Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

Festa termina com linchamento de homem que roubara um celular



Uma semana depois de o corpo de um homem ser encontrado no Parque da Cidade, em Brasília, outro homicídio foi registrado no local. Desta vez, um homem foi espancado até a morte por cerca de 20 pessoas após, supostamente, participar de um roubo de celular no último sábado (26).

A vítima do roubo, uma adolescente de 16 anos, contou aos agentes da 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul) que estava com amigos reunidos em uma roda, com o celular nas mãos, quando um desconhecido avançou no aparelho. Ela teria resistido e, neste momento, outra pessoa a agarrou por trás.

Ela soltou o celular e um dos assaltantes fugiu com o aparelho, em direção à Rodoviária do Plano Piloto.

Mas o segundo envolvido, que teria segurado a jovem, foi alcançado e agredido até a morte. A adolescente que teve o telefone roubado não soube apontar quem participou do linchamento, mas disse, "pelo que eu saiba", nenhum amigo teria batido no homem que morreu.

A tentativa de roubo e o linchamento aconteceram por volta das 19h, durante uma festa organizada pelas redes sociais.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte EV

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

 

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

Desembargadora Sérgia Maria Mendonça Miranda vira ré em investigação sobre esquema de venda de habeas corpus no Tribunal de Justiça do Ceará. Também são acusados oito advogados, três dos quais estão suspensos preventivamente pela OAB cearense

STF julga hoje novo habeas corpus de Lula

A defesa argumenta que Moro é inimigo do ex-presidente e não tinha isenção para julgá-lo, tanto que virou futuro ministro do governo Bolsonaro. A PGR rebate que “a decisão de tornar-se ministro é estritamente pessoal, e a motivação do ex-magistrado em aceitar tal convite não interessa aos autos"

Quase 200 anos de prisão!

Juiz Marcelo Bretas condena Sérgio Cabral a mais 14 anos de prisão, por lavagem de R$ 15 milhões. Total das penas chega a 197 anos e 9 meses.

Mais uma denúncia contra Lula: suposta lavagem de R$ 1 milhão

Ele teria influenciado decisões de Teodoro Obiang, presidente da Guiné Equatorial, para a contratação do grupo brasileiro ARG. Um e-mail apreendido afirma que a empresa estava disposta a fazer “uma contribuição financeira bastante importante” ao Instituto Lula. O dinheiro foi contabilizado como doação.