Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 22 de março de 2019.

Condenação em R$ 2 milhões por revistas diárias em empregados



A Sucocítrico Cutrale foi condenada ao pagamento de R$ 2 milhões, a título de indenização por danos morais coletivos, por realizar revistas ilegais nos pertences dos seus funcionários. A ação é do Ministério Público do Trabalho em Araraquara (SP). O valor será destinado “em favor de instituição com relevância social, a ser apontada pelo Ministério Público do Trabalho na fase de execução”.

A empresa araraquarense é a maior produtora de suco de laranja do mundo. Não há trânsito em julgado.

A sentença obriga a abstenção imediata de efetuar revistas pessoais ou íntimas nos empregados que trabalham nos estabelecimentos industriais e rurais do Estado de São Paulo. A proibição inclui a verificação do conteúdo de bolsas, sacolas e similares, ainda que de forma reservada e meramente visual, sob pena de multa de R$ 20 mil por trabalhador alvo do descumprimento e por ocorrência.

O Ministério Público do Trabalho instaurou inquérito civil em 2014, a partir do recebimento de ofício pela Vara do Trabalho de Taquaritinga (SP) noticiando que “a Cutrale vinha realizando revistas em bolsas e itens pessoais dos empregados com o objetivo de evitar furtos de sucos de laranja”.

Anteriormente, em pesquisa eletrônica “foram localizadas outras condenações da empresa por ter realizado a revista pessoal também em propriedades rurais, de maneira mais incisiva”, destacou o MPT.

A revista, segundo a petição inicial, acontecia diariamente nas mochilas dos trabalhadores, com o intuito de evitar que os operários levassem laranjas e/ou embalagens de suco para a casa.

Em depoimentos, os trabalhadores afirmaram que funcionários uniformizados eram designados a fazer a revista nos ônibus rurais e nos pertences pessoais dos empregados.

Em audiência administrativa, os representantes da Cutrale foram indagados sobre o interesse em firmar termo de ajuste de conduta, a fim de evitar provável discussão judicial com o Ministério Público do Trabalho. A empresa se recusou a fazer acordo. (Proc. nº 0011017-38.2014.5.15.0151 – com informações do MPT).

Condenação anterior recente

A mesma Sucocítrico Cutrale Ltda. foi condenada, há duas semanas, em segunda instância pelo TRT da 15ª Região, em Campinas (SP), a pagar indenização por danos morais coletivos no valor de R$ 300 mil pelo descumprimento de normas de saúde e segurança do trabalho.

Segundo inquérito do MPT, os motoristas de transporte de carga empregados de transportadoras terceirizadas são submetidos a jornadas de trabalho ilegais e nocivas à saúde humana. Há casos de trabalho com direito a folgas somente após 25 dias de atividades contínuas.

A indenização será destinada a projetos, iniciativas ou campanhas em benefício dos trabalhadores em municípios abrangidos pela circunscrição da Justiça do Trabalho de Araraquara.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Segurança do Inter não receberá horas extras por trabalhar em jogos e eventos

Ele prestava serviços das 9 às 15h. Em dias de jogos, prosseguia até a meia-noite. O TST reforma decisão do TRT-RS e acolhe recurso de revista do clube gaúcho, ao aplicar precedente do STF: “a Constituição reconhece a validade da negociação coletiva e admite a possibilidade de pactuar até mesmo a redução de direitos trabalhistas”.