Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 17 de maio de 2019.

Um motel na própria casa



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O juiz lê a minuta de decisão - feita pela estagiária - de nomeação de curador provisório, em uma ação de interdição de Dona Amélia, uma senhora de 80 de idade.

Em seguida, o magistrado analisa a documentação. Nela, um detalhe chama a atenção: a assistente social relata que, em visita ao local onde morava Dona Amélia, os vizinhos informaram que, antes de a casa dela pegar fogo, ela alugava quartos para os casais enamorados desfrutarem de momentos de prazer. Sutil, seria um motel na própria casa.

O juiz tem, então, a intuição de que não se trata de uma idosa que precise ser interditada ou mesmo assistida na vida em sociedade. Além disso, também há a informação de que, num passado remoto, ela fora dona de um bordel em cidade vizinha. Em síntese: seria uma senhora “descolada”, capaz de administrar a própria vida.

O magistrado ainda verifica que Dona Amélia, embora receba uma aposentadoria de um salário-mínimo, tem uma razoável poupança bancária. Diante da conjunção, o juiz altera a minuta preparada pela estagiária, descarta a nomeação do curador provisório e designa, para a semana seguinte, a audiência de interrogatório.

A ela comparece Dona Amélia, acompanhada do presidente do asilo, local em que continua a residir. Ela veste roupas discretas em tons pastéis, e tem um lenço na cabeça. Porém chamam a atenção as unhas das mãos: longas e pintadas com vermelho escarlate.

O juiz começa a questioná-la e Dona Amélia aparenta dificuldades para ouvir. Diz estar com algodão nos ouvidos, em razão de uma infecção. Por isso, usa o lenço envolvendo a cabeça. O magistrado aproxima-se e fala mais alto, até encontrar o volume adequado para a conversa. Fica sabendo, então, que ela era sozinha, sem filhos, nunca casara. Não via desde sua adolescência - nem lembrava se tinha irmãos.

Questionada se ajudava o asilo com algum dinheiro pela morada provisória, Dona Amélia foge da resposta. Logo depois, ela pede, por favor, que o magistrado a tire daquela casa. Questionada onde iria viver - já que a morada dela havia incendiado – responde ter um amigo disposto a recebê-la.

Indiscreto, o juiz pergunta se era “só um amigo ou um namorado”. Ela responde que “ele tem 50 de idade e é apenas um amigo”.

O magistrado faz questões mais específicas, para saber se ela tem noção de tempo e espaço. Uma delas: “Quem é a Presidente do Brasil?”. Ela pensa um pouco e responde: “É a Dilma e eu gosto dela”.

De imediato, o juiz pensa: “Vou interditar esta mulher”. No entanto, passada a incontrolável reação político-partidária, o magistrado se convence de que Dona Amélia não precisava ser interditada. Necessitava, isto sim, liberdade, para decidir os destinos da sua própria vida.

Semanas depois, o juiz fica sabendo que o amigo cinquentão fora buscar Dona Amélia no asilo, passando com ele a residir.

A partir de então, afável com os vizinhos, ela passa a repetir uma frase que resume bem o seu novo estado de espírito: “Agora, sim, estou sendo Amélia, a mulher de verdade”.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

O texto do Romance Forense foi sintetizado a partir de um conto do juiz Giovane Rymsza (TJ-PR), publicado em “A Justiça Além dos Autos”, livro editado pelo Conselho Nacional de Justiça.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O Advogado Fura-Colchão

 

O Advogado Fura-Colchão

Doutor Arencéfalo é o apelido de um advogado muito conceituado. O cognome é uma conjunção de ´Arbelino´, nome do pai dele e ´Encéfalo´, parte do corpo humano que controla o organismo. De repente, a surpresa na comarca: a elegante esposa pede o divórcio. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

As duas Têmis

 

As duas Têmis

No curso preparatório a concursos para ingresso na magistratura, um dos professores resolve aferir os conhecimentos gerais e a capacidade redacional dos alunos. Então entrega a cada um uma folha de papel A-4. Pede-lhes que ”escrevam de 20 a 30 linhas sobre Têmis”. Um dos discípulos sustenta e comprova a existência de uma divindade grega e de uma personagem terrena que não gostava de processos. 

Charge de Gerson Kauer

Depois da juizite, o aprendizado

 

Depois da juizite, o aprendizado

Sentado para depoimento pessoal está o autor de uma ação de indenização. Ele cruza as pernas e está com os dois primeiros botões de sua camisa abertos. Pela fenda percebe-se alguns pelos esbranquiçados e uma medalha pequena, pendendo da correntinha de ouro. O magistrado escorrega no elementar, ao ordenar em tom impositivo de extrema juizite: “Descruze as pernas e feche sua camisa! O senhor está em um fórum na presença de um juiz”. Então, vem a surpreendente reação, do professor com 60 de idade.

Charge de Gerson Kauer

Os ricos mocassins do ministro

 

Os ricos mocassins do ministro

Não é Primeiro de Abril, mas quase... Um passageiro vip desistiu da prerrogativa de embarcar no terminal 2 do aeroporto de Brasília, local por onde acessam as autoridades. Talvez querendo medir sua popularidade, o notório calvo misturou-se aos mortais e foi direto ao terminal 1 .Foi então que a vigilante máquina da Polícia Federal bipou...

Charge de Gerson Kauer

Virem-se e estudem!

 

Virem-se e estudem!

Três moçoilas inteligentes terminaram o segundo grau no Interior e passaram em universidade particular na Capital, só que as respectivas famílias não conseguiriam pagar. Resolutas, as três combinaram que iriam “se virar” para quitar as mensalidades. Abriram então uma casa de diversões para o público masculino adulto. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Que ´m´!

 

Que ´m´!

O despacho judicial pretendia indeferir uma “MERA” revogação da liminar. Mas por erro de digitação – ou algum atropelo do verificador ortográfico – a palavra terminou ganhando, justo em seu meio, um inoportuno acréscimo da consoante ´d´.  Então virou “m----“.