Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

Presidente do TRT-SC sai do gabinete e fecha três acordos na primeira instância



Camila velloso

Imagem da Matéria

Partes satisfeitas e cerca de R$ 180 mil homologados em três acordos obtidos somente após muita conversa e negociação. Esse foi o saldo da participação da presidente do TRT-SC, desembargadora Mari Eleda Migliorini, nas tentativas de conciliação realizadas na tarde da última quarta-feira (23) no Centro de Conciliação. Ao todo, foram 61% de conciliações, envolvendo pagamentos de R$ 320 mil em acordos em um só dia.

Para participar de forma ainda mais ativa da Semana Nacional da Conciliação Trabalhista, que acontece até esta sexta (25), a desembargadora saiu de seu gabinete e trocou a sala de sessões pela sala de audiências conciliatórias e foi intermediar pessoalmente as negociações entre as partes.

“Desde que assumi a presidência do tribunal, minha principal bandeira tem sido a da conciliação. Fazer com que as pessoas cheguem a uma solução por elas mesmas é a melhor alternativa. A sentença resolve a questão legal, mas não a pessoal, e a mágoa pode permanecer entre as partes. Quando elas mesmas chegam a um consenso, a lide é efetivamente resolvida” - assinala a magistrada, que neste mês inaugurou os primeiros centros de conciliação no interior do Estado, em Itajaí e Jaraguá do Sul.

Outro acordo fechado quarta-feira no Cejusc da Capital foi de uma ação que já tramitava desde 2005. “Era uma causa simples, mas que estava difícil de resolver” - segundo o juiz Válter Túlio Ribeiro, coordenador do Centro e que intermediou a negociação. A ação envolvia um ex-funcionário e os três proprietários de um minimercado localizado no norte da Ilha. A falta de recursos dos reclamados é que estava dificultando a solução do processo, que há tempos estava na fase de execução (tentativa de cobrança). Com o acordo, cada um dos três vai pagar parte dos R$ 10 mil negociados com o autor, em dez parcelas.

O terceiro dia do evento foi o mais produtivo para o TRT-SC. O destaque ficou para os acordos fechados pela Caixa Econômica Federal em processos que estavam no TST. Ao todo, foram conciliadas 15 ações da terceira instância, que somaram R$ 2,6 milhões - o total do dia foi R$ 6,7 milhões.

As negociações foram realizadas no Cejusc de 2º Grau e conduzidas pelo juiz auxiliar da presidência e coordenador do Centro, Marcel Higuchi. Em três dias de campanha, o segundo grau homologou 22% do total dos valores conciliados, que já somam R$ 13,6 milhões em 2,1 mil audiências realizadas, num total de 624 acordos.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Raphael G. Faria

   Grande cadeia de lojas enganava seus clientes

 

Grande cadeia de lojas enganava seus clientes

A Via Varejo S.A. (grupo que inclui Casas Bahia e Ponto Frio) exigia que os vendedores praticassem o “Embutec”: a inclusão, no preço do produto, de garantia estendida, seguro em caso de desemprego e seguro de vida, mesmo que o consumidor não quisesse.

Arte de Camila Adamoli

TST reconhece relação de emprego entre “advogado associado” e dois escritórios de Porto Alegre

 

TST reconhece relação de emprego entre “advogado associado” e dois escritórios de Porto Alegre

Julgado superior avaliou que “o contrato de associação firmado serviu de mero instrumento formal para mascarar uma relação de emprego”.  Decisão envolve seis anos e quatro meses, determinando o pagamento de horas extras além da 40ª semanal, 13º salário, aviso prévio, férias e depósitos do FGTS. Condenação fica próxima de R$ 200 mil.

Tarefas macabras na jornada de trabalho de vigilante

TST manda a empresa Power Segurança – terceirizada na prestação de serviços à Cia. Paulista de Trens Urbanos – indenizar trabalhador que, em desvio de função, era obrigado a remover cadáveres e vítimas de acidentes nos trilhos.

Bullying em loja da rede Walmart

“Obesa, elefoa, gorda”. Empregada com depressão agravada devido aos constrangimentos e humilhações será indenizada.