Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.

´Paga o churrasco ou vai preso!´



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Carlos Alberto Bencke, advogado (OAB-RS nº 7.968)

Ser missioneiro no Rio Grande do Sul é mais ou menos como ser gaúcho no Brasil: sirvam nossas façanhas de modelo. E este fato se desenrolou em uma importante cidade das Missões, aliás, a mais importante dentro deste que poderemos chamar de um Estado dentro do Rio Grande.

Dois torcedores fanáticos por Grêmio e Internacional eram, também, cônsules naquela cidade. Eram os melhores amigos um do outro, apesar desta abissal diferença. Viviam às turras quando se tratava de futebol e sempre apostavam isto ou aquilo nos clássicos Gre-Nais.

Na década de 1970, depois dos 12 títulos do Grêmio em 13 anos, começou o domínio vermelho em títulos, inclusive brasileiros, até que em 1977 Hélio Dourado e Telê Santana formaram um time gremista que viria a ser campeão gaúcho e até beliscou o nacional daquele ano.

A fórmula do campeonato gaúcho era complicada, mas num dos Gre-Nais decisivos bastava um empate para o Inter entrar com grande vantagem para os jogos finais. Foi o famoso clássico apitado pelo melhor árbitro da época, Agomar Martins, que, num determinado momento – bem no finzinho – marcou uma falta contra o Grêmio e todos pensavam que seria dentro na área.

Foi aí, inclusive, que o famoso árbitro levou um peitaço do grande capitão tricolor, Oberdan, mas os personagens juram que foi um choque natural.

Sem árbitro de vídeo, sem câmeras por todo lado e sem comunicação por rádio, a dúvida permaneceu, mas Agomar marcou fora da área, atendendo uma mímica feita pelo bandeirinha dizendo que não fora dentro da área. Grêmio vencedor do clássico por 2 a 1 (depois viria ser campeão gaúcho de 1977).

Os dois ferrenhos adversários e grandes amigos haviam apostado um churrasco para tantas e tantas pessoas, todos também muito amigos. No entanto, diante do impasse do jogo – pênalti ou não – o perdedor colorado sentenciou: “Não pago, fomos roubados”.

Entre os convidados estava um dos juízes de direito da comarca que, mesmo sendo torcedor do Inter, resolveu tomar severa providência e expediu mandado judicial para que o oficial de justiça intimasse o cônsul colorado a comparecer na sala de audiências às tais horas do dia “x”, sem especificar porque o convocara, mas, para se prevenir, deveria estar acompanhado de advogado.

Compareceu o indigitado perdedor e, depois de um chá de banco interminável, sentou-se no banco dos réus, com a presença do Ministério Público e até de um atento e silencioso brigadiano encarregado da segurança.

Foi severamente comunicado pelo juiz que aquela audiência estava tratando de um caso muito grave. Após as advertências de lei e de praxe, com o réu lívido de medo, o magistrado, circunspecto, concluiu: “O senhor está em dívida com seu melhor amigo e se não pagar esta conta será execrado por seus amigos e pela comunidade jurídica em geral”.

E bateu o martelo, encerrando a audiência, para alivio do devedor. Todos os amigos que estavam escondidos numa outra dependência do fórum ingressaram na sala de audiências e, às gargalhadas, marcaram o churrasco para o dia posterior.

O juiz, naturalmente, estava lá.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Páginas da vida com segredo de justiça

 

Páginas da vida com segredo de justiça

O réu de uma ação penal por assalto é universitário, com matrícula trancada por falta de dinheiro para as mensalidades. Chegara a trabalhar como auxiliar contábil. Mas desempregou-se em decorrência do fechamento de uma indústria. A “primeira vez” dele como assaltante terminou sendo a redenção para que, dando a volta por cima, voltasse à faculdade e concluísse o curso de Direito.

Charge de Gerson Kauer

Para medir o tamanho ´daquilo´...

 

Para medir o tamanho ´daquilo´...

Treze de agosto de 2018, hoje está fazendo um ano. A frustração do consumidor que - após encomendar na internet, e pagar por um aparelho que o tornaria “um amante imbatível” - recebeu uma enorme e maldosa lupa. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

“Quero comer filé”

 

“Quero comer filé”

Na audiência de uma ação de divórcio, a surpreendente mudança de decisão do homem: “Estou velho, não vou conseguir mais uma companheira como ela. Prefiro comer filé com os outros do que carne de pescoço sozinho”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A sátira embutida

 

A sátira embutida

Na oitava folha da apelação de 12 laudas, o advogado - inconformado com a superficialidade da prestação jurisdicional – digitou um recado: “Como somos tratados como pamonhas, é pertinente informar que uma gostosa receita da famosa iguaria oriunda do milho verde está disponível na internet”.

Charge de Gerson Kauer

Vá ler o CPC, doutora!

 

Vá ler o CPC, doutora!

“Após extravasamento verbal, o juiz jogou à mesa um exemplar do ´CPC Comentado´, com uma sugestão em altos decibéis: ´Leia o Código, Doutora´. Em gesto igual, devolvi-lhe o livro e retruquei no mesmo alto tom de voz: “Leia você o CPC e a CLT, pois quando você entrou na faculdade, eu já andava por aqui, há anos”. O texto é da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937).