Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Uma ação de pequena entidade gaúcha contra a poderosa General Motors



Arte de Camila Adamoli sobre reprodução de comercial da General Motors

Imagem da Matéria

 A pequena contra a maior

Está na 4ª Vara Cível do Foro Central de Porto Alegre – onde, desde o dia 7 aguarda despacho inicial – uma rara ação da não argentária entidade - sem fins lucrativos - chamada Núcleo Amigos da Terra/Brasil contra a argentária General Motors do Brasil. A essência: reação de ambientalistas atingidos pela poderosa multinacional.

A autora é uma sociedade civil de interesse público, sendo uma das mais antigas associações ambientalistas do RS. Fundada em 1964, em sua primeira fase foi uma organização de mulheres. (Proc. nº 001/1.18.0059233-8).

O bioconstrutor Fernando Campos Costa, presidente da entidade (ele é morador em Porto Alegre e integra um grupo que prega a construção de casas ecológicas pelo Brasil) e os quatro advogados da entidade – com escritório na discreta cidade interiorana de Languiru (RS) – resumem, em uma frase, o objetivo da ação: “Investir contra o comercial realizado para a promoção da picape S10-2018, fabricada pela GM, que celebra o agronegócio”.

A General Motors do Brasil é a maior subsidiária da estadunidense G.M. na América do Sul e a segunda maior operação fora dos Estados Unidos. A empresa brasileira foi fundada em 1925. No mundo, o conglomerado empresarial está presente em seis dos sete continentes (ausente apenas da Antártida), com 396 instalações, tendo 216 mil empregados.

A campanha publicitária questionada reconhece a importância do homem do campo para o crescimento do País e informa que “o agronegócio é um dos setores mais importantes para a economia – embora muitas vezes passe pela falta de reconhecimento de sua relevância”.

O filme apresenta cenas do dono da fazenda e líder do agronegócio, acompanhado por seu filho cuidando do rebanho, enquanto a locução enfatiza que, “apesar de alguns apontarem o dedo, julgarem, eles continuam firmes zelando não só pelo futuro da fazenda, mas também pelo futuro do Brasil”.

A ação judicial diz que, com o comercial, a General Motors está atingindo os ambientalistas, exibindo “uma carga pejorativa a quem cumpre o papel de suma importância, que é a defesa do meio ambiente”. Numa passagem do filme aparece a mensagem no aparelho celular de um dos atores da propaganda: “Agronegócio e desmatamento”. Em seguida com elogios a quem “trabalha”, “acorda cedo” e “carrega este país nas costas”, o comercial passa a versão que a denúncia é injusta e irresponsável.

A petição inicial também sustenta que “a mensagem de que o agronegócio estaria sendo denunciado injustamente, pois ´carrega o país nas costas´ desinforma a sociedade e desqualifica a agricultura familiar”. Em defesa desta, vêm as seguintes informações na peça judicial:

a) Mais de 70% dos alimentos que chega na mesa do povo brasileiro vem da agricultura familiar e não do agronegócio. Segundo o Censo Agropecuário a agricultura familiar constitui a base econômica de mais de 90% dos municípios do país com até 20 mil habitantes e absorve 40% da população economicamente ativa, pois de cada dez postos de trabalho no campo, sete advém da agricultura familiar. (Dados oficiais do Ministério do Desenvolvimento Agrário em 02.10.2017).

b) Segundo o Censo Agropecuário de 2006, a agricultura familiar constitui a base econômica de 90% dos municípios brasileiros com até 20 mil habitantes; responde por 35% do produto interno bruto nacional e absorve 40% da população economicamente ativa do país.

c) O setor produz 87% da mandioca, 70% do feijão, 46% do milho, 38% do café, 34% do arroz e 21% do trigo do Brasil. Na pecuária, é responsável por 60% da produção de leite, além de 59% do rebanho suíno, 50% das aves e 30% dos bovinos do país. O setor também emprega 74% das pessoas ocupadas no campo, de 10 postos de trabalho no meio rural, sete são de agricultores familiares.

 Outros números sobre a agricultura familiar

A agricultura patronal está presente em 32.114 estabelecimentos rurais, que ocupam 58,3% da superfície do Estado do RS e representam 7,5% do total de propriedades rurais gaúchas.

No que se refere à produção, a agricultura familiar gaúcha responde por 35% da produção de pecuária de corte; 98% da produção de fumo; 80% da produção de leite; 89 % da produção de mandioca; 69% da produção de suínos; 65 % da produção de milho; 61% da produção de aves e ovos; 51% da produção de soja; 35% da produção de arroz; 49% da produção de trigo; 92% da produção de cebola; 95% da produção de laranja (citros); 80% da produção de feijão.

Reforçando a importância da agricultura familiar para o mundo, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) divulgou recente relatório sobre “O Estado da Alimentação e Agricultura”. O estudo revela que a agricultura familiar tem a capacidade de auxiliar na erradicação da fome no mundo a fim de que se alcance o patamar de segurança alimentar sustentável.

Segundo a ONU, cerca de 570 milhões de propriedade agrícolas familiares administram a grande maioria das terras agrícolas no mundo sendo responsável pela maior parte da produção mundial de alimentos, fazendo com que a agricultura familiar seja a forma mais predominante de agricultura.

O estudo também revela que a agricultura familiar é, igualmente, responsável por aproximadamente 75% do total dos recursos agrícolas mundiais, o que a torna fundamental para a melhoria destes recursos e a manutenção e preservação da sustentabilidade ecológica mundial.

