casamento deve ter efetiva ciência da existência dessa outra relação fora do casamento”.

Segundo o acórdão, “as provas denotam que o falecido, quando vivo, dispensava cuidados também em relação à autora, notadamente quanto à sua saúde, moradia, assistência afetiva, inclusive por meio de conversas telefônicas que chamaram a atenção da viúva”.

Detalhe curioso – conforme o julgado – é que “as declarações da demandada, seja ao afirmar que percebia as comunicações por meio de celular entre seu marido e a autora, seja ao confirmar que sabia da construção de uma ou duas casas para a demandante e sua família, revelam o conhecimento e aceitação da relação concomitante”.

O julgado também considerou “as fotografias que revelam a participação do falecido em diversos momentos da vida em comum também com a parte autora”. (Proc. em segredo de justiça).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Cármen Lúcia diz que “sociedade brasileira é machista, preconceituosa e violenta”

  Atualmente, tramitam no Judiciário brasileiro 10 mil processos de feminicídio.

  A advogada paranaense assassinada pelo marido na semana passada era, frequentemente, chamada por ele de “bosta albina”. Ela estava sujeita a todo o trabalho doméstico diário e proibida de contratar diarista.

  Jornal The New York Times cita dados de uma sua pesquisa: “Um terço das mulheres brasileiras já sofreram algum tipo de agressão”.

  Porto Alegre é a capital brasileira de maior presença de pessoas ´trans´ contaminadas com HIV.