Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 07 de dezembro de 2018.

Mulher juíza, não!



Charge Gerson kauer

Imagem da Matéria

Aos 25 de idade, a jovem bacharel em Direito é aprovada em concurso para ingresso na magistratura gaúcha e é designada para uma vara criminal de comarca gaúcha, onde o machismo ainda tem alguns absurdos rompantes.

No início de uma tarde forense - em que estão pautadas 20 audiências para o oferecimento de suspensão condicional dos processos - adentra à sala um homem trintão. Ele está pilchado, botas, bombacha, lenço vermelho, bigode grande, “todo a gaúcho”. Carrega uma sacola de viagem.

A magistrada olha a denúncia: “Crime ambiental, consistente em maus-tratos contra o próprio cavalo de sua propriedade” – e começa a explicar sobre o benefício e suas condições. E esclarece, claro, que não era obrigatória a aceitação.

A juíza percebe, no entanto, que o homem não dá a mínima ao que ela lhe fala. Entrementes, ele procura alguma coisa dentro da sacola. Dela, de repente, retira um laço de couro e o lança em cima da mesa principal.

A magistrada assusta-se com o inesperado e com o barulho da argola batendo na madeira, e, nessa cena tragicômica, ainda tem que escutar – do homem que se ergue da cadeira – uma frase discriminatória: “Eu não aceito uma mulher juíza”.

Estão na sala de audiências, a juíza, a promotora, a defensora pública e a escrevente. Quatro mulheres mudas diante da postura ameaçadora de um homem só.

Há um hiato de cinco ou dez segundos, a magistrada reage com um olhar fulminante, eleva o tom de voz e adverte: ”Ou o senhor aceita uma juíza mulher, ou eu vou lhe prender por desacato à autoridade”.

O homem senta novamente, ?ca alguns instantes em silêncio e responde – meio conformado que – “então eu aceito a juíza mulher”.

Afinal, acordada a proposta de suspensão condicional do processo, o termo é assinado, a audiência é encerrada e o valentão sai. E só então aparece o guarda forense para informar: “Doutora, passei para lhe dizer que esse cara aí não bate muito bem”.

A juíza já aliviada agradece a informação e encerra o caso: “Bem que o senhor poderia ter me dito isso antes”...




Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O gaúcho caloteiro

 

O gaúcho caloteiro

A difícil intimação de um fazendeiro, já conhecido no meio forense, como o Senhor Caloteiro. O êxito da diligência só acontece porque, no esconderijo, o devedor é acometido de coceira causada por urtiga.

Charge de Gerson Kauer

   A experiência dos velhinhos

 

A experiência dos velhinhos

Segundo a cartilha do banco, os saques mínimos no atendimento presencial seriam de R$ 200. Saiba como a idosa senhora - mãe de um advogado e avó de um estagiário do tribunal - convenceu o caixa de que ela tinha direito líquido e certo a sacar apenas R$ 50.

Charge de Gerson Kauer

Quando o suposto amor vira negócio

 

Quando o suposto amor vira negócio

O cliente, à hora da saída do motel, acelera o carro, derruba a cancela e se vai em desabalada fuga. Saiba porque, em Juízo, o tresloucado gesto do homem comove o juiz e obtém simpatia do dono do estabelecimento de hospedagem.

Gerson Kauer

Perfume de segunda categoria

 

Perfume de segunda categoria

Após presidir a audiência de ação penal relativa a roubo à mão armada ocorrido em uma loja de perfumes, o elegante juiz é surpreendido com a pergunta desferida pela vítima: “Doutor, o senhor tem compromisso para hoje à noite?

Gerson Kauer

Casa de marimbondos

 

Casa de marimbondos

Após a vã tentativa de avaliar uma velha colheitadeira penhorada, o oficial de justiça certifica em minúcias: “Não pude me aproximar da máquina, pois na parte interna do teto da cabine tem uma casa de marimbondos do tamanho de uma caçamba de pampa, tendo este servidor medo de levar múltiplas ferroadas”.

Charge de Gerson Kauer

A política também tem essas coisas

 

A política também tem essas coisas

O José Teutônico um dia tornou-se político famoso. Seu gabinete estava recheado de assessores jovens, bonitos, bem vestidos, perfumados, alegres – às vezes até demais. De repente, ele divorciou-se da esposa socialite. E passou a ser conhecido como “Maninha”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.