Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.

Homem incendeia automóvel, achando que era o da esposa em motel



Portal da Feira (Itumbiara)

Imagem da Matéria

Os bombeiros acorreram sem demora, apagando as chamas que já tinham consumido quase todo o veículo

Um homem confundiu um automóvel Voyage - que estava em frente a um motel – como sendo o da esposa e o destruiu, na cidade de Itumbiara (GO). De acordo com a Polícia Militar, o desconfiado chegou a deixar um bilhete com a número de telefone na recepção do estabelecimento, com a observação de que “ela e o amante que resolvam a situação”.

Segundo informações do ‘G1 Goiás’, a PM informou que a mulher estava dentro do motel com um acompanhante, na noite de terça-feira passada (10), e foi informada que o seu veículo estava pegando fogo. Em depoimento, a funcionária do motel contou que o homem confundiu o carro que estava do lado de fora com o da sua esposa.

O homem - que quebrou o para-brisa e colocou fogo no carro - disse que vai arcar com os prejuízos. Junto com o advogado, ele, que explicou que estava alcoolizado, já entrou em contato com a vítima.

A mulher confundida pelo acusado, que estava no motel, informou que o carro pertencia à mãe dela e que não conhece o homem que colocou fogo no carro.

Ainda que pague os prejuízos decorrentes de sua atrapalhada ação, o homem não escapará da ação penal pública decorrente do crime de incêndio provocado. O inquérito já foi aberto ontem na delegacia de polícia local.

Código Penal - Decreto Lei nº 2.848 de 07 de Dezembro de 1940

Art. 250 - Causar incêndio, expondo a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio de outrem:

Pena - reclusão, de três a seis anos, e multa.

Aumento de pena:

§ 1º - As penas aumentam-se de um terço:

I - se o crime é cometido com intuito de obter vantagem pecuniária em proveito próprio ou alheio;

II - se o incêndio é:

a) em casa habitada ou destinada a habitação;

b) em edifício público ou destinado a uso público ou a obra de assistência social ou de cultura;

c) em embarcação, aeronave, comboio ou veículo de transporte coletivo;

d) em estação ferroviária ou aeródromo;

e) em estaleiro, fábrica ou oficina;

f) em depósito de explosivo, combustível ou inflamável;

g) em poço petrolífico ou galeria de mineração;

h) em lavoura, pastagem, mata ou floresta.

Incêndio culposo

§ 2º - Se culposo o incêndio, é pena de detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos.

Fim do casamento 

Segundo informou, ontem (16), o advogado Guilherme Carneiro, que defende o incendiário, “o casal vai se separar após o episódio, considerado o estopim para dar início ao processo de divórcio consensual, após outros desentendimentos entre marido e mulher”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte EV

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

 

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

Desembargadora Sérgia Maria Mendonça Miranda vira ré em investigação sobre esquema de venda de habeas corpus no Tribunal de Justiça do Ceará. Também são acusados oito advogados, três dos quais estão suspensos preventivamente pela OAB cearense

STF julga hoje novo habeas corpus de Lula

A defesa argumenta que Moro é inimigo do ex-presidente e não tinha isenção para julgá-lo, tanto que virou futuro ministro do governo Bolsonaro. A PGR rebate que “a decisão de tornar-se ministro é estritamente pessoal, e a motivação do ex-magistrado em aceitar tal convite não interessa aos autos"

Quase 200 anos de prisão!

Juiz Marcelo Bretas condena Sérgio Cabral a mais 14 anos de prisão, por lavagem de R$ 15 milhões. Total das penas chega a 197 anos e 9 meses.

Mais uma denúncia contra Lula: suposta lavagem de R$ 1 milhão

Ele teria influenciado decisões de Teodoro Obiang, presidente da Guiné Equatorial, para a contratação do grupo brasileiro ARG. Um e-mail apreendido afirma que a empresa estava disposta a fazer “uma contribuição financeira bastante importante” ao Instituto Lula. O dinheiro foi contabilizado como doação.