Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.

Juízes condenados por homicídio e corrupção perdem os cargos



O Tribunal de Justiça de São Paulo determinou, na terça-feira (17), a perda do cargo dos juízes Fernando Sebastião Gomes e Marcos Antonio Tavares. Eles foram julgados e condenados criminalmente pela Justiça paulista por corrupção passiva e homicídio, respectivamente.

As decisões foram confirmadas pelas instâncias superiores, após diversos recursos. Com o trânsito em julgado das ações, comunicado recentemente pelo STF, foi determinada a perda dos cargos, com a cessação dos pagamentos administrativos, incluindo a aposentadoria.

Detalhes do homicídio

Marcos Antonio Tavares foi condenado por matar a mulher, a professora Marlene Aparecida Moraes. Em 2002, ele foi condenado a 13 anos e 6 meses de prisão e à perda do cargo público. Passou então a cumprir a pena em regime fechado.

O ex-juiz nega a autoria do crime.

O Ministério Público sustentou que, quando o corpo foi encontrado, em 22 de agosto de 1997, em uma estrada entre Taubaté e Campos do Jordão, o juiz disse à polícia que não era a mulher dele, mesmo antes de fazer o reconhecimento. A família foi até o local, e a irmã de Marlene reconheceu uma joia que ela tinha ganhado aos 15 anos de idade.

O exame de DNA nada concluiu, porque o corpo estava em estado de putrefação, o que dificultou a análise do material genético. Entretanto, o corpo foi reconhecido após exame de arcada dentária pelo dentista da família.

Inicialmente, Tavares conseguiu manter a aposentadoria, alegando invalidez. Mas depois o Conselho Nacional de Justiça cassou a decisão, afirmando que a perícia médica demonstrou que ele teria capacidade de trabalhar.

Detalhes da corrupção

O juiz Fernando Sebastião Gomes foi condenado por exigir vantagem indevida no valor de US$ 600 mil para não decretar a falência da SID Informática, empresa que foi controlada pelo grupo Sharp. De ofício, o magistrado reformou a decisão e deferiu o pedido de concordata preventiva da SID Informática.

De acordo com o Ministério Público, Gomes infringiu seu dever legal e funcional de ouvir o MP como determinava o artigo 144 do Decreto-Lei nº 7.661/45.

De acordo com o MP, o magistrado passou por cima do dever funcional de determinar à empresa a prévia apresentação do plano de recuperação e de respeitar a preferência dos credores na nomeação do comissário. (Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-SP).


Comentários

Luiz Felipe Lima De Magalhães - Advogado 21.07.18 | 15:43:46
Estes ex-magistrados não entraram pelo 5o. Constitucional. As associações de juízes adoram referir a isto, como no caso do Des. Favreto.
Eliel Valesio Karkles - Advogado 20.07.18 | 10:28:12

Qualquer juiz, desembargador, ministro, procurador, etc, em casos de CORRUPÇÃO / CRIME tem que ser exonerado do Poder Público e perder a sua aposentadoria (mesmo se tiver tempo para tal). Aposentar um corrupto/criminoso (mesmo com vencimentos proporcionais) não é uma pena, é um PRÊMIO. Isso é imoral, é uma vergonha. Só no Brasil que você pega o criminoso e... aposenta ele. Lastimável!
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte EV

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

 

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

Desembargadora Sérgia Maria Mendonça Miranda vira ré em investigação sobre esquema de venda de habeas corpus no Tribunal de Justiça do Ceará. Também são acusados oito advogados, três dos quais estão suspensos preventivamente pela OAB cearense

STF julga hoje novo habeas corpus de Lula

A defesa argumenta que Moro é inimigo do ex-presidente e não tinha isenção para julgá-lo, tanto que virou futuro ministro do governo Bolsonaro. A PGR rebate que “a decisão de tornar-se ministro é estritamente pessoal, e a motivação do ex-magistrado em aceitar tal convite não interessa aos autos"

Quase 200 anos de prisão!

Juiz Marcelo Bretas condena Sérgio Cabral a mais 14 anos de prisão, por lavagem de R$ 15 milhões. Total das penas chega a 197 anos e 9 meses.

Mais uma denúncia contra Lula: suposta lavagem de R$ 1 milhão

Ele teria influenciado decisões de Teodoro Obiang, presidente da Guiné Equatorial, para a contratação do grupo brasileiro ARG. Um e-mail apreendido afirma que a empresa estava disposta a fazer “uma contribuição financeira bastante importante” ao Instituto Lula. O dinheiro foi contabilizado como doação.