Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.

Suspensão de execuções trabalhistas contra empresas que estão sob falência



Duas empresas em processo de falência tiveram pedidos de liminar deferidos pela presidente do STJ, Laurita Vaz, para que sejam suspensas execuções em curso na Justiça do Trabalho. A ministra designou o juízo universal de falência e recuperação judicial para decidir, provisoriamente, sobre as medidas urgentes que envolvam o patrimônio das empresas.

Os pedidos foram feitos em conflitos de competência – suscitados pelas empresas LAM Operadora de Planos de Saúde e Administradora Brasileira de Assistência Médica. Elas discutem bloqueios de valores realizados em ações trabalhistas que tramitam em varas especializadas de São Paulo e de Minas Gerais.

Para as empresas, após a decretação de falência, cabe ao juízo universal as decisões sobre eventual constrição de créditos pertencentes à massa falida.

O STJ possui entendimento consolidado de que os atos de execução dos créditos individuais, promovidos contra empresas em falência ou em recuperação, devem estar a cargo do juízo universal, ainda que ultrapassado o prazo de 180 dias de suspensão previsto no artigo 6º da Lei de Falências e Recuperação Judicial. (Conflitos de competência nºs 159482 e 158129).

 


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto Zarpo Magazine

   Entidade com ações no STF e STJ patrocina presença de ministros em resort

 

Entidade com ações no STF e STJ patrocina presença de ministros em resort

Evento “Direito Marítimo na Visão dos Tribunais” foi realizado no Ferradura Resort (foto), em Búzios (RJ). O Conselho Nacional de Praticagem, tem como um de seus defensores o advogado Rodrigo Fux, filho do ministro do STF Luiz Fux. Entidade organizadora afirma que “os palestrantes foram escolhidos com independência técnica” e têm “atuação no contencioso judicial".