Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019.

Condenação de escritório de advocacia por descumprimento de contrato de estágio



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

A extrapolação da carga horária ajustada no termo de compromisso de estágio importa na nulidade do contrato de estágio firmado, daí decorrendo o reconhecimento do vínculo de emprego.

A decisão é da 8ª Turma do TRT-4 (RS), reconhecendo todos os direitos trabalhistas ao bacharel Ricardo Fernandes Costa (27 de idade atual), a serem pagos pelo escritório Carpena Advogados Associados. Neste pontificam 30 profissionais de primeira linha.

É que o art. 10 da Lei Federal nº 11.788/2008 dispõe que, no caso de estudantes do ensino superior, “a jornada de atividade em estágio deve ser compatível com as atividades escolares e não ultrapassar seis horas diárias, e trinta horas semanais”.

O contrato firmado entre o estagiário e a banca advocatícia previa, tim-tim por tim-tim, tal como a lei dispõe. Mas na prática – segundo a prova testemunhal – o estagiário cumpria jornadas habituais extrapoladas, das 8h30 às 20h., de segunda a sexta, às vezes avançando na madrugada. Tinha uma hora de intervalo para o almoço.

Ponto crucial que definiu a procedência da ação trabalhista foi que o escritório não exibiu os registros de ponto, a que estava obrigado.

Para o relator, desembargador Luiz Alberto de Vargas, a conjunção revela que “apesar de formalmente regular a relação, o reclamante, na condição de estagiário, cumpria jornada acima daquela efetivamente contratada”.

O acórdão concluiu que “a extrapolação da carga horária ajustada no termo de compromisso de estágio, em desacordo ao previsto no art. 10, § 2°, da Lei n° 11.788/2008, importa na nulidade do contrato de estágio firmado e o reconhecimento do vínculo de emprego”.

Assim, o autor - que tivera resultado de improcedência aos seus pedidos (sentença da juíza Luisa Rumi Steinbruch) – teve seu recurso ordinário provido. Não há trânsito em julgado – mas o precedente regional (RS) está criado.

Detalhe jornalístico: não aprovado no Exame de Ordem para receber inscrição como advogado, o já hoje bacharel desistiu da profissão advocatícia e ingressou no mercado calçadista, como empresário.

Em nome do autor da ação atuam os advogados Rodrigo Azambuja Ries Guedes e Jacqueline Azambuja Ries.(Proc. nº 0021598-89.2015.5.04.0020).

Contraponto

O advogado Marcio Louzada Carpena, titular do escritório reclamado, assim respondeu à solicitação do Espaço Vital para que se manifestasse:

“Considerando que a ação está em curso, a sociedade Carpena Advogados Associados opta por manifestar-se apenas nos autos do processo, uma vez que não há trânsito em julgado da decisão proferida pelo TRT da 4ª Região. Não obstante isso, salienta que sempre procurou observar as disposições da Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008, tendo em vista que o estágio é um importante instrumento de preparação para o exercício da profissão, na medida em que proporciona as condições para alinhar os conhecimentos teóricos e práticos”. 

Leia a íntegra da sentença > improcedência da ação.

Leia a íntegra do acórdão > provimento ao recurso ordinário.


Comentários

Afonso Mossry Sperb - Servidor Público 27.06.18 | 19:13:50

Onde anda a OAB para defender a dignidade dos estagiários? Ou quando são explorados pelos colegas não tem problema?...

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Raphael G. Faria

   Grande cadeia de lojas enganava seus clientes

 

Grande cadeia de lojas enganava seus clientes

A Via Varejo S.A. (grupo que inclui Casas Bahia e Ponto Frio) exigia que os vendedores praticassem o “Embutec”: a inclusão, no preço do produto, de garantia estendida, seguro em caso de desemprego e seguro de vida, mesmo que o consumidor não quisesse.

Arte de Camila Adamoli

TST reconhece relação de emprego entre “advogado associado” e dois escritórios de Porto Alegre

 

TST reconhece relação de emprego entre “advogado associado” e dois escritórios de Porto Alegre

Julgado superior avaliou que “o contrato de associação firmado serviu de mero instrumento formal para mascarar uma relação de emprego”.  Decisão envolve seis anos e quatro meses, determinando o pagamento de horas extras além da 40ª semanal, 13º salário, aviso prévio, férias e depósitos do FGTS. Condenação fica próxima de R$ 200 mil.