Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 17 de maio de 2019.

Sete anos e meio sem solução judicial



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

Ricardo José Neis, servidor do Banco Central do Brasil, acusado de atropelar 17 ciclistas, em 25 de fevereiro de 2011, foi condenado - cinco anos e meio depois - em 24 de novembro de 2016, pelo júri popular, a 12 anos e nove meses de prisão por 11 tentativas de homicídio, com três qualificadoras, e cinco lesões corporais.

O juiz Maurício Ramires estabeleceu que o réu poderia recorrer em liberdade e que não perderia o cargo público, já que – no ponto - não houve pedido do Ministério Público.

Na noite do múltiplo atropelamento, na Rua José do Patrocínio, em Porto Alegre, Neis, à época com 47 anos - descontrolou-se ao deparar com uma ação ciclística do grupo Massa Crítica - movimento que realiza atos pelas ruas com o objetivo de divulgar a bicicleta como meio de transporte - e avançou sobre os ciclistas.

O atropelador dirigia um Golf e teria ficado irritado ao ter a sua passagem bloqueada. O bancário teve a prisão preventiva decretada em março de 2011. Um mês depois, obteve liberdade provisória.

Entre o encerramento do júri popular e a chegada do processo ao TJRS – com as duas apelações - decorreram sete meses. Com vista para parecer, o Ministério Público devolveu os autos rapidamente (carga de apenas 11 dias).

Hoje, 6 de setembro de 2018, completa-se um ano desde que o processo começou a ser pensado para que se julguem as apelações do Ministério Público (quer o aumento da pena) e do réu (pretende a diminuição da sanção penal).

Desde a véspera do Dia da Pátria do ano passado – 6 de setembro de 2017 - o processo, com seus 12 volumes, está no gabinete do desembargador Diógenes Vicente Hassan Ribeiro, aguardando ser pautado para julgamento. (Proc. nº 70074012402).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A Gol também na rota terrestre do propinoduto político

Delação de um dos donos da empresa aérea pode bagunçar do Ibovespa a Brasília. O empresário Henrique Constantino confessa ter pago R$ 7 milhões em propina a grupo ligado a Michel Temer. Em troca, a empresa obteve R$ 300 milhões em financiamento da Caixa Federal. ‘Passageiros, reserva de poltrona’ e ‘localizador’ eram códigos para discutir pagamentos.

Humor Político – Chargista Boopo

Michel Temer vira réu pela sexta vez

 

Michel Temer vira réu pela sexta vez

Recebida a denúncia por organização criminosa e obstrução de Justiça. Ex-ministros Padilha e Moreira Franco também são réus. Os três negam acusações. Segundo o juiz, os fatos investigados no inquérito são similares àqueles sobre o chamado "quadrilhão do MDB", que também corre na Justiça Federal.