Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

A grande vitória jurídica do Grêmio no STJ



Imagem de arquivo Camera Press

Imagem da Matéria

 Imortal nos estádios, imortal nos tribunais

Apesar da perda parcial de brilho futebolístico em gramado nos últimos jogos, o Grêmio vai muito bem, obrigado, até mesmo no Superior Tribunal de Justiça - e festeja uma vitória jurídica em Brasília, num caso que há quatro anos preocupava os advogados do clube. O imbróglio envolve o uso da expressão “Imortal Tricolor”.

O cidadão Lupicínio Jorge Quevedo Rodrigues – o “Lupinho” – filho do compositor Lupicínio Rodrigues e o Espaço Cultural Lupicínio Rodrigues ingressaram com algumas (idênticas) ações sustentando serem “titulares dos direitos autorais do Hino do Grêmio”. Sustentaram haver “afronta aos direitos de autor pela utilização – pelo Grêmio e empresas franqueadas na produção de vários artigos, inclusive peças de roupas - da expressão ´Imortal Tricolor´".

No Foro de Porto Alegre (processo de conhecimento) e no TJRS (apelação cível), o resultado foi de improcedência. Houve recurso especial, decidido há poucos dias. O ministro Luis Felipe Salomão esmiuçou a questão em longa decisão e a atenta leitura, adiante, de frases nucleares do julgado permite entender o alcance da ação e o seu desfecho negativo para o filho de Lupicínio e o instituto que administra sua obra – e, por decorrência, a vitória jurídica tricolor.

• Diz o julgado: “A solução passa ao largo da questão acerca da titularidade dos direitos sobre a obra ´Marcha do Cinquentenário´, criada por Lupicínio Rodrigues. Primeiramente deve-se aferir a existência ou não de proteção sobre a expressão ´Imortal Tricolor´ de forma isolada, para então se discutir a titularidade de direitos daí decorrentes. A história aponta que o Hino do Grêmio, criado em 1953, exalta Eurico Lara, um dos maiores atletas do clube, onde jogou como goleiro até pouco antes de morrer, a quem todos se referiam como o ´imortal tricolor´”.

 Prossegue o ministro Salomão: “O fato de a marcha do cinquentenário ter imputado ao clube a mesma expressão ´Imortal Tricolor´ não empresta a proteção pretendida na inicial, pois não há originalidade ou ineditismo, nem mesmo configura a expressão do espírito do seu autor, a teor do que dispõe o art. 7º, V da Lei nº 9.610/98”.

 Adiante: “Cumpre referir que à época da criação do Hino do Grêmio, a legislação então vigente não exigia a cessão formal de obras protegidas por direitos autorais, conforme o art. 82 do Código Civil de 1916. Somente com o advento da Lei nº 5.988/73, passou-se a exigir a cessão por instrumento escrito”.

 No mérito, o ministro Salomão analisa que ao contrário do defendido por Lupinho Rodrigues e pelo Instituto Lupicínio Rodrigues, a expressão ´Imortal Tricolor´, embora citada na obra, com ela não se confunde, e seu uso isolado não configura afronta ao direito autoral. “A expressão questionada não pode ser entendida como reprodução parcial de obra protegida, pois a expressão representa o próprio clube e não o seu hino” – salienta o julgador.

 E o arremate: “´Imortal tricolor´ é também o modo de chamar o time, é o apelido do clube, não caracterizando reprodução do hino, mesmo que parcialmente considerado. A palavra tricolor advém das cores do clube, inexistindo qualquer novidade em sua utilização - e sua junção com a palavra imortal não é suficiente para caracterizar a novidade e originalidade necessária a atribuir-lhe a proteção buscada”.

A decisão foi proferida no agravo em recurso especial nº 1.222.625 e poderá ter reflexos em ações congêneres, dos mesmos dois autores, contra outros franqueados e o Grêmio. Há recursos especiais que têm diferentes relatores.

Sem elogios futebolísticos, aqui, para treinador, atletas e outros nomes do departamento de futebol, loas para os advogados gremistas que defendem o clube: o chefe Nestor Hein, mais Carlos Francisco Camilotti Monteiro, Alberto Jerônimo Guerra Neto, Joélcio de Carvalho Tonera e Leonardo Lamachia. Um time de atletas jurídicos!

Que bom seria que o estranho centroavante André e outros lentos tivessem a mesma garra, igual pegada e a mesma inteligência que os advogados do clube para enfrentar ações espertas de times adversários.

  Na mesa da Elenita

A ação penal que, há três meses, condenou um ex-servidor forense e quatro advogados por fraudes com alvarás judiciais, ainda não saiu da comarca de Caxias do Sul para o julgamento, pelo TJRS, das cinco apelações criminais já interpostas.

Depois de ter ficado de 17 a 31 de maio no gabinete da juíza Gabriela Irigon Pereira, na 2ª Vara Criminal, os 12 volumes estavam ontem (4) – segundo a prosaica informação processual – na “mesa da Elenita”.

A ação penal completará seis anos de existência no dia 3 de setembro. Com 12 volumes, é uma das pesadas tartarugas forenses da Justiça gaúcha. Teimosamente o réptil processual tenta não chegar à capital. Ninguém está preso. (Proc. nº 2.12.0009939-4).

  De investigado a magistrado?

O ex-procurador Marcello Miller, que é investigado por ter ajudado na delação premiada de executivos da JBS – enquanto ainda atuava no MPF – busca novos rumos: quer ser juiz federal.

Ele teve deferida sua inscrição entre cerca de 3.000 candidatos que buscam uma das 107 vagas de juiz substituto para atuar nos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul.

A primeira prova será no próximo domingo (10).

  Mais uma exclusão na OAB-RS

O saite da Ordem gaúcha atualizou a nominata dos advogados excluídos. Mais um nome entrou na relação: é o de Ceila Denise do Amaral (OAB-RS nº 45.915).

A bacharel foi defenestrada por decisão que transitou em julgado no dia 3 de maio de 2018.

Agora, no total, são 50 pessoas proibidas do exercício profissional advocatício. Desse total, um só caso remonta a 2002.

Os 49 restantes ex-advogados (as) foram punidos a partir de maio de 2006, quando começou a faxina ética que alcança 32 homens e 18 mulheres.

Leia a nominata dos excluídos, no saite da OAB-RS, clicando aqui.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Maioria do TRF-2 considera inconstitucional a sucumbência para a AGU

• Nove votos já afirmaram que advogados públicos não podem receber honorários de sucumbência, caso a administração saia vencedora de uma disputa judicial.

 Bye, bye Brasil: 29% dos brasileiros gostariam de deixar nosso país.

 Curso de Direito continuará tendo cinco anos.

 STJ decide a restrição do foro privilegiado também para procuradores da República.

A disputa, por três filhas, sobre a destinação do cadáver do pai falecido há seis anos

  Em vida, o falecido teria manifestado, verbalmente, sua disposição de que, após a morte, seu corpo fosse submetido a um processo de congelamento (criogenia – foto acima), nos EUA, para que com a evolução da Ciência, fosse possível descobrir a causa de sua doença.

  A mina da Votorantim próxima ao rio Camaquã e o atropelamento múltiplo de ciclistas: dois “riscos vermelhos” do RS estão no Atlas Global de Justiça Ambiental.

 Unesco certifica a decisão do STF de equiparar a união estável entre pessoas do mesmo sexo à entre casais heterossexuais como “patrimônio documental da humanidade

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.