Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 13 de agosto de 2019.

Justiça pelos próprios gritos



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

É pura ficção da “rádio-corredor” forense. O cidadão cinquentão, divorciado, estressado pelo excesso de trabalho, vai em busca de serviços sexuais pagos e, na conjunção, se envolve com dois sujeitos adeptos da cirurgia e do tratamento hormonal para mudar de sexo.

“São pobres transexuais” – diria uma advogada feminista. “São dois que, outrora, chamaríamos de travestis” – oporia um médico legista.

Radicalismos à parte, o certo – o errado, aliás - é que o cidadão aceita experimentar além daquilo que originalmente busca. O preço é alto, o programa se completa, no final o cliente não dispõe da grana toda em espécie. Mas, invocando sua honorabilidade, propõe mandar, no dia seguinte, um assessor levar o dinheiro. “Amanhã, cash!” – como convém.

Os prestadores do serviço dão dois votos de confiança e concedem o crédito temporário.

Mas o cidadão viaja e esquece da dívida. Passam-se duas semanas. Os pretensos credores – desacompanhados de advogado - procuram um Juizado Especial Cível, onde expõem suas razões e expectativas de direito.

O servidor se alonga em explicações jurídicas. Explica o empecilho processual, discorre sobre a necessidade de prova. A dupla desiste de ingressar com a ação. Na saída, os dois insinuam “fazer justiça pelas próprias mãos”.

Uma semana depois, enquanto a Copa do Mundo avança, os credores vão pessoalmente à forra e, aos gritos, tentam fazer prevalecer o seu jogo. Os vizinhos – irritados pelo constrangimento - acionam a polícia e a imprensa. Duas horas depois, os prestadores do serviço conseguem receber parte do que desejavam – ou extorquiam.

“Falta de decoro, capaz de rechear o livro das Páginas da Vida”... – diria reticente um empolado especialista em Direito Eleitoral.

Mas é tudo pura ficção. Se fosse real, estaria acontecendo na distante Rússia, manhã do jogo Brasil 2 x Costa Rica 0.

E não se fala mais nisso.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Para medir o tamanho ´daquilo´...

 

Para medir o tamanho ´daquilo´...

Treze de agosto de 2018, hoje está fazendo um ano. A frustração do consumidor que - após encomendar na internet, e pagar por um aparelho que o tornaria “um amante imbatível” - recebeu uma enorme e maldosa lupa. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

“Quero comer filé”

 

“Quero comer filé”

Na audiência de uma ação de divórcio, a surpreendente mudança de decisão do homem: “Estou velho, não vou conseguir mais uma companheira como ela. Prefiro comer filé com os outros do que carne de pescoço sozinho”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A sátira embutida

 

A sátira embutida

Na oitava folha da apelação de 12 laudas, o advogado - inconformado com a superficialidade da prestação jurisdicional – digitou um recado: “Como somos tratados como pamonhas, é pertinente informar que uma gostosa receita da famosa iguaria oriunda do milho verde está disponível na internet”.

Charge de Gerson Kauer

Vá ler o CPC, doutora!

 

Vá ler o CPC, doutora!

“Após extravasamento verbal, o juiz jogou à mesa um exemplar do ´CPC Comentado´, com uma sugestão em altos decibéis: ´Leia o Código, Doutora´. Em gesto igual, devolvi-lhe o livro e retruquei no mesmo alto tom de voz: “Leia você o CPC e a CLT, pois quando você entrou na faculdade, eu já andava por aqui, há anos”. O texto é da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937).

Charge de Gerson Kauer

Atenção Excelências, celulares gravando!

 

Atenção Excelências, celulares gravando!

Os dez advogados da banca estavam aborrecidos com a juizite a que ficavam expostos na vara do Trabalho presidida pelo “Doutor Guerreiro”. Reuniram-se, então, para definir a estratégia necessária à preocupante audiência, no dia seguinte, da ação de uma ex-gerente de loja contra a grande rede de expressão nacional. Resolveram gravar as falas do magistrado. Virou um caso!