Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

Predestinação? Campanha sem a presença dos (possíveis) candidatos presidenciáveis?



Arte EV sobre foto de Miguel Vallejera Blog Spot

Imagem da Matéria

PRIMEIRO PONTO

No creo en brujas, pero que las hay, las hay! A expressão corresponde a um dito popular castelhano, ao qual se atribui origem galega e que aportou no Brasil por força de nossa tradição luso-espanhola, especialmente aqui nos pampas.

No início deste ano de 2018, qualquer prognóstico que fosse feito quanto à campanha presidencial certamente, por mais ousada que fosse, não se aproximaria da realidade dos últimos dias. Solidarizo-me com Oscar Wilde, para quem “a vida imita a arte, mais do que a arte imita a vida”.

Tema recorrente dos últimos meses, cuja novela ainda não alcançou o último capítulo: Lula será ou não candidato? Participará como tal das propagandas ou não?

O Tribunal Superior Eleitoral reconheceu, por unanimidade, sua condição de inelegível, enquadrado que está na Lei da Ficha Limpa. Porém, dois votos divergiram, em parte, da maioria: o do ministro Luiz Edson Fachin, acatando a recomendação, proferida em sede de liminar, pelo Comitê de Direitos Humanos da ONU, autorizando a candidatura de Lula, ainda que em caráter precário. A ministra Rosa Weber, por sua vez, reconhecendo que a decisão de inelegibilidade é provisória, porque depende do trânsito em julgado.

Embora vencidos, os dois julgadores se inclinaram para a manutenção de Lula nas urnas e, consequentemente, habilitando-o a participar ativamente da campanha, mesmo que recolhido à prisão, na condição de candidato provisório.

Da decisão denegatória de registro da candidatura, foi interposto recurso extraordinário, que ainda se encontra sub judice quanto à sua admissibilidade, daí porque afirmar-se que tudo pode acontecer nos próximos desdobramentos.

SEGUNDO PONTO

Nos últimos dias, o Brasil acompanhou um ato de agressão e de barbárie, quando o candidato Bolsonaro, em campanha pelas ruas de Juiz de Fora (MG) foi atingido por uma facada no abdome. Selvageria que não merece abono de qualquer sociedade civilizada.

Fato é que as condições de saúde do candidato, com boas projeções de recuperação, afastaram, pelo menos por ora, o candidato das campanhas, fazendo que o mesmo se faça representar por seu vice e por seu filho e o que mais a moderna mídia pode produzir, como, por exemplo, resgatando imagens pretéritas.

O que há em comum nas duas situações? Os candidatos que melhor desempenho obtiveram nas primeiras pesquisas levadas a efeito estão fisicamente afastados das atividades pré-eleitorais; um porque se encontra recolhido na prisão; outro porque se encontra hospitalizado.

Eta Brasil e suas diversidades!


Comentários

Rangel Santos - Advogado 11.09.18 | 10:04:07

É um absurdo aceitar como candidato um presidiário, ainda que pendente recurso nos tribunais superiores. O elemento está preso e conforme a "Lei da ficha limpa" que o próprio assinou, qualquer um que, condenado por órgão colegiado não poderá ser candidato a nenhum cargo. Desta forma, se quisermos ser levados a sério e nos tornarmos um realmente um país e não uma republiqueta das bananas, devemos cumprir a lei e repudiar a pretensa candidatura de um presidiário.

Banner publicitário

Mais artigos do autor

2019: ano difícil para os cursos universitários

“Os cursos de instituições privadas sofrerão impacto direto, com significativa diminuição de vestibulandos e, portanto, de alunos do primeiro ano do ensino superior”.

As calendas gregas na rotina forense

“O recurso especial não será recebido com o efeito suspensivo. E aí, surge do nada, milagrosamente, uma decisão mais ou menos assim: ´Aguarde-se o trânsito em julgado do recurso x ou y . É a pirâmide invertida!

Agora é lei...

“A Lei nº 13.728/18, que agregou ao Estatuto dos JECs o artigo 12-A, dispõe que, na contagem de prazo em dias, estabelecido por lei ou pelo juiz, para a prática de qualquer ato processual, inclusive para a interposição de recursos, computar-se-ão somente os dias úteis”.

Uma virada histórica

Em seu discurso de vitória, Jair Bolsonaro prometeu quebrar paradigmas e fortalecer o federalismo: ´Mais Brasil e menos Brasília´. Se essa promessa for cumprida, seu mandato já se justificará”.

Sobre o voto em branco... ainda !

Qual mensagem o eleitor, que assim vota, estará transmitindo? ´Não escolho nenhum dos candidatos porque rejeito a ambos!´. Ou, ´concordo com qualquer dos candidatos!´...

Pílulas eleitorais

“O povo brasileiro, de um modo geral, se queixa de que são sempre os mesmos políticos a ocupar os cargos eletivos. A pergunta é: quem vota neles?”