Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

A possibilidade da visita íntima de Adriana Ancelmo ao ex-governador Sérgio Cabral



Chargista Nefi

Imagem da Matéria

  Como é que vai ser?

Sérgio Cabral (MDB), ex-governador do Rio de Janeiro, já condenado a mais de 100 anos de prisão, pediu esta semana ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio, que “lhe seja permitido receber visitas íntimas da mulher, a advogada Adriana Ancelmo”.

Pela legislação, ele tem direito a fazer o pedido e, provavelmente, de ser atendido.

Adriana está condenada, em primeiro grau, a 18 anos de reclusão. Mas, como ela cumpre prisão domiciliar, só um enredo jurídico-novelesco poderá definir como, onde, etc. serão os encontros.

Na OAB do Rio o interesse conjugal já gerou gracejos. Como Adriana tem o benefício de ficar em casa - graças a uma natalina decisão de Gilmar Mendes, proferida em 18 de dezembro passado - uma ação de “obrigação de fazer” poderia ser distribuída por dependência ao ministro soltador, para que ele interpretasse as possibilidades

Segundo a “rádio-corredor” da Ordem carioca, “o pedido que, na essência sustentaria o direito ao segredo de justiça e ao sigilo ambiental, conteria três itens: a) Quando? b) Onde? c) Duração?

Longe do Rio, na PUC-RS - em Porto Alegre - surgiu uma pergunta instigante, ontem (9), durante uma aula de Direito de Família.

Foi assim: “E se Adriana não quiser ir, ela poderá ingressar com um habeas corpus preventivo?

Há controvérsias.

  Invalidação de banco de horas

A 5ª Turma do TRT da 4ª Região (RS) invalidou o banco de horas e o regime de compensação semanal aplicado pela General Motors, de Gravataí, no caso de um operador de produção da empresa que prestava horas extras habituais e trabalhava aos sábados.

O julgado também determinou o pagamento de adicional de horas extras quanto às horas irregulares da compensação semanal e o pagamento de horas cheias no caso das constantes do banco de horas.

A decisão confirma sentença da juíza Patrícia Bley Heim, da 1ª Vara do Trabalho de Gravataí. Não há trânsito em julgado.

Na petição inicial, o trabalhador informou ter sido admitido pela empresa em março de 2013 e dispensado em abril de 2015, sem justa causa. Ao ajuizar a ação, dentre outros direitos, alegou que o regime de compensação semanal aplicado pela General Motors era irregular, já que ele trabalhava em alguns sábados e a finalidade da compensação nos dias da semana era justamente suprimir o trabalho nos finais de semana.

No entendimento da desembargadora relatora Angela Rosi Almeida Chapper, a aplicação concomitante do banco de horas e do regime de compensação semanal é possível, desde que sejam respeitadas as regras de cada instituto.

O regime de compensação semanal tem como objetivo evitar o trabalho aos sábados - por isso o empregado trabalha um período a mais nas jornadas diárias durante a semana, para chegar ao limite da jornada semanal permitida por lei. "Por decorrência lógica, a constatação de trabalho nesses dias [sábados] ou a prestação habitual de horas extras invalida o regime", esclareceu o voto.

E a adoção do banco de horas insere-se no arcabouço legal permitido, sendo que as horas de serviço podem ser compensadas em períodos mais amplos, de até um ano após a data em que foram prestadas.

Os advogados Rafael Fett e Jorge Luiz Fett atuam em nome do reclamante. (Proc. nº 0020060-85.2016.5.04.0231).

 Quem sobe!

O desembargador Francisco Rossal de Araújo, do TRT da 4ª Região (RS), foi convocado para atuar na 6ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho, em Brasília, a partir de 4 de setembro. Ele substituirá o ministro Luiz Philippe Vieira de Mello Filho, que estará afastado até 31 de outubro, para atuar na organização do próximo concurso nacional da magistratura.

A decisão foi tomada em sessão plenária do TST ocorrida na quarta-feira (8).

Rossal é natural de Alegrete (RS) e ingressou na magistratura em 27 de setembro de 1990, quando tomou posse como juiz do substituto. Três anos mais tarde assumiu a titularidade da 1ª Vara do Trabalho de Erechim.

 Propaganda enganosa

“Se propaganda enganosa é crime, podendo ser civilmente punida pelo Código do Consumidor, porque existe horário político?”(Pergunta que viralizou, esta semana, nas redes sociais brasileiras).


Comentários

Juarez Onofre Venning - Aposentado 10.08.18 | 14:01:18

A Justiça do Trabalho, na minha modesta opinião deveria ser extinta, pois na realidade ela não julga ações. Na sua maioria, os juízes defendem os reclamantes como se deles fossem advogados que veem que qualquer patrão é explorador, e acham que devem tirar do patrão tudo o que podem e muito mais, mesmo que o reclamante não faça jús. Deveria transferir para a Justiça dos Estados ou para a Federal.

Eliel Valesio Karkles - Advogado 10.08.18 | 10:44:28

Sobre a anulação do banco de horas da GM... Segundo o ex-ministro Delfin Neto, "a Justiça do Trabalho não aplica a lei... Ela FABRICA a lei." Temerário!

Banner publicitário

Mais artigos do autor

A disputa, por três filhas, sobre a destinação do cadáver do pai falecido há seis anos

  Em vida, o falecido teria manifestado, verbalmente, sua disposição de que, após a morte, seu corpo fosse submetido a um processo de congelamento (criogenia – foto acima), nos EUA, para que com a evolução da Ciência, fosse possível descobrir a causa de sua doença.

  A mina da Votorantim próxima ao rio Camaquã e o atropelamento múltiplo de ciclistas: dois “riscos vermelhos” do RS estão no Atlas Global de Justiça Ambiental.

 Unesco certifica a decisão do STF de equiparar a união estável entre pessoas do mesmo sexo à entre casais heterossexuais como “patrimônio documental da humanidade

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.

A juíza federal Gabriela Hardt não toca flauta!

  Vídeo apresentando a magistrada federal da Lava Jato como música amadora é fake!

  Imagens e áudio – de boa qualidade - exibidos em grupos de WhatsApp confundem a magistrada com a flautista Gabriela Machado, do grupo Choronas, de Santos (SP).

  Socicredi não pode usar a marca Sicredi. Decisão é do TJRS.

 Atraso habitual de ônibus do empregador é computado como hora extra em favor de empregado.

  Caso grave de Mal de Parkinson: STJ condena Bradesco a fornecer home care, mesmo sem previsão no contrato.