Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.

Pensão alimentícia de ministro do STF



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O Tite tinha recém anunciado a convocação oficial dos atletas da seleção canarinho, quando cartolas da CBF, no Rio, foram informados por uma das “rádios-corredores forenses” deste grande Brasil: “Atenção, pessoal: o juiz Pacheco deferiu liminar obrigando o promissor craque ´Fulano´ a pensionar sua filhinha de quatro anos. A grana é alta!”.

Dois detalhes chamaram a atenção na decisão inicial. Primeiro: a fixação dos alimentos, mensais, em R$ 37.476,93 - textualmente comparado como “o valor do maior subsídio pago a um ministro do STF”.

Segundo: o arresto de R$ 224 mil, no Brasil, em ativos financeiros do demandado, “valor equivalente a seis meses de pensão, bloqueio apto a cientificar o requerido sobre a ação, mesmo estando ele no exterior”.

O temor na CBF era o de que o craque fosse citado na concentração em Sochi ou no vestiário - antes ou depois de uma das partidas na Rússia - e que os ricochetes da carta rogatória repercutissem no ânimo do grupo.

O Jurídico da CBF pôs em ação um advogado de idônea atuação no foro da ação. Assim, o Doutor Freitas apresentou poderes para receber a citação inicial. E na contestação logo afirmou que a argentária mãe “omitiu que, em precedente ação, foi o requerido excluído da paternidade”. Tudo devidamente documentado. E por aí...

Via agravo, o caso chegou ao tribunal, onde a câmara desde logo enfrentou as condições da ação. Concluiu então pela “extinção da ação de alimentos, sem resolução do mérito, em razão da precedente ocorrência da coisa julgada”. E não houve mais recursos processuais.

O craque réu passou os cinco jogos sentado no banco, à beira do gramado, sem vitrine. Mas – bom para ele – deixou a Rússia com a notícia de sua brasileira vitória judicial, e ileso a imaginados ataques jurisdicionais num outro banco – aquele que faz frequente propaganda na tevê e onde há polpudos saldos.

Entre os demais 24 companheiros de grupo, o futebolista chegou até a ganhar um insinuante apelido: “Colega Ministro”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Páginas da vida com segredo de justiça

 

Páginas da vida com segredo de justiça

O réu de uma ação penal por assalto é universitário, com matrícula trancada por falta de dinheiro para as mensalidades. Chegara a trabalhar como auxiliar contábil. Mas desempregou-se em decorrência do fechamento de uma indústria. A “primeira vez” dele como assaltante terminou sendo a redenção para que, dando a volta por cima, voltasse à faculdade e concluísse o curso de Direito.

Charge de Gerson Kauer

Para medir o tamanho ´daquilo´...

 

Para medir o tamanho ´daquilo´...

Treze de agosto de 2018, hoje está fazendo um ano. A frustração do consumidor que - após encomendar na internet, e pagar por um aparelho que o tornaria “um amante imbatível” - recebeu uma enorme e maldosa lupa. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

“Quero comer filé”

 

“Quero comer filé”

Na audiência de uma ação de divórcio, a surpreendente mudança de decisão do homem: “Estou velho, não vou conseguir mais uma companheira como ela. Prefiro comer filé com os outros do que carne de pescoço sozinho”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A sátira embutida

 

A sátira embutida

Na oitava folha da apelação de 12 laudas, o advogado - inconformado com a superficialidade da prestação jurisdicional – digitou um recado: “Como somos tratados como pamonhas, é pertinente informar que uma gostosa receita da famosa iguaria oriunda do milho verde está disponível na internet”.

Charge de Gerson Kauer

Vá ler o CPC, doutora!

 

Vá ler o CPC, doutora!

“Após extravasamento verbal, o juiz jogou à mesa um exemplar do ´CPC Comentado´, com uma sugestão em altos decibéis: ´Leia o Código, Doutora´. Em gesto igual, devolvi-lhe o livro e retruquei no mesmo alto tom de voz: “Leia você o CPC e a CLT, pois quando você entrou na faculdade, eu já andava por aqui, há anos”. O texto é da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937).