Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 19 de julho de 2019.

Inclusão da cota racial em concursos para cartórios



A falta de norma específica sobre cotas em concursos para cartórios não impede que tribunais estaduais adotem a prática, já que têm autonomia para disciplinar editais. A decisão é do Conselho Nacional de Justiça ao validar regras do TJ de Tocantins.

A corte estadual lançou, em 2015, o edital para prova de ingresso em cartório de notas e registros, incluindo a reserva de 20% das vagas para negros, com base em norma sobre o tema do próprio CNJ (Resolução nº 203/2015). O concurso, porém, foi suspenso após a Comissão Permanente de Eficiência Operacional e Gestão do CNJ se posicionar contra a interpretação extensiva da resolução.

Na ocasião, a comissão afirmou que a norma tratava objetivamente das carreiras de membros da magistratura e servidores do Judiciário. A decisão foi retificada pelo Pleno do CNJ, que concedeu liminar para suspender o concurso, em abril de 2016.

Como entrou um terceiro interessado no caso, o procedimento voltou ao Plenário do conselho sob relatoria do conselheiro André Godinho. Ele considerou ser “uma escolha política de cada tribunal reservar vagas para pessoas negras em concursos para cartório”.

Segundo seu voto, o TJ-TO tem plena autonomia e amparo na jurisprudência, inclusive do Supremo Tribunal Federal, “buscando garantir a efetividade material do princípio da igualdade”.

A decisão unânime foi no sentido de que nenhum tribunal é obrigado a incluir cotas nesse tipo de concurso – não havendo, porém, ilegalidade a ser controlada no edital do TJ de Tocantins. (Proc. nº 000058-71.2016.2.00.0000 – com informações da Agência CNJ de Notícias).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Novas correções em provas de 58 candidatos em concurso para juiz do TJRS

O certame que começou em 2015 - e teve 22 candidatos nomeados e empossados em 2017 – terá novos desdobramentos. Há decisões divergentes entre a 1ª e a 2ª Turmas do STJ. Um dos julgados determina a repetição das provas de sentenças – mas o resultado foi atacado por recurso de embargos de declaração, ainda não decididos.

Professor réu em ação criminal não pode assumir cargo público

Ele foi aprovado em certame para “assistente de alunos”. Mas tem uma condenação – sem trânsito em julgado – por tráfico de drogas. O TRF-4 considerou que “a precaução com o interesse público deve prevalecer frente ao interesse do particular”.