Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 07 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

O voto em trânsito: exercício de cidadania



PRIMEIRO PONTO - Com a Reforma Eleitoral de 2015 o voto em trânsito foi ampliado. Originalmente, só era admitido para os cargos de Presidente e Vice-Presidente da República, nas capitais e nos municípios com mais de 200 mil eleitores. Hoje, pode ser também utilizado em municípios com mais de cem mil eleitores, e se o eleitor estiver no Estado de seu domicílio, poderá votar também nos cargos de governador, senador, deputado federal e deputado estadual ou distrital.

Em princípio, o eleitor que está fora do seu domicílio eleitoral pode justificar a sua ausência junto a qualquer local de votação, ou mesmo junto aos Correios, evitando, assim, ser considerado ausente na eleição e sujeitar-se ao pagamento de multa, hipótese em que não fará uso do voto.

Porém, quando se trata de eleições gerais, o eleitor pode requerer para votar fora de seu domicílio eleitoral. Para tanto, ele deve se cadastrar em qualquer cartório eleitoral entre os dias 17 de julho e 23 de agosto, identificando-se e postulando para ser incluído em uma seção eleitoral do local onde pretende estar nas datas da eleição, primeiro ou segundo turno ou em ambos.

O sistema informatizado da urna eletrônica e a localização do eleitor dentro ou fora do Estado permite com facilidade esse duplo tratamento, fortalecendo o exercício de cidadania e o exercício do direito fundamental do voto.

SEGUNDO PONTO - Porém, há restrições. A primeira é o próprio período para fazer o requerimento do voto em trânsito. Tem que ser em tempo hábil para a Justiça Eleitoral se organizar, pois uma urna especial deverá conter os eleitores cadastrados nela inseridos seus dados, para permitir que o eleitor lá compareça no dia do pleito para exercer o seu direito de votar.

A segunda, é o número mínimo de 50 e o máximo de 600 eleitores para a seção especial instalar-se. O número mínimo garante o sigilo do voto e o máximo a segurança do processo de captação de votos. O eleitor, por sua vez, deve estar em dia com suas obrigações eleitorais para solicitar o voto em trânsito e, por certo, não poderá exercê-lo no lugar de origem, pois haverá uma transferência temporal de seus dados para o local do trânsito.

Nas eleições de 2014, mais de 84 mil eleitores se habilitaram para votar em trânsito no primeiro turno e mais de 79 mil para um eventual segundo turno. São Paulo foi o Estado que mais recebeu pedidos para voto em trânsito, seguindo-se Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

O número pode não impactar frente ao total de eleitores – mais de 144 milhões – mas mesmo assim representa dado interessante quanto ao interesse de votar.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

2019: ano difícil para os cursos universitários

“Os cursos de instituições privadas sofrerão impacto direto, com significativa diminuição de vestibulandos e, portanto, de alunos do primeiro ano do ensino superior”.

As calendas gregas na rotina forense

“O recurso especial não será recebido com o efeito suspensivo. E aí, surge do nada, milagrosamente, uma decisão mais ou menos assim: ´Aguarde-se o trânsito em julgado do recurso x ou y . É a pirâmide invertida!

Agora é lei...

“A Lei nº 13.728/18, que agregou ao Estatuto dos JECs o artigo 12-A, dispõe que, na contagem de prazo em dias, estabelecido por lei ou pelo juiz, para a prática de qualquer ato processual, inclusive para a interposição de recursos, computar-se-ão somente os dias úteis”.

Uma virada histórica

Em seu discurso de vitória, Jair Bolsonaro prometeu quebrar paradigmas e fortalecer o federalismo: ´Mais Brasil e menos Brasília´. Se essa promessa for cumprida, seu mandato já se justificará”.

Sobre o voto em branco... ainda !

Qual mensagem o eleitor, que assim vota, estará transmitindo? ´Não escolho nenhum dos candidatos porque rejeito a ambos!´. Ou, ´concordo com qualquer dos candidatos!´...

Pílulas eleitorais

“O povo brasileiro, de um modo geral, se queixa de que são sempre os mesmos políticos a ocupar os cargos eletivos. A pergunta é: quem vota neles?”