Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

“É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um corrupto serial rico ser mantido preso por alguns ministros do STF”



Arte EV sobre foto Camera Press

Imagem da Matéria

 

 Os ministros e o camelo

Esta semana, em palestra para empresários em Curitiba (PR), sobre a simbiose da corrupção, no 3º Fórum Transparência e Competitividade, organizado pela Federação das Indústrias do Paraná, o ministro Luís Roberto Barroso fez uma comparação. Nela, os não nominados sujeitos passivos da crítica estavam no plural: “É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um corrupto serial rico ser mantido preso por alguns colegas meus”.

Logo, nos cochichos da plateia, houve um diz-que-diz: a flechada verbal teria sido dirigida a Gilmar Mendes. Mas uma dúvida se instalou: o(s) outro(s) seria(m) Ricardo Lewandowski e/ou Dias Toffoli? Ou, quem sabe, haveria insinuação também em relação a mais outros ministros?

Adiante, Barroso afirmou que “a sociedade já mudou e se mobilizou, a iniciativa privada está mudando profundamente, o Judiciário está mudando lentamente e a política ainda não mudou, mas vai mudar”.

A seu turno, o presidente da entidade anfitriã, Edson Campagnolo, inferiu políticos com empresários e admitiu: “A corrupção transita dos dois lados, com o corrupto e corruptor. Mas também nas empresas é preciso combater a corrupção”.

 

 A propósito

Palestra encerrada, aplausos etc., quando os presentes vagarosa e educadamente saíam, um empresário curitibano dissecou a paquidérmica diferença contida na comparação feita por Barroso: “Um buraco de agulha tem, em média, dois milímetros; e um camelo plenamente crescido alcança os 1m95 de altura e tem 2m15 m de comprimento”.

Logo alguém completou: “A expectativa de vida de um camelo é de 45 a 50 anos”.

Outro empresário paranaense logo contribuiu com dados biográficos: Gilmar Mendes nasceu em 30 de dezembro de 1955.

Salvo imprevistos ou mudança de rota, ele tem legitimidade e vigor para ficar no Supremo até o penúltimo dia do ano de 2030. Façam as contas!

 Sistema semipresidencialista à vista

A “rádio-corredor” da OAB nacional repercutiu ontem (24), em Brasília, uma informação da colunista Lydia Medeiros, de O Globo. Segundo ela, avança com muita discrição a aliança do – sempre ele – “ministro Gilmar Mendes com a cúpula do Senado para iniciar o ano legislativo de 2019 deslanchando a votação da emenda à Constituição que institui o sistema semipresidencialista no país”.

Se for aprovada a PEC, o governo passaria, a partir de 2023, a ser composto por um presidente e um primeiro-ministro.

Detalhe: o autor da proposta de emenda constitucional é identificado como “cidadão Gilmar Mendes”, mas a ideia foi conduzida em parceria com Michel Temer, também professor de Direito Constitucional.

O texto prevê que, tal como a União, os estados, o Distrito Federal e os municípios também tenham seus primeiros-ministros. Um dos auxiliares de Gilmar na elaboração do projeto foi seu ex-chefe de gabinete no STF e ex-secretário-geral no TSE, Luciano Fuck. No início do ano, Gilmar pediu que Eunício Oliveira nomeasse Fuck para a estratégica diretoria de Assuntos Jurídicos do Senado.

Eunício – que enxerga longe - foi além e o promoveu a chefe de gabinete.

 Nova súmula

O STJ aprovou na quarta-feira (23) uma nova súmula. Ela terá o nº 616 e será publicada na próxima semana.

Estabelece assim: "A indenização securitária é devida quando ausente a comunicação prévia do segurado acerca do atraso no pagamento do prêmio, por constituir requisito essencial para suspensão ou resolução do contrato de seguro”.

Em outras palavras: para escapar de eventuais indenizações a segurados que não estiverem em dia com os pagamentos, as seguradoras terão que notificar previamente os inadimplentes.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Maioria do TRF-2 considera inconstitucional a sucumbência para a AGU

• Nove votos já afirmaram que advogados públicos não podem receber honorários de sucumbência, caso a administração saia vencedora de uma disputa judicial.

 Bye, bye Brasil: 29% dos brasileiros gostariam de deixar nosso país.

 Curso de Direito continuará tendo cinco anos.

 STJ decide a restrição do foro privilegiado também para procuradores da República.

A disputa, por três filhas, sobre a destinação do cadáver do pai falecido há seis anos

  Em vida, o falecido teria manifestado, verbalmente, sua disposição de que, após a morte, seu corpo fosse submetido a um processo de congelamento (criogenia – foto acima), nos EUA, para que com a evolução da Ciência, fosse possível descobrir a causa de sua doença.

  A mina da Votorantim próxima ao rio Camaquã e o atropelamento múltiplo de ciclistas: dois “riscos vermelhos” do RS estão no Atlas Global de Justiça Ambiental.

 Unesco certifica a decisão do STF de equiparar a união estável entre pessoas do mesmo sexo à entre casais heterossexuais como “patrimônio documental da humanidade

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.