Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.

OAB anuncia o Registro Nacional de Violações de Prerrogativas



Arte de Camila Adamoli sobre caricatura da Gazeta do Povo (PR)

Imagem da Matéria

Após ter seu regulamento aprovado na sessão da última terça-feira (26), do Conselho Federal da OAB, o Registro Nacional de Violações de Prerrogativas (RNVP) foi publicado na sexta-feira passada (29) no Diário Oficial da União.

Trata-se de iniciativa que se destina à eventual suscitação de inidoneidade moral de (ex) agentes públicos, “baseada na violação grave ou reiterada das prerrogativas da advocacia”, das quais tenha resultado o deferimento de desagravo(s) público(s).

Em 2010, ao assumir como corregedora nacional de justiça, no CNJ, a então ministra Eliana Calmon, atualmente aposentada, disse – em entrevista repercutida pelo Espaço Vital – “ser necessário ter práticas humildes dentro do Judiciário, acabando-se com essa doença que é a juizite".

O RNVP será consultado pelos Conselhos Seccionais por ocasião da análise dos pedidos de inscrição para ingresso ou reingresso na advocacia, visando à possível suscitação de inidoneidade moral. Os registros serão feitos a partir de 29 de agosto próximo, sendo de exclusiva responsabilidade dos Conselhos Seccionais em que tenha tramitado o processo de desagravo público. O Conselho Federal fará os registros relativos às eventuais reformas das decisões concessivas.

Os registros sobre desagravos públicos deferidos anteriormente a 26 de junho de 2018 serão inseridos no RNVP, conforme a disponibilidade das informações armazenadas nos Conselhos Seccionais e no Conselho Federal da OAB.

Para o presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, a atualização frequente e a unificação dos dados que comporão o RNVP “vão balizar de modo fidedigno as decisões das seccionais estaduais e do Conselho Federal da Ordem, acerca das ações que causaram desrespeito ao livre exercício profissional da advocacia”.

ÍNTEGRA DO PROVIMENTO nº 179/2018

Institui e regulamenta o Registro Nacional de Violações de Prerrogativas, no âmbito da Ordem dos Advogados do Brasil.

O CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 54, V, da Lei n. 8.906, de 4 de julho de 1994 - Estatuto da Advocacia e da OAB, e considerando o decidido nos autos da Proposição n. 49.0000.2017.008887-1/COP,

RESOLVE:

Art. 1° - Fica instituído o Registro Nacional de Violações de Prerrogativas - RNVP, composto pelas informações disponíveis no Sistema OAB, tanto no âmbito dos Conselhos Seccionais quanto do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.

Art. 2° - O RNVP será consultado pelos Conselhos Seccionais por ocasião da análise dos pedidos de inscrição, visando à possível suscitação de inidoneidade moral baseada na violação grave ou reiterada das prerrogativas da advocacia decorrente do deferimento do desagravo público previsto nos arts. 18 e 19 do Regulamento Geral da Lei n. 8.906, de 1994 (Estatuto da Advocacia e da OAB).

Parágrafo único - A suscitação de inidoneidade prevista no caput ficará sujeita ao contraditório e à ampla defesa no momento do requerimento da inscrição, cabendo em cada caso a análise e julgamento sobre a sua existência.

Art. 3° - O RNVP será mantido pelo Conselho Federal da OAB e alimentado automaticamente, por via eletrônica, por este e pelos Conselhos Seccionais.

Art. 4° - Após o deferimento do desagravo público, o Conselho Seccional competente, ou o Conselho Federal, quando se tratar de processo originário, inserirá as seguintes informações no RNVP, entre outras disponíveis:

I - a identificação do agravante;

II - o número do processo de desgravo público e a data da decisão de sua concessão;

III - breve descrição dos fatos que motivaram a concessão do desagravo público;

IV - após a realização do desagravo, a data e o local, bem como a nota correspondente.

Art. 5° - As informações de que trata esta Resolução somente serão disponibilizadas aos operadores do Sistema OAB, mediante autorização formal e senha de acesso pessoal.

Parágrafo único - O sistema informatizado de gerenciamento do RNVP armazenará o histórico de dados de acesso a cada informação nele contida, no mínimo quanto:

I - à identificação do usuário;

II - à data e horário da operação.

Art. 6° - São objetivos do Registro:

I - Gerar certidão de informações a ser juntada, obrigatoriamente, aos processos de inscrição em trâmite, visando à sua instrução;

II - Possibilitar o estudo das informações registradas, visando à avaliação de políticas preventivas pelas Comissões de Defesa das Prerrogativas e Valorização da Advocacia e pelas Procuradorias de Defesa das Prerrogativas;

III - Gerar dados estatísticos relacionados com as defesas das prerrogativas profissionais.

Art. 7º - As informações inseridas no RNVP são de exclusiva responsabilidade dos Conselhos Seccionais em que tenha tramitado o processo de desagravo público, que devem mantê-las constantemente atualizadas, ressalvada a responsabilidade do Conselho Federal, no tocante aos dados por ele introduzidos, inclusive no tocante às eventuais reformas das decisões concessivas.

Parágrafo único - O Conselho Federal prestará assistência técnica aos Conselhos Seccionais, visando à implantação do sistema, na medida de suas possibilidades e mediante solicitação.

Art. 8° - Os registros relativos a desagravos públicos deferidos anteriormente à edição da presente Resolução serão inseridos no RNVP, na medida da disponibilidade das informações armazenadas nos Conselhos Seccionais e no Conselho Federal da OAB.

Art. 9° - Este Provimento entra em vigor 60 (sessenta) dias após a data da sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Brasília, 26 de junho de 2018.


Comentários

Francisco R. Joachim - Advogado 03.07.18 | 13:04:19

Só dou um palpite: acho que essa iniciativa da OAB vai sacudir gabinete(s) no Foro de Canoas (RS).

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Lucas Pfeuffer - OAB/RS

A Situação ganhou de novo!

 

A Situação ganhou de novo!

O grupo OABMais que, em 2007 assumiu pela primeira vez a OAB gaúcha, ficará no poder por mais três anos, a partir de 1º de janeiro próximo, em função da expressiva vitória de Ricardo Breier sobre os oposicionistas Paulo Petri da Silva e Paulo Peretti Torelly.