Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 17 de maio de 2019.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_17.jpg

Sete ministros do STF têm parentes na advocacia brasiliense



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

 

  Ministro com escritório em nome do filho

Continua se falando, na advocacia brasileira, de um repercutido artigo do jornalista Ascanio Seleme, de O Globo, descrevendo, há duas semanas, o imaginário fato de que ele arrumara um cobiçado emprego no STF – melhor mesmo só se tivesse sido no Senado, que é o paraíso.

Num dos trechos da publicação, o jornalista e um amigo imaginariamente dialogam:

JORNALISTA: “E se for bem discreto, dá pra pegar carona em jatinhos particulares e ir para festinhas de arromba em ilhas privadas!”.

AMIGO – “Não? Sério? Você jura?”

JORNALISTA – “Juro. E tem mais uma coisa, muito aqui entre nós. Já teve ministro no passado que manteve seu escritório de advocacia em nome de um filho, de um amigo. E, claro, com um sócio oculto desses, todo mundo corre para lá”.

Ter um parente de ministro atuando em escritório de advocacia não significa que os magistrados devam necessariamente se declarar impedidos de atuar nos processos. E, a seu turno, os profissionais da advocacia têm direito a exercer a profissão.

Há, contudo, questões de ética a considerar.

Mas como ricochete da romanceada divagação jornalística acima, circularam esta semana, entre cabeças pensantes do Conselho Federal da OAB e da OAB do Distrito Federal, informações e cópias com curiosidades, a partir de uma constatação aritmética: “Sete ministros do STF têm parentes na advocacia brasiliense”.

Só ficam de fora dessa lista Cármen Lúcia, Celso de Mello, Rosa Weber e Luiz Fux.

Os sete (veja tópico adiante) seriam donos, administradores ou – mais modestos e/ou discretos - que simplesmente atuam em escritórios de advocacia. O assunto começou a fermentar em 2017, após Rodrigo Janot ter pedido a saída de Gilmar Mendes do caso Eike Batista, porque a mulher do ministro trabalha no escritório de Sérgio Bermudes, que defende o empresário.

 Um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete!

Os documentos a que advogados proeminentes tiveram acessos informa:

· Ricardo Lewandowski – O filho do ministro, Enrique de Abreu Lewandowski, é advogado integrante do escritório brasiliense Tauil & Chequer Advogados.

· Alexandre de Moraes – A esposa dele, Viviane Barci de Moraes, é sócia da Barci de Moraes Sociedade de Advogados.

· Edson Fachin – A filha do ministro, Melina Girardi Fachin, é sócia do escritório Fachin Advogados Associados. E Marcos Alberto Rocha Gonçalves, casado com Melina, também consta no quadro societário como sócio-administrador.

· Dias Toffoli – Roberta Maria Rangel, esposa do ministro é dona do escritório Rangel Advocacia.

· Luís Roberto Barroso – Foi titular, até meados de 2013 (ano em que Dilma o nomeou ministro do STF), de Luís Roberto Barroso & Associados, sucedido por BFBM Barroso Fontelles, Barcellos, Mendonça & Associados, “dando continuidade a uma tradição de mais de 30 anos de forte atuação no meio” – conforme é propagado na internet. Em 21 de março deste ano, num enfrentamento entre Barroso e Gilmar, durante uma sessão do STF, o segundo desferiu uma irônico comentário ao primeiro: “Ministro Barroso, feche o seu escritório de advocacia”. A resposta foi no mesmo tom: “Vossa Excelência é a mistura do mal com o atraso”.

Roberto Bernardes Barroso – que é pai do ministro - também constou no quadro societário do escritório.

· Gilmar Mendes – A esposa, Guiomar Mendes, atua no escritório de Sérgio Bermudes, que presta serviços ao empresário Eike Batista e também aos donos das maiores empresas de transporte coletivo do Rio.

· Marco Aurélio Mello – A sobrinha Paula Mello também atua no escritório de Sérgio Bermudes. O ministro declarou-se impedido de julgar ações em que o escritório é parte interessada. A filha do ministro, Letícia de Santis Mello, foi nomeada por Dilma Rousseff em 19 de março de 2014 como desembargadora federal do TRF da 2ª Região, em vaga reservada ao quinto constitucional.

  Falha de sistema

Marianna Fux, filha do ministro Luiz Fux, também trabalhou no escritório de Sérgio Bermudes. Durante tal período, o pai votou em seis ações em que o escritório era interessado. Em 2013, o STF comunicou que a participação de Fux nas ações “decorreu de falha no sistema da Corte, tendo havido imediatamente a correção”.

Hoje desembargadora do TJ do Rio de Janeiro, Marianna foi ungida na lista sêxtupla da OAB do Rio de Janeiro, sendo nomeada – pelo governador Luiz Fernando Pezão - ao tribunal carioca em 2016.