No Brasil não é diferente. A agricultura familiar desempenha um papel igualmente fundamental com, pelo menos, cinco milhões de famílias, representando cerca de 84% de todas as propriedades rurais do País, não obstante ocupar somente 24,3% do total da área utilizada por estabelecimentos agropecuários .

  Diferenças díspares

Percebe-se, com os dados disponíveis, uma gritante diferença, pois se trata de um empreendimento comercial e industrial, bem maior e mais amplo e complexo, de agroindústrias, com elevado ganho de escala, e não de pequenos empreendimentos rurais, com caráter familiar e comunitário.

São, definitivamente, agronegócio e agricultura familiar, coisas absolutamente díspares, com interesses acima de tudo conflitantes.

Vários setores da economia fazem parte do agronegócio: bancos que fornecem créditos, indústria de insumos agrícolas (fertilizantes, herbicidas, inseticidas, sementes selecionadas para plantio entre outros), indústria de tratores e peças, lojas veterinárias e laboratórios que fornecem vacinas e rações para a pecuária de corte e leiteira, isso na primeira etapa produtiva.

Nessa conjunção, segundo o dossiê Abrasco, exatas 34.147 notificações de intoxicação por agrotóxico foram registradas de 2007 a 2014, no Brasil. O período coincide com a porcentagem de aumento (288%) do uso de agrotóxicos no nosso país entre 2000 e 2012. Só em 2014, a indústria do setor faturou mais de U$12 bilhões no Brasil.

Em outras palavras, o agronegócio significa um processo econômico ligado ao grande capital e não às pessoas, nem à sustentabilidade ambiental.

Embora a petição inicial não faça qualquer referência à abrangente campanha televisiva do “Agro é Pop, Agro é Tech, Agro é Tudo, Está Aqui, Está na Globo”, a “rádio-corredor forense” de Porto Alegre rapidamente fez – na sexta-feira e ontem - uma análise dos objetivos do comercial da General Motors.

Segundo arautos, “ele também busca criar uma imagem positiva e moderna do latifúndio, mascarando a real situação do campo e fazendo apologias à semifeudalidade e à semicolonialidade”.

O Espaço Vital vai acompanhar a prolação da decisão judicial inicial e, oportunamente, a eventual contestação da General Motors.

 A inversão de valores

A entidade autora arremata que “papéis colocados no questionado comercial da General Motors passam a impressão de uma realidade inverídica (...) e os consumidores precisam ser esclarecidos sobre o produto automobilístico e não desinformados sobre a realidade”.

A Núcleo Amigos da Terra pretende que, por decisão judicial, a General Motors suspenda a propaganda enganosa e abusiva e ainda esclareça a seu público sobre o equívoco dos conteúdos repassados (artigo 727, do CPC). Segundo a peça inicial “as informações postas no comercial não correspondem à realidade, podendo levar o consumidor ao erro, seja consciente ou pela sensação criada de que adquire automóvel relacionado a quem ´carrega o Brasil nas costas´, quando se fala do mundo rural do país”.

Na via extrajudicial, uma outra ação semelhante do Núcleo Amigos da Terra busca que o CONAR – Conselho Nacional de Auto Regulamentação Publicitária – simultaneamente à decisão judicial, ou independentemente desta – suspenda definitivamente a veiculação do comercial, por conter propaganda enganosa.

Serviço Espaço Vital

A fim de proporcionar aos defensores das causas ambientais o conhecimento mais amplo possível da versão inicial, o Espaço Vital disponibiliza cópia integral da petição judicial inicial, subscrita pelos advogados José Renato de Oliveira Barcelos, Marina de Almeida Rosa, Pedro Bigolin Neto e Rodrigo de Medeiros Silva.

Para ler a petição inicial, clique aqui.

Para ver o comercial, clique aqui.


Comentários

Adair Mendes - Advogado 12.06.18 | 16:44:12

Ambas são posições válidas. Esperamos que se coloquem em pratos limpos a situação rural brasileira.

Glória Miller - Culinária Natural E Sustentável 12.06.18 | 13:16:00
Parabéns pela ação
Temos que exigir o respeito desse tipo de empresa. Mesmo que para isso seja necessário judicializar
Banner publicitário

Mais artigos do autor

A disputa, por três filhas, sobre a destinação do cadáver do pai falecido há seis anos

  Em vida, o falecido teria manifestado, verbalmente, sua disposição de que, após a morte, seu corpo fosse submetido a um processo de congelamento (criogenia – foto acima), nos EUA, para que com a evolução da Ciência, fosse possível descobrir a causa de sua doença.

  A mina da Votorantim próxima ao rio Camaquã e o atropelamento múltiplo de ciclistas: dois “riscos vermelhos” do RS estão no Atlas Global de Justiça Ambiental.

 Unesco certifica a decisão do STF de equiparar a união estável entre pessoas do mesmo sexo à entre casais heterossexuais como “patrimônio documental da humanidade

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.

A juíza federal Gabriela Hardt não toca flauta!

  Vídeo apresentando a magistrada federal da Lava Jato como música amadora é fake!

  Imagens e áudio – de boa qualidade - exibidos em grupos de WhatsApp confundem a magistrada com a flautista Gabriela Machado, do grupo Choronas, de Santos (SP).

  Socicredi não pode usar a marca Sicredi. Decisão é do TJRS.

 Atraso habitual de ônibus do empregador é computado como hora extra em favor de empregado.

  Caso grave de Mal de Parkinson: STJ condena Bradesco a fornecer home care, mesmo sem previsão no contrato.