Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

O despejo do juiz



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A professora estadual prepara, no apartamento residencial, a aula para o turno da tarde. As crianças estão no colégio e o marido no foro, onde exerce a magistratura. De repente, o porteiro avisa pelo interfone:

- Está aqui um oficial de justiça...

A professora logo permite:

- Diga-lhe que suba - acreditando que o visitante estivesse trazendo talvez um malote com processos para o marido.

Introduzido no apartamento, o oficial de justiça fica constrangido e desculpa-se:

- Sei que é desagradável, mas estou aqui para cumprir uma ordem de despejo, por falta de pagamento de aluguéis. Breve estará chegando um caminhão de mudanças. Peço que a senhora facilite o meu trabalho.

A professora quase desaba – pede para olhar o mandado e, atônita, constata:

- Esse mandado está assinado pelo meu marido... deve haver um engano. Nós moramos aqui há quatro anos, o imóvel é de nossa propriedade e sempre pagamos nossas contas em dia.

Feita uma ligação para o cartório judicial, o juiz ouve atônito, sucessivamente, o relato da própria esposa e do oficial de justiça.

Esclarecidas as coisas e suspenso o despejo, o oficial volta ao foro e, na vara, escuta a mesma explicação que o ativo juiz já dera, ao telefone, para a esposa.

Como o magistrado costumasse, ele próprio, digitar seus despachos e decisões, fora vencido pelo estresse e, no final de uma sentença, concluíra: “Isto posto, decreto o imediato despejo do inquilino residente na rua Vasco da Gama nº xxx, apto. yyy. Expeça-se mandado”.

A sentença era justa, jurídica e, como de hábito, reveladora de que o prolator dera pronta prestação jurisdicional. Só que, por equívoco, colocara seu próprio endereço residencial. Era - como até hoje se comenta na vara - “o auto despejo”.

Certificados os fatos e feitas as correções etc., foi expedido novo mandado, dessa vez efetivamente cumprido na rua Cabral nº xxx, apto. yyy.

A coincidência: ambos os endereços - no mesmo bairro - homenageavam vultos pátrios.


Comentários

Roger Antonio Cavichioli - Advogado 31.07.18 | 13:46:51

Só faltou o magistrado ingressar com ação indenizatória contra o Estado...

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Chargista Kauer

A “Menina Veneno”

 

A “Menina Veneno”

Bem vivido, bom de bolso graças à consistente aposentadoria recheada de interessantes penduricalhos, o destacado ex-operador jurídico, viúvo, boa pinta -  se é que isso é possível para um cidadão com 70 de idade -  afinal sai com uma moça escultural, bem malhada, 24 anos.  De comum, entre eles, só o Direito.

Charge de Gerson Kauer

  O enterro da sogra que não morreu

 

O enterro da sogra que não morreu

A inusitada abordagem no plantão judicial forense. Como autorizar o funeral de uma provecta idosa, de aparência taciturna, que – como manifestação de última vontade - deseja ser sepultada no sítio em que reside? O texto é de Dirnei Bock Hendler, servidor judicial estadual (RS)

Charge de Gerson Kauer

A fama do João Grande

 

A fama do João Grande

Era uma ação penal contra um homem que estaria ofendendo e ameaçando a ex-esposa. As desavenças ocorriam porque ela postava, nas redes sociais, que o ex-marido vivia sempre na casa do João Grande, famoso na cidade gaúcha por ser bem-dotado.

Charge de Gerson Kauer

O gaúcho caloteiro

 

O gaúcho caloteiro

A difícil intimação de um fazendeiro, já conhecido no meio forense, como o Senhor Caloteiro. O êxito da diligência só acontece porque, no esconderijo, o devedor é acometido de coceira causada por urtiga.

Charge de Gerson Kauer

   A experiência dos velhinhos

 

A experiência dos velhinhos

Segundo a cartilha do banco, os saques mínimos no atendimento presencial seriam de R$ 200. Saiba como a idosa senhora - mãe de um advogado e avó de um estagiário do tribunal - convenceu o caixa de que ela tinha direito líquido e certo a sacar apenas R$ 50.

Charge de Gerson Kauer

Quando o suposto amor vira negócio

 

Quando o suposto amor vira negócio

O cliente, à hora da saída do motel, acelera o carro, derruba a cancela e se vai em desabalada fuga. Saiba porque, em Juízo, o tresloucado gesto do homem comove o juiz e obtém simpatia do dono do estabelecimento de hospedagem.