Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 22 de março de 2019.

Assédio em transporte escolar



A 8ª Câmara Cível do TJRS confirmou a sentença que afastou um motorista de transporte escolar. O motivo foram denúncias de assédio sexual, por agir de forma inconveniente, constrangendo crianças e adolescentes no trajeto entre a casa e a escola.

O Ministério Público ajuizou, em 8 de agosto de 2014, ação civil pública contra o Município de Catuípe para afastar o réu da função de motorista de transporte escolar e remanejá-lo para outra função.

A juíza da Vara Judicial da Comarca de Catuípe, Rosmeri Oesterreich Krüger, baseou-se nos depoimentos das alunas. Uma delas afirmou que “o motorista passava a mão na sua perna” e havia pedido para falar com ela em particular. Segundo os relatos, o réu “dava batidinhas nas nádegas de uma das meninas”.

O Município contestou a acusação e disse “serem inverídicos os relatos da adolescente ouvida pelo Ministério Público”. Porém, mudou o motorista de itinerário e depois transferiu o servidor para outra secretaria.

Na sentença, a julgadora determinou que o motorista fosse afastado da função de motorista de transporte escolar e remanejado para outra atividade que não tivesse contato com crianças e adolescentes, sob pena de multa.

Não houve recurso do Município de Catuípe. O caso foi encaminhado ao TJRS em razão do reexame necessário, por envolver direito da criança e do adolescente.

Detalhe revelador da demora na prestação jurisdicional criminal: instaurado procedimento para averiguação penal dos fatos ocorridos em fevereiro de 2014, foi afinal proferido julgamento restando extinta a punibilidade em razão da prescrição. O julgamento, no caso, foi da Turma Recursal Criminal, em fevereiro de 2017.

O relator do processo cível, desembargador José Antônio Daltoé Cezar, afirmou que “a prova deixou evidente a necessidade de afastamento do servidor da função de motorista de transporte escolar, já que demonstrada a inadequação da sua conduta lasciva em relação às adolescentes, passageiras do transporte público”.

O acórdão também afirma que “constranger crianças/adolescentes usuários de transporte escolar, agindo de forma inconveniente no trajeto entre suas casas e a escola, é passível configuração de assédio sexual”. (Proc. nº 70075954719).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Empresas de ônibus, respeitem os idosos!

Caso gaúcho, com repercussão nacional. O STJ confirma decisão do TRF-4 em ação civil pública contra a União e a ANTT. As taxas de pedágio e utilização de terminais rodoviários estão inclusas na gratuidade das vagas asseguradas aos idosos nos ônibus interestaduais.

CCJ da Câmara será comandada pelo filho de “Rambo Curitibano”

O paranaense Felipe Francischini, 27 de idade, chega à mais importante comissão da Câmara Federal, com pouca prática jurídica no currículo. Mas tem o aval político de seu pai, o delegado de polícia e deputado estadual Fernando Francischini, autor da prisão de Fernandinho Beira-Mar.

Arte de Gerson Kauer

Representatividade feminina: da advocacia à magistratura

 

Representatividade feminina: da advocacia à magistratura

A estimativa do Conselho Federal da OAB é de que em 2023 já existirão, em todo o Brasil, mais mulheres advogadas do que homens. Presidente da AMP-RS, promotora Martha Beltrame, diz que “a trajetória da mulher no mercado de trabalho tem mais desafios”. Juíza Marcia Kern recorda anterior resistência às decisões dela, “simplesmente por eu ser mulher”. E Adriana Hervê Chaves Barcellos, corregedora da Defensoria Pública, lamenta: “Encontramos promotores que nos subestimam por sermos mulheres