Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 17 de maio de 2019.

“O seu nome é Fátima, doutor?”



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Onze horas da manhã. O advogado sessentão, defensor da empresa ré, entra na sala de audiências, diz “bom dia” à jovem juíza, a quem estende a mão. Secamente ela retribui gesto e palavras, mas segue sentada.

Em seguida, a magistrada, com os autos em mãos - sabe-se lá com que propósito - pergunta:

- O seu nome é Fátima, doutor?

Há alguns nomes próprios que se prestam a tais confusões, como Darcy, Abigail e Nadir, por exemplo. Entretanto, não se conhece nenhum registro de homem chamado Fátima.

Surpreso com a inesperada indagação, o advogado divaga:

- Se eu fosse Fátima, talvez não estivesse aqui neste foro surpreendente, mas conversando amenidades com os convidados da programação matutina da Rede Globo – a senhora deve conhecer ´O Encontro com Fátima Bernardes´, não é doutora?...

E não fica por aí. Ele mira nos olhos da novel juíza, e produzindo um amigável sorriso, complementa:

- E se eu me chamasse Fátima seria mais bonito! Sou apenas o Carlos, um dos advogados que constam aí na procuração, juntamente a Doutora Fátima, que é minha filha!...

A magistrada fica sem graça, mas não perde a pose e ainda tenta justificar:

- É que quem assinou a contestação foi Fátima...

O advogado arremata com decisiva pitada de ironia:

- A advocacia é assim. Se aceitamos a provocação, nossa atividade fica mais difícil. A nossa paciência se esgota. E a vida perde alguns minutos. Tenho dito!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O Advogado Fura-Colchão

 

O Advogado Fura-Colchão

Doutor Arencéfalo é o apelido de um advogado muito conceituado. O cognome é uma conjunção de ´Arbelino´, nome do pai dele e ´Encéfalo´, parte do corpo humano que controla o organismo. De repente, a surpresa na comarca: a elegante esposa pede o divórcio. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

As duas Têmis

 

As duas Têmis

No curso preparatório a concursos para ingresso na magistratura, um dos professores resolve aferir os conhecimentos gerais e a capacidade redacional dos alunos. Então entrega a cada um uma folha de papel A-4. Pede-lhes que ”escrevam de 20 a 30 linhas sobre Têmis”. Um dos discípulos sustenta e comprova a existência de uma divindade grega e de uma personagem terrena que não gostava de processos. 

Charge de Gerson Kauer

Depois da juizite, o aprendizado

 

Depois da juizite, o aprendizado

Sentado para depoimento pessoal está o autor de uma ação de indenização. Ele cruza as pernas e está com os dois primeiros botões de sua camisa abertos. Pela fenda percebe-se alguns pelos esbranquiçados e uma medalha pequena, pendendo da correntinha de ouro. O magistrado escorrega no elementar, ao ordenar em tom impositivo de extrema juizite: “Descruze as pernas e feche sua camisa! O senhor está em um fórum na presença de um juiz”. Então, vem a surpreendente reação, do professor com 60 de idade.

Charge de Gerson Kauer

Os ricos mocassins do ministro

 

Os ricos mocassins do ministro

Não é Primeiro de Abril, mas quase... Um passageiro vip desistiu da prerrogativa de embarcar no terminal 2 do aeroporto de Brasília, local por onde acessam as autoridades. Talvez querendo medir sua popularidade, o notório calvo misturou-se aos mortais e foi direto ao terminal 1 .Foi então que a vigilante máquina da Polícia Federal bipou...

Charge de Gerson Kauer

Virem-se e estudem!

 

Virem-se e estudem!

Três moçoilas inteligentes terminaram o segundo grau no Interior e passaram em universidade particular na Capital, só que as respectivas famílias não conseguiriam pagar. Resolutas, as três combinaram que iriam “se virar” para quitar as mensalidades. Abriram então uma casa de diversões para o público masculino adulto. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Que ´m´!

 

Que ´m´!

O despacho judicial pretendia indeferir uma “MERA” revogação da liminar. Mas por erro de digitação – ou algum atropelo do verificador ortográfico – a palavra terminou ganhando, justo em seu meio, um inoportuno acréscimo da consoante ´d´.  Então virou “m----“.