Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de junho de 2019.

Só empregados como réus em cobranças de contribuição sindical



Somente os empregados - e não as empresas - podem figurar como réus em ações de cobrança de contribuição sindical movidos por sindicatos. Com esse fundamento, a 5ª Câmara do TRT da 12ª Região (SC) acolheu o recurso da Indústria de Postes Indaial Ltda. e extinguiu a ação, sem julgamento do mérito, com base nos incisos I, II e III do artigo 330, e I, IV e VI do art. 485, do novo CPC.

O caso começou quando o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e Mobiliário de Blumenau (SC) ajuizou ação, em fevereiro deste ano, pretendendo que a empresa promovesse o desconto e o recolhimento da contribuição sindical, equivalente a um dia de trabalho por ano, conforme previa a CLT antes das mudanças trazidas pela Lei nº 13.467/2017 (Reforma Trabalhista).

O argumento do sindicato foi de que “os novos dispositivos da lei são inconstitucionais, uma vez que a contribuição sindical é um tributo e como tal não poderia ter sido modificada por lei ordinária”. Esta tese foi, porém, derrubada em julgamento recente do STF.

Na defesa, a empresa Indústria de Postes Indaial Ltda. alegou que não poderia ser incluída na ação, destacando que a contribuição sindical passou a ter caráter facultativo após a entrada em vigor da nova legislação, que ainda condicionou o desconto à autorização prévia e expressa do trabalhador.

No entanto, ao julgar o caso, o juiz Reinaldo Branco de Moraes, da Vara do Trabalho de Indaial (SC) concordou à época com a tese do sindicato e acolheu o pedido, determinando que a empresa realizasse o desconto.

Ao recorrer da sentença, a empresa contestou mais uma vez a legitimidade do sindicato para propor ação, reiterando também que ela não deveria estar no polo passivo da demanda, pois é “mera repassadora” da contribuição sindical. A desembargadora relatora Gisele Pereira Alexandrino, relatora do recurso, reconheceu a legitimidade do sindicato, para estar no polo ativo, porém concordou com a empresa quanto à sua ilegitimidade para figurar no polo passivo.

Para a magistrada, “a obrigação imposta à ré – que é apenas de repasse – afeta direitos de terceiros, ou seja, dos empregados da empresa, que teriam os valores descontados de seus salários sem que fosse garantido a eles o direito de defesa”.

O acórdão arremata que “os verdadeiros legitimados para figurar no polo passivo da ação são os empregados”. (Proc. nº 0000096-28.2018.5.12.0033).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Mesada em substituição à aposentadoria

O TRT de Minas cria original precedente: responsabiliza o empregador a pagar mensalmente, a um trabalhador que tenta se aposentar, o valor que ele teria direito de receber. A obrigação persistirá até que a situação dos recolhimentos previdenciários seja resolvida junto ao INSS.

Decisão do STF suspende acórdão do TRT da 4ª Região

Acolhimento liminar de reclamação suspende decisão que determinava que uma empresa gaúcha procedesse ao desconto da contribuição sindical de todos os trabalhadores, ainda que estes não tenham autorizado.

Cola prejudicial à saúde

TRT-RS condena empresa fornecedora de equipamentos hospitalares. Acórdão alerta para os riscos das lidas com a cola ciclohexanona.