Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 21 de maio de 2019.

Mais seis meses de “direito” a não sair da casa dos pais



Douglass Dowty / Google Imagens

Imagem da Matéria

O estadunidense Michael Rotondo, de 30 de idade, anunciou na sexta-feira (25) que recorrerá contra a decisão judicial que determinou o seu despejo, atendendo ao pedido judicial feito por seus pais Mark e Christina Rotondo. Desde fevereiro, eles deram sete ultimatos – alguns dos quais formais - para que o filho deixasse o lar, queixando-se de que “ele não ajudava nas despesas e tarefas domésticas”. O prazo paterno para que o filho se retirasse era renovadamente estabelecido em duas semanas, mas foi constantemente ignorado.

A questão chegou a juízo. E numa das cortes distritais de pequenas causas, em New York, o juiz Donald Greenwood deferiu o despejo, concedendo o prazo de dez dias para que Michael se retire amistosamente, até a próxima sexta-feira..

Na repartição forense, Michael fez sua própria defesa, alegando que “conforme um precedente que pesquisei, terei o direito a ficar mais seis meses na casa dos pais, o que é um tempo razoável para quem depende do apoio financeiro de outras pessoas."

Como há recurso com efeitos suspensivo e devolutivo por envolver também uma questão de família, é possível que Michael consiga postergar sua saída, mantendo o problema para os pais. 

Em entrevista ao jornal “The Post-Standard”, Michael afirmou que não tem mais diálogo com seus pais. Disse que ele se mantém com seus próprios negócios, mas se recusou a dizer o que fazia.

Síndrome de Peter Pan

Integrante da Sociedade Brasileira de Psicanálise do Estado do Rio, Sônia Bromberger avalia que Michael é um exemplo da “síndrome de Peter Pan” — pessoas com mais de 25 anos que parecem presas à adolescência, evitando a rotina e a responsabilidade típicas da idade adulta.

Em entrevista ao saite de O Globo, Sonia avaliou que “provavelmente o Michael tem uma personalidade narcísica, infantil, e não mostra gratidão por tudo o que foi feito para ele” - explica. Ela admite ser “doloroso para os pais levar a uma instância jurídica o caso de um homem que não tem a humildade de reconhecer que está errado e que cospe em seu próprio prato”.

Para Sônia, o americano é um exemplo incomum de um fenômeno crescente, inclusive no Brasil — a permanência por cada vez mais tempo dos jovens na casa dos pais.

 "O caso de Michael é marcado por relações hostis, mas, em muitos episódios, esse processo é amistoso e responsável” — diz ela.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Ubirajara Wanderley Lins Junior - Advogado 29.05.18 | 09:54:00

Sem conhecer os pormenores do caso, parece que o 'baby balzaquiano' ja' esta' com uma certa idade para continuar vivendo sob os cuidados dos seus pais, podendo, quando menos, tentar achar uma namorada que por ele se apaixone e queira lhe dar amor e abrigo, ou seja, 'casa, comida e roupa lavada'..., nos avisando se porventura ela tem uma irma ou prima que curta essas coisas, pois, de repente, se a moda pega...

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Wikimapia – “Gulf News”

Avião retorna ao aeroporto porque mãe esqueceu o filho bebê no setor de embarque

 

Avião retorna ao aeroporto porque mãe esqueceu o filho bebê no setor de embarque

Um aviso do comandante surpreendeu os passageiros de um voo de Jeddah (Arábia Saudita), a Kuala Lumpur (Malásia), no domingo (10): “Nossa aeronave precisará voltar porque uma mãe, nossa passageira, esqueceu seu bebê na área de embarque”. Mas houve o final feliz. Acima, a foto da aeronave momentos antes da segunda decolagem, após a solução do incidente.