Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019.

As secretárias fazendo audiências e a juíza auferindo vantagens indevidas



A ministra Rosa Weber, do STF, negou seguimento ao mandado de segurança no qual a juíza estadual Myriam Therezinha Simen Rangel Cury, do Rio de Janeiro buscava anular decisão do Conselho Nacional de Justiça que determinou a instauração de processo administrativo disciplinar (PAD) contra ela.

Ao analisar pedido de revisão contra o arquivamento, pelo TJ-RJ, da representação contra a magistrada – que fora formulada pela OAB-RJ, o CNJ anulou o ato e determinou a instauração de PAD. O processo busca averiguar possíveis irregularidades cometidas pela juíza por delegar a condução de audiências de instrução e julgamento na Vara Única de Guapimirin (RJ) às suas secretárias.

Na impetração, a juíza Myriam Therezinha Simen Rangel Cury alegou, entre outros pontos, a inviabilidade da revisão disciplinar no caso e a ocorrência da prescrição da pretensão punitiva disciplinar, nos termos da Resolução nº 135/2011 do CNJ.

Segundo a ministra Rosa Weber, o CNJ entendeu que o TJ-RJ, ao arquivar a representação, contrariou a lei e a evidência dos autos quando recusou validade probatória a gravação ambiental feita por um dos interlocutores. No caso, um profissional da imprensa capturou vídeo, na repartição pública, sem conhecimento dos demais interlocutores. Esse vídeo poderia demonstrar a violação de dever funcional atribuída à juíza.

A ministra relatora também considerou a pertinência da avaliação feita pelo corregedor nacional de justiça, João Otávio Noronha, ao expressar os indícios de desvios funcionais imputados à magistrada no crime previsto no art. 328, parágrafo único, do Código Penal.

Veio à baila, então, o argumento de que, “ao delegar às secretárias função para qual foi devidamente investida, qual seja realização de audiências, além de usurpar o exercício de função pública, a juíza também aufere vantagens indevidas, na medida que remunerada para exercer as referidas atividades”.

O CNJ já havia afirmado a licitude de gravação feita por jornalista profissional, mostrando as secretárias presidindo audiências, justo no recinto forense que é “repartição pública, onde vigora o princípio da publicidade”. (MS nº 35732 – com informações do STF e da redação do Espaço Vital).

Leia a íntegra da decisão no mandado de segurança


Comentários

David José Soares Fares - Advogado 28.06.18 | 15:37:41

Tive a grata satisfação de advogar onde essa juíza atuou (comarcas de Guapimirim/RJ, Magé/RJ e Vila Inhomirim/RJ). Trata-se de excelente e tranquila pessoa. Além de competente e equilibrada, sempre presidiu as audiências de forma invejável, transmitindo equilíbrio e paz a todos os envolvidos. É receptiva como juíza e sempre tratou muito bem os advogados que a ela se dirigiam para eventual despacho. Sinceramente, essa magistrada não merecia estar passando por esse constrangimento. 

Elaine Harzheim Macedo - Advogada 27.06.18 | 12:16:59
Morro e não vejo tudo!
Eliel Valesio Karkles - Advogado 26.06.18 | 10:28:16

Algo mais que COMUM. Corriqueiro, usual, lamentável e vexatório.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Ponto eletrônico para magistrados

Advogado, autor de pedido de providências no CNJ, quer solução cidadã contra juízes e desembargadores que adotam o “regime T-Q-Q”. Este compreende trabalho só às terças, quartas e quintas-feiras.

PJe vai incorporar sistema de penhora on-line

Vários procedimentos do Bacenjud - que atualmente são realizados em meio manual e demandam várias etapas - poderão ser sistematizados e acionados por uma plataforma única e de acesso fácil para magistrados e tribunais.

Babaquice tupiniquim

TRF da 2ª Região também exige paletós e gravatas, em nome do “decoro e respeito ao Poder Judiciário”. E a vice-presidente da OAB carioca, casada com o presidente da corte federal ironiza: “Hoje ele vai dormir na portaria”.