Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

Claudiomiro Estrais Ferreira, tanque de guerra, bigorna e matador



Google Imagens

Imagem da Matéria

Com o avançar do tempo, em doses homeopáticas, perdemos as nossas referências pessoais, desde as mais próximas até aquelas mais simbólicas. Há uma história para a humanidade, uma história para os povos e uma história pessoalíssima, decorrente da nossa existência.

Faz parte da história, em uma época que o mundo era muito menor, na década de 60, comprar material esportivo na Cauduro. A meia cinza do Internacional, a camisa preta do inesquecível Gainete. A vida era muito diferente, pois se quiséssemos o emblema do clube, ele era comprado separadamente e costurado no uniforme.

Eu admirava o Gainete, na realidade queria ser o Gainete, como todos os meninos desejam em ralação aos seus ídolos. O meu uniforme de goleiro era completo, com aquele calção preto estofado na lateral e com as joelheiras de feltro branco.

Mas para a minha geração de colorados havia uma outra referência inesquecível, o nosso Claudiomiro. Ele suscitava alguns apelidos marcantes. Lembro do meu pai chamá-lo de tanque de guerra, bigorna, etc. Tudo indicando força e invencibilidade.

Lembro muito bem dele, especialmente pelo gol marcado no Beira-Rio, o primeiro em um adversário. Ele era baixo, forte, econômico nas palavras e com uma expressão facial de poucos amigos. No linguajar de hoje, seria chamado de matador.

Claudiomiro era alvo de piadas e a ele era atribuída a autoria de frases que não sabemos se disse ou não disse, mas que eram sempre repetidas em tom de veracidade.

Não importa mais, pois o Claudiomiro com todas as suas circunstâncias, folclóricas ou não, ingressou na história do Internacional, do futebol e da nossa história. Porto Alegre comentava o fato do Claudiomiro ser visto ao volante de um possante e vistoso Dodge Dart. À época, isso significava o máximo em termos de sucesso na carreira do jogador. O sucesso era mensurado pelo carro e pela casa.

Dificilmente um jogador, mesmo com a qualidade do Claudiomiro, tinha a chance de ser contratado por um clube europeu. Como disse, o mundo era pequeno e Porto Alegre ainda menor. As comunicações eram locais e algo que ocorria em um outro continente somente era conhecido aqui, dois ou três dias depois.

Sempre tive pena de alguns jogadores que, para mim, viveram na época errada e o Claudiomiro foi um deles. Alguém pode imaginar os efeitos do seu despontar no futebol se fosse nos dias de hoje? Eu imagino, ao menos financeiramente.

Ele seria mais um a receber muitos dólares ou euros e certamente patrocinado por uma grande marca do futebol. Mas o tempo era o da Loja Cauduro, na Rua José Montaury, ao lado da Galeria Chaves.

Quando passei a atuar como dirigente do Internacional, seguidamente encontrava o Claudiomiro no pátio do estádio ou, ainda, em eventos consulares realizados no interior. Deparei-me com a banalização do que, no passado, seria excepcional. Nunca deixei de parar para cumprimentá-lo em uma merecida homenagem ao atleta admirável.

Nesse ato, também há a nostálgica reverência à vida de então, onde o sonho, a esperança e a felicidade eram de pouca complexidade. Fica aqui o registro do reconhecimento e admiração ao Claudiomiro, aquele que nos fez vibrar e acreditar na nossa paixão vermelha.

Claudiomiro enfrentou várias dificuldades, mas teve sempre o afeto da torcida e o apoio do Internacional. Que ele esteja em paz, pois durante muito tempo estará presente em nossa memória.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Operação Papai Noel

“Polícia e Ministério Público à cata de ilícitos no Inter. Uma tremenda vergonha! Nada mais sobra imune às irregularidades administrativas no Brasil. Poderiam ter poupado o nosso clube, mas desconfio que os gatunos sequer colorados são”.

O recado das urnas

“Quem perde por pouco, perde por muito. O provérbio se aplica como uma luva na passagem colorada pelo Campeonato Brasileiro. Faltou foco, organização e liderança. Deixamos escapar o título que tanto os nossos torcedores almejam”.

Por entre os dedos da mão

“Chega de melo, chega de melado e chega de melaço! Lamentavelmente encerraremos mais um período de gestão no Sport Club Internacional sem a conquista de título. Deixamos passar, em 2017, o campeonato da série B. E em 2018 um Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil”.

O coronelismo no Inter já foi abandonado, ainda bem!

“A análise dos indivíduos, graças às redes sociais, flagrou a manipulação de muitas estrelas do jornalismo. Convido para que acessem os espaços virtuais das chapas, comparando as propostas”.

Terá pátio no Internacional !

Marcelo Medeiros (E) e Luciano Davi (D) serão os dois candidatos. “Um clube da grandeza do Inter só é gigante em razão da participação e interesse dos sócios, que são os verdadeiros donos. Convido os colorados a lerem os projetos de gestão, optando por aquele que represente a necessária confiança e eficiência”.