 Causa milionária

Famosos advogados brasileiros ganham bem, seguramente muito mais do que ministros da ativa. Mas a demanda chama mais a atenção quando o advogado exitoso teve passagem pelas cortes superiores.

Esta semana, o escritório paulista do ex-ministro do STF Francisco Rezek ganhou, na 21ª Câmara Cível do TJ do Rio, uma causa cujo resultado financeiro se aproxima dos R$ 21 milhões (cálculo extraoficial). Não há trânsito em julgado.

Na origem do embrulho jurídico está uma ação do ECAD contra a Rede Globo, que durou oito anos e que terminou por acordo no pagamento de direitos autorais. Contratualmente, Rezek deveria, em 2014, receber R$ 500 mil (valor nominal), atualizados desde 2007 e um percentual de 10% sobre o valor (acordado) que a Globo, afinal, pagou ao Ecad.

Face ao inadimplemento da honorária contratual advocatícia, Rezek cobrou do ECAD judicialmente e ganhou o direito a receber a bolada. O acórdão ainda não está disponível.

Claro, teoricamente, o caso comporta recursos aos dois tribunais superiores de Brasília. (Proc. nº 0008803-76.2014.8.19.0001 – TJ Rio).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Motorista pode ter desconto em salário, em razão de multas de trânsito

• Decisão do TRT-RS confirma sentença proferida na JT de Canoas: “Legítimos os descontos em questão, por serem correspondentes aos prejuízos causados pelo empregado à empresa”.

•  STJ julga no dia 5 causa de US$ 500 milhões: investidores contra a Ambev

 Os atos de oficiais de justiça podem passar a ser cobrados nos Juizados Especiais.

 Dez integrantes do MPF inscritos como candidatos ao cargo de procurador-geral da República.

 Delegados de polícia, procuradores de Estado e da Assembleia Legislativa e defensores públicos não têm direito ao foro privilegiado.

As três máquinas italianas de café expresso que serviam Lula

  Eram aparelhos grandes e profissionais, para que nas viagens sempre houvesse café bem quente em todas as paradas. No caso de viagens com escalas, a primeira máquina - depois de cumprir sua missão – era embarcada em voo especial para a última parada do então presidente.

  O indeferimento de novo penduricalho para a magistratura gaúcha. A Ajuris queria, via administrativa, que o TJRS instituísse o “auxílio-creche”, livre de imposto de renda. Que feio!

  Nova decisão do TST manda pagar, como horas extras, o tempo de trabalho prestado por advogado, a partir da quarta hora diária e da vigésima semanal, acrescidas do adicional de 100%.

Caso gaúcho de doação de óvulos entre duas irmãs

  Decisão desta semana da Justiça Federal do RS autoriza o descumprimento de resolução do Conselho Federal de Medicina que proíbe que doadores(as) e receptores (as) de gametas e embriões conheçam a identidade um do outro.

  Caso de planejamento familiar semelhante também teve, em 2018, sentença favorável em mandado de segurança julgado pela JF de São Paulo.

  Os espaços em que Bolsonaro investe na imagem pessoal, em canais de tevê de menor audiência. Enquanto isso, Globo e globais continuam de fora.

Consumidora gaúcha obtém sentença que garante a devolução de veículo defeituoso

 A Ford e a Ribeiro Jung reembolsarão a prejudicada com R$ 54 mil (mais correção e juros) e pagarão reparação moral de R$ 5 mil.

 Leia a íntegra da sentença da ação consumerista que expõe defeitos repetitivos numa Eco Sport comprada nova.

 A crise brasileira levará quase um milhão de famílias a engrossar as classes D/E em 2019.

 Juízes federais também querem prestar jurisdição eleitoral. Vale R$ 5.390 mensais, livres de tributação.

 Nos Correios, um chefe a cada dois servidores.

Grampo autorizado judicialmente revela desembargador pedindo “vaga fantasma” para esposa, filho e sogra

 Interceptações telefônicas revelam que o magistrado Alexandre Victor de Carvalho (foto), do TJ-MG, adianta que promotores não fiscalizam.

 Na Assembleia Legislativa mineira a negociação foi feita com o então procurador-geral, Augusto Mário Menezes Paulino, que – numa das ligações grampeadas - alerta o magistrado sobre a possibilidade de a nomeação configurar nepotismo cruzado.

 “Você acha que vale a pena arriscar?” - questiona o desembargador. “Acho que não! Fica com uma bundona na janela danada” - responde a outra voz.

Depois da censura à imprensa, o Supremo prepara a faustosidade gastronômica

Aberta licitação para a contratação do fornecimento de 2.800 refeições, 180 cafés, 180 “brunchs” e outros múltiplos quitutes.

Os coquetéis serão em número de três, para 1.600 pessoas.

Os vinhos brancos têm um pré-requisito: suas uvas deverão ter sido colhidas à mão.

O edital não fala em Engov contra ressacas. Mas...

 Um veterinário para o Tribunal de Contas.

 Lula disse que a prisão o deixou “mais humano”. Há controvérsias